Imagem da matéria: Mineração de criptomoedas provoca apagões em território que pertenceu à União Soviética
Mineradoras clandestinas da Abecásia (Foto: Reprodução/Youtube)

A Abecásia, uma república autônoma na região do Mar Negro que já fez parte da União Soviética, está na cola de mineradores de criptomoedas, segundo reportagem da Reuters publicada início do mês. O motivo é que o governo do pequeno país os culpa pelos recentes apagões que deixaram parte de seus 240 mil habitantes sem energia elétrica.

Em dezembro, autoridades invadiram casas, fábricas e até restaurantes para cortar cabos de energia de equipamentos de mineração. Agora o parlamento discute a criação de uma lei que daria à polícia o direito de apreender os dispositivos. Cabe ressaltar que o país é reconhecido como um estado independente apenas pela Rússia. O resto do mundo considera o território como parte da Geórgia.

Publicidade

“Eles realmente tiveram uma espécie de crise de eletricidade por causa da quantidade de mineração de criptomoedas que está acontecendo”, disse Maximilian Hess, pesquisador do think tank Foreign Policy Research Institute, à agência de notícias.

Energia barata

O interesse pela mineração de ativos digitais na Abecásia vem desde 2016. A atividade se mostrou rentável por lá por causa do custo do kilowatt-hora (kWh), que é de US$ 0,005 – 20 vezes menor que o dos Estados Unidos. Nos últimos anos, segundo a Reuters, a pequena nação ganhou 625 fazendas para ‘fabricação’ de criptomoedas.

Em 2018, o governo tentou barrar a atividade, mas não teve muito sucesso, pois a importação de hardwares de mineração ainda se manteve legal por lá. Em setembro de 2020, as autoridades suspenderam a proibição e pediram para os mineradores pagarem tarifas de eletricidade mais altas. Mas aí a coisa desandou.

Em meados de novembro, a empresa de eletricidade da Abecásia, chamada de Chernomorenergo, teve que promover apagões seguidos para evitar um ‘colapso de energia’. De acordo com dados do governo citados pela Reuters, o consumo de eletricidade em 2020 foi 20% maior que em 2019.

Publicidade

Perto do inverno, quando o consumo de energia é ainda maior, as linhas de eletricidade ficaram tão sobrecarregadas que algumas usinas pegaram fogo, segundo a agência de notícias. Uma barragem que fornece luz para maior parte da população chegou a ser fechada. Por causa dos blackouts, o governo baniu de novo a mineração no final do ano passado e começou a caçada aos mineradores.

“Estou olhando o preço do bitcoin agora e quero chorar”, disse à Reuters um minerador de Abecásia, de 30 anos, que teve que desligar suas máquinas por causa da repressão do governo. Ele estava desempregado há cerca de dois anos e tinha achado na mineração de criptomoedas uma forma de ter renda.

Veja o vídeo divulgado pela assessoria de imprensa do governo do país:

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Câmara dos EUA aprova projeto de lei para frear criação de CBDC

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para frear criação de CBDC

O apoio à legislação ficou bastante dividido entre os partidos, com muito menos apoio dos democratas em comparação com outros projetos de lei envolvendo criptomoedas neste mês
Imagem da matéria: Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Pavel Durov detém 1% do maior token de jogo deste ano, doado pelos jogadores. E ele não está vendendo seus Notcoin – não agora, pelo menos
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

GameStop e AMC desabam com fim da euforia do retorno de Roaring Kitty

As ações memes da GameStop e AMC caíram drasticamente após a abertura dos mercados dos EUA na quinta-feira, recuando pelo menos 15%
Imagem da matéria: Caso Sbaraini: advogado tenta acordo, mas vítimas podem demorar 5 anos para recuperar investimentos

Caso Sbaraini: advogado tenta acordo, mas vítimas podem demorar 5 anos para recuperar investimentos

A Sbaraini, que operava criptomoedas, parou de pagar seus clientes após uma operação da Polícia Federal apontar para um esquema de lavagem de dinheiro dentro da empresa