Imagem da matéria: Mesmo após queda, bitcoin segue sendo negociado acima de US$ 65 mil na Coreia do Sul
Foto: Shutterstock

Um banho de sangue nos mercados de criptomoedas hoje afundou o preço do Bitcoin nos mercados globais em quase 20%, derrubando o preço até próximo aos US$ 50.000.

Mas o preço atual do Bitcoin é muito inferior ao preço nas bolsas sul-coreanas, como Bithumb e Korbit. Nessas corretoras, o Bitcoin contra o won coreano é negociado por US$ 65.882.

Publicidade

Isso é 18,6% a mais do que o preço em dólar nas bolsas globais, como Binance e Coinbase.

O motivo são as novas restrições ao fluxo de dinheiro, disse Doo Wan Nam, chefe de desenvolvimento de negócios na Ásia para a Maker protocol, ao Decrypt.

Hoje, a Upbit, uma importante bolsa sul-coreana de criptomoedas, implementou uma regra de 72 horas para saques em won para contas que receberam criptomoedas pela primeira vez. A regra entrará em vigor amanhã.

A regra vem quatro dias depois que vários grandes bancos sul-coreanos interromperam as transferências de dinheiro para entidades globais relacionadas à criptomoedas.

A regulamentação torna ainda mais difícil a retirada da cripto do país, que já tem restrições rígidas ao fluxo de capitais. Isso inflaciona o preço do Bitcoin no país.

Publicidade

“Era difícil fazer arbitragem, mas agora é ainda mais difícil”, disse Nam, referindo-se ao comércio de arbitragem teoricamente lucrativo, mas praticamente complicado, entre os mercados globais e a Coreia do Sul.

Bitcoin não é a única moeda afetada. Stablecoins em dólares americanos, criptomoedas atreladas ao dólar americano, são vendidos por um prêmio nas poucas bolsas sul-coreanas que os listam. Na Probit, por exemplo , a maior stablecoin em dólares americanos, USDT, é negociada por US$ 1,21.

“Se fosse fácil, já teria arbitrado”, Nam disse ao Decrypt, que, como todos os coreanos, se beneficia do prêmio kimchi vendendo e comprando localmente à medida que o prêmio kimchi muda. Mas não é diferente das flutuações de preço em qualquer outro mercado.

Apenas alguns outros países têm políticas restritivas que causam esses prêmios, como a Nigéria. Em outros países, controles de capital frouxos tornam mais fácil para os bots movimentarem dinheiro com rapidez suficiente para fechar qualquer gap.

Publicidade

O prêmio na Coreia nem sempre foi positivo. Até fevereiro de 2021, a diferença era de -6,5%. E o prêmio de kimchi de hoje de 18,6% ainda é muito menor do que os prêmios de dar água nos olhos em maio de 2017 (63%) e janeiro de 2018 (47%).

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Ao todo, vítima gastou quase R$ 5 milhões nos pagamentos: além do envio de Bitcoin, foram 40 depósitos bancários
Imagem da matéria: '101 Perguntas sobre Bitcoin': Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

‘101 Perguntas sobre Bitcoin’: Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

A obra discorre os princípios técnicos da moeda até suas implicações socioeconômicas no contexto atual, de modo a proporcionar um entendimento profundo ao público geral
Ilustração de baleia nadando com moeda de bitcoin em seu interior

Baleia movimenta R$ 321 milhões em Bitcoin pela 1ª vez em uma década

Quando o investidor desconhecido adquiriu os bitcoins em 2013, a cotação do ativo não passava de US$ 120
Imagem da matéria: Bitcoin entra em onda de alta e atinge o seu maior preço desde o halving

Bitcoin entra em onda de alta e atinge o seu maior preço desde o halving

Dados do CoinGecko mostram que o Bitcoin subiu cerca de 3% no último dia e no período de uma semana valorizou em 9%