Imagem da matéria: Ministério Público pede condenação de 15 réus da pirâmide Indeal, diz imprensa
Foto: Shutterstock

O Ministério Público Federal pediu na última sexta-feira (22) a condenação de 15 réus do caso Indeal, empresa que foi alvo de uma ação penal por prática de pirâmide financeira e desvio de dinheiro de clientes. O fim do esquema, que consistia em oferecer falsos rendimentos de até 15% ao mês em investimentos em bitcoin, ocorreu em 2019 com uma operação da Polícia Federal (PF) que levou a prisão de vários suspeitos.

De acordo com o colunista Lauro Jardim do jornal O Globo, na peça, de 315 páginas, a Procuradoria da República no Rio Grande do Sul (RS) requer que os acusados paguem R$ 1,19 bilhão a título de reparação de danos a 23,2 mil consumidores lesados.

Publicidade

Além do golpe de pirâmide, os acusados também respondem ao crime de lavagem de dinheiro devido à grande quantidade de valores enviados para o exterior. Eles converteram o dinheiro arrecadado dos investidores em criptomoedas em corretoras como Binance e Poloniex, ressalta o colunista.

Vale lembrar que os EUA cooperaram com as investigações e congelaram US$ 24 milhões (cerca de R$ 136 milhões) em criptomoedas oriundas da fraude.

Conforme descreve um trecho do relatório final da PF divulgado pelo jornalista, a Indeal não fez qualquer registro dos valores enviados ao exterior junto às autoridades brasileiras competentes. Jardim também compartilhou alguns detalhes das alegações finais da ação penal, enviada à Justiça Federal no Rio Grande do Sul.

Nela, o procurador da República José Alexandre Pinto Nunes pede a “condenação dos réus por organização criminosa, evasão de divisas, apropriação e desvio de valores, operação de instituição financeira sem autorização e gestão fraudulenta de instituição financeira”. Segundo o colunista, esta ainda é uma das últimas etapas antes da sentença, a ser dada pela Sétima Vara de Porto Alegre.

Publicidade

Sócios da Indeal

Em setembro do ano passado, a Justiça Federal concedeu liminar de soltura para os três sócios da Indeal, Ângelo Ventura da Silva, Francisco Daniel Lima de Freitas e Régis Lippert Fernandes.

Eles haviam sido presos pela segunda vez em agosto do ano passado durante a operação ‘Vita Continuat’, que apura o crime de lavagem de dinheiro no âmbito da operação ‘Egypto’. Na decisão que deu liberdade aos réus, o magistrado determinou medidas cautelares. Eles ficaram proibidos de se comunicar com os outros investigados ou pessoas relacionadas à empresa. Além disso, também não podem deixar o país.

A ação penal originária da Operação Egypto investiga se supostos crimes contra o sistema financeiro foram praticados no âmbito da Indeal, que se apresentava como uma empresa que prestava serviço de gerenciamento de compra e venda de criptomoedas, especificamente de bitcoin. Os acusados viraram réus após a suspeita de prática de pirâmide financeira.

Golpe começou em 2017

Desde 2017 a Indeal captava recursos para investimento em criptomoedas e prometia ganhos de até 15%, sendo que no primeiro mês essa porcentagem era declarada como garantida.

Publicidade

Alguns sócios apresentaram uma evolução patrimonial descomunal — teve sócio que passou de menos de R$ 100 mil para dezenas de milhões de reais em cerca de um ano.

O tipo de negócio chamou a atenção da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que proibiu a empresa de operar no Brasil. 

De acordo com o Superintendente da PF no RS, a “Operação Egypt” foi iniciada a partir de um e-mail. Nele, a pessoa questionava a legalidade dessa companhia que “estava captando recursos para investimentos com criptomoedas, que possuía capital social de R$ 100 milhões e prometia 15% de retorno ao mês”.

A denúncia do caso foi aceita pela 7ª Vara Federal de Porto Alegre, em julho de 2019.

Quer negociar mais de 200 ativos digitais na maior exchange da América Latina? Conheça o Mercado Bitcoin! Com 3,8 milhões de clientes, a plataforma do MB já movimentou mais de R$ 50 bilhões em trade in. Crie sua conta grátis!

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Manhã Cripto: ETFs de Bitcoin voltam a captar mais US$ 100 mi por dia nos EUA; Ex-diretor da FTX pede 18 meses de prisão

Mercado também começa a se preparar para veredito final da SEC sobre os ETFs de Ethereum à vista
Imagem da matéria: Empresário "vende" Bitcoin durante discurso para formandos nos EUA e recebe onda de vaias

Empresário “vende” Bitcoin durante discurso para formandos nos EUA e recebe onda de vaias

O discurso de formatura da Ohio State University incluiu defesa do Bitcoin e cantorias que chocaram o público
Ilustração de bandeira do Brasil dentro moeda de Bitcoin

Novo estudo do LAPIN apresenta melhores práticas para regulação de criptomoedas no Brasil

White paper feito pelo LAPIN com apoio da Ripple traz diversos pontos e dados para ajudar na regulação do setor de criptomoedas brasileiro
SBF da FTX no Congresso dos EUA

Criador da FTX diz que divide presídio com assassinos e brinca que arroz virou moeda com “boas oportunidades” de arbitragem

Sam Bankman-Fried, fundador da FTX, falou sobre sua vida na prisão, a visão diferenciada que tem sobre o que poderia ter sido sua vida e sua tentativa de apelação da condenação