Logo da blockchain de privacidade Monero (XMR)
Shutterstock

A exchange de criptomoedas Binance adicionou uma “etiqueta de monitoramento” a uma lista de criptomoedas, incluindo as moedas de privacidade Monero (XMR), Zcash (ZEC), Horizen (ZEN) e Firo (FIRO).

Em um anúncio, a Binance disse que os tokens com a tag de monitoramento “exibem volatilidade e riscos notavelmente mais altos em comparação com outros tokens listados” e “correm o risco de não atender mais aos nossos critérios de listagem” e serem retirados da exchange.

Publicidade

Acrescentou que os tokens com a etiqueta de monitoramento estão sujeitos a revisões regulares. Os critérios considerados durante suas análises incluem volume e liquidez de negociação, estabilidade e segurança da rede e “contribuição para um ecossistema cripto saudável e sustentável”, bem como “capacidade de resposta às nossas solicitações periódicas de due diligence”.

Para negociar tokens marcados com a tag de monitoramento, os usuários devem passar por um teste para garantir que estão “cientes dos riscos”, disse a Binance em seu anúncio. Outros serviços relacionados aos tokens da lista não foram afetados, incluindo a negociação.

Outros tokens como Aragon (ANT), Keep3rV1 (KP3R), Mdex (MDX), MobileCoin (MOB), Reef (REEF) e Vai (VAI) também foram marcados com a tag de monitoramento.

O cofundador da Firo, Reuben Yap, disse ao Decrypt que a etiqueta de monitoramento foi aplicada ao token e a outras moedas de privacidade “devido ao aumento da pressão regulatória, incluindo a MiCA, iniciativas recentes de reguladores dos EUA e conformidade com o acordo da Binance com o DoJ dos EUA”.

Publicidade

Ele ressaltou que o projeto tem estado “em discussões ativas com a Binance sobre esse assunto desde setembro de 2023”, e que sua proposta de implementar o Exchange Addresses, uma ferramenta que, segundo ele, permite que as exchanges mantenham a conformidade regulatória, respeitando a privacidade do usuário, foi “recebida positivamente” pela exchange.

O Decrypt entrou em contato com a Binance para conversar sobre o assunto e atualizará este artigo caso obtenha uma resposta.

Binance e as moedas de privacidade

Criptomoedas como Bitcoin e Ethereum usam endereços de carteira pseudônimos; como seu livro-razão é público, se um endereço puder ser vinculado à identidade de um usuário, suas transações poderão ser rastreadas. As moedas de privacidade são um tipo de criptomoeda que usa técnicas cripto para proteger as informações de identificação das transações, permitindo que os usuários façam transações anônimas.

A Binance tem enfrentado dificuldades para listar moedas de privacidade em sua plataforma em algumas regiões. Em maio de 2023, a exchange anunciou que retiraria da lista várias moedas de privacidade, incluindo Monero, Zcash e Horizen, na França, Itália, Polônia e Espanha, antes de voltar atrás em algumas das criptomoedas afetadas um mês depois.

Publicidade

No entanto, várias moedas de privacidade, incluindo a Monero, continuaram afetadas pela proibição, com a Binance destacando que é “obrigada” a aderir às regulamentações locais que exigem que as exchanges “sejam capazes de monitorar as transações das moedas listadas em nossa plataforma”.

Em setembro de 2023, a Binance anunciou que estenderia sua exclusão de moedas de privacidade, incluindo Monero, Horizen e Firo, para a Bélgica.

As moedas de privacidade há muito tempo enfrentam o escrutínio dos órgãos reguladores e policiais dos EUA. Já em 2020, o Internal Revenue Service (IRS) ofereceu uma recompensa para quem conseguisse quebrar a privacidade do Monero.

Em um aviso de proposta de regulamentação de dezembro de 2020, a Rede de Fiscalização de Crimes Financeiros dos EUA (FinCEN) apontou que os protocolos de “criptomoeda com anonimato aprimorado” (AEC) limitam a capacidade dos investigadores de “seguir os fluxos de transações em seus registros públicos distribuídos” e têm uma “conexão bem documentada com atividades ilícitas”. O aviso destacou o Monero como um “tipo de AEC”.

A decisão da Binance de marcar as moedas de privacidade com uma etiqueta de monitoramento ocorre no momento em que a exchange abriu seus livros para monitoramento pelos órgãos reguladores financeiros e policiais dos EUA, após seu acordo multibilionário com o órgão regulador dos EUA.

Publicidade

De acordo com os termos do acordo, a Binance está sujeita a um extenso monitoramento, incluindo o cumprimento das “solicitações de informações” dos reguladores e o preenchimento retroativo de relatórios de atividades suspeitas (SARs) sobre transações de 2018 a 2022, que serão disponibilizados para as agências de aplicação da lei dos EUA. O ex-advogado da SEC, John Reed Stark, descreveu o acordo da Binance com os órgãos reguladores dos EUA como uma “colonoscopia financeira 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano”.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração da memcoin em Solana Bonk

Como criar uma memecoin em Solana com a Pump.fun

Protocolo viralizou ao permitir a qualquer pessoa criar uma criptomoeda por cerca de R$ 15
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Bitcoin em gráfico de alta com seta azul apontado para o alto

Traders esperam que Bitcoin supere a máxima de US$ 74 mil em breve

“Esperamos um impulso de alta aqui que pode nos levar de volta às máximas de US$ 74 mil”, disse a QCP Capital sobre o momento do Bitcoin
Cachorro Shiba Inu que inspitou Dogecoin

Kabosu, a cachorrinha que inspirou a Dogecoin, falece aos 18 anos

Kabosu sofria de doença crônica e já era muito idosa; segundo sua dona, a cachorrinha “faleceu silenciosamente”