Imagem da matéria: Bitcoin despenca 20% na madrugada; traders têm US$ 7,6 bilhões liquidados em 1 hora
(Foto: Shutterstock)

O preço do bitcoin despencou no início da madrugada deste domingo (18), caindo de US$ 60 mil para US$ 50.500 em apenas uma hora. No Brasil, o preço chegou a encostar nos R$ 300 mil. O movimento acontece menos de quatro dias após o BTC ter registrado uma nova máxima histórica de US$ 64.800.

O preço teve uma leve recuperação nas horas seguintes e durante a manhã já é negociado perto dos US$ 55 mil. No Brasil o preço retornou aos R$ 320 mil.

Publicidade

US$ 7,6 bilhões em posições compradas (long) foram liquidadas em apenas uma hora durante a madrugada, conforme o preço do bitcoin despencou para US$ 50.000, mostram dados do bybt.com.

O preço do Bitcoin começou a cair no início do sábado, mas a queda acentuada começou por volta da meia noite de domingo.

No geral, US$ 9,2 bilhões em posições compradas foram liquidadas nas últimas 24 horas.

As liquidações são um recurso de segurança para proteger as bolsas e os traders de incorrer em perdas significativas para além de um preço predeterminado. Os traders “emprestam” ativos das bolsas para fazer operações maiores do que seu capital, e são “liquidados” quando os preços vão contra suas apostas e atingem um nível pré-determinado.

E em meio a toda a euforia da semana passada, como executivos de bancos afirmando que o Bitcoin superaria a valorização do ouro e o ativo estabelecendo novas máximas históricas, os traders provavelmente tomaram emprestado e contribuíram para o que se tornou um mercado superaquecido e superalavancado.

Publicidade

Um outro fator determinante para a alta da semana passada foi a listagem da Coinbase na Nasdaq, que impulsionou o mercado cripto ao aumentar a visibilidade no mercado tradicional. Coinbase foi a primeira corretora de criptomoedas a ser listada publicamente numa bolsa nos EUA.

A noite de sábado foi o alfinete do balão. Os mercados despencaram quase 10% em média – algumas altcoins até registraram perdas de 25% – enquanto os traders acabaram perdendo US$ 9,2 bilhões.

Desse total, US$ 8,68 bilhões em liquidações aconteceram em posições compradas ou de traders que apostaram em uma alta de preço. Binance viu US$ 4,6 bilhões sendo destruídos, Huobi com US$ 1,59 bilhão e Bybit com US$ 1 bilhão.

Bitcoin (BTC) sozinho viu US$ 5,6 bilhões em liquidações, seguido por Ethereum (ETH) em US$ 1,1 bilhão e XRP em US$ 462 milhões.

Publicidade

Um total de 1 milhão de traders foram liquidados. A maior ordem de liquidação individual aconteceu na Binance no par Bitcoin/USDt com um valor de US$ 68,73 milhões.

Enquanto isso, alguns veteranos do mercado comentaram sobre a ação do preço. “Todos vocês comprados excessivamente alavancados foram punidos. Reduções de 20-40% são cada vez mais comuns e acontecem a cada poucas semanas”, disse Bobby Ong, cofundador da Coingecko.

Ele acrescentou: “Tenha cuidado ao usar alavancagem.”

VOCÊ PODE GOSTAR
Anic de Almeida Peixoto Herdy é casada com herdeiro da Unigranrio

Herdeira é sequestrada em Petrópolis e criminosos exigem resgate em Bitcoin

Técnico de informática amigo do casal conversou com sequestradores por entender de criptomoedas e foi preso por suspeita de envolvimento
Imagem da matéria: Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Ao todo, vítima gastou quase R$ 5 milhões nos pagamentos: além do envio de Bitcoin, foram 40 depósitos bancários
Imagem da matéria: Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

“Parte técnica você descreve como funciona e acabou. Nas vacas sagradas leva um bom tanto de desconstrução de conceitos”, diz Breno Brito
moeda de Bitcoin ao lado de letreiro com ETF

Estado dos EUA investe R$ 510 milhões em ETF de Bitcoin da BlackRock

O investimento foi confirmado hoje pelo Conselho de Investimentos do Estado de Wisconsin (SWIB)