Imagem da matéria: Mercado aponta quais são os temas mais importantes da consulta pública do BC sobre regulamentação das criptomoedas
4,1 milhões de CPFs transacionaram cripto em julho (Foto: Shutterstock)

A consulta pública lançada pelo Banco Central para nortear a criação das regras de funcionamento do setor de criptoativos no Brasil vem se aproximando do prazo final. Os interessados devem se manifestar até o dia 31 de janeiro. Nesse meio tempo, o Portal do Bitcoin conversou com players do mercado para saber quais pontos eles consideram mais importantes na discussão e como está sendo o processo de diálogo com o BC.

O Banco Central lançou a Consulta Pública 97/2023 com 38 questões organizadas em oito blocos: segregação patrimonial e gestão de riscos, atividades desenvolvidas e ativos virtuais negociados, contratação de serviços essenciais, regras de governança e conduta, segurança cibernética, prestação de informações e proteção dos clientes, regras de transição e manifestações gerais.

Publicidade

Bernardo Srur, presidente da ABCripto, explica que a entidade está participando do processo debatendo os temas estruturais: “Questões envolvendo estruturas de governança da empresa, práticas de compliance, como a prevenção à lavagem de dinheiro (PDL) e combate à fraude e golpes”. 

O executivo ressalta que também está sendo muito discutido a integração da segregação patrimonial. “O mercado já vem observando seus controles mais mínimos, governança, negócios e produtos”, complementa.

Julien Dutra, diretor de Relações Institucionais do Mercado Bitcoin, classifica o processo como uma oportunidade para debater temas fundamentais ao setor. “O que precisamos discutir muito ainda será o processo de licenciamento e autorização para os diferentes operadores de mercado, inclusive os globais com ou sem representação no país”, afirma. 

O diretor do MB diz ser essencial o debate sobre a defesa da concorrência. “Isso levando em conta possíveis arbitragens regulatórias e vantagens competitivas como a publicidade e propaganda dos operadores de mercado”, afirma. 

Publicidade

Já Renata Mancini, head de compliance da Ripio, faz ecos aos comentários da ABCripto e aponta a segregação patrimonial como uma das principais preocupações. Ela lembra que o assunto chegou a passar pelo Senado no Marco dos Criptoativos, mas foi excluído durante a tramitação na Câmara.

“Esse aspecto proporciona um aumento da confiança geral no mercado cripto, o que atrai também ainda mais investidores, fazendo o ecossistema crescer cada vez mais”, diz Mancini. 

Julian Colombo, diretor de políticas públicas para América do Sul da Bitso, afirma que as questões que merecem prioridade são aquelas com o foco na proteção dos usuários. “Entendemos que nenhum aspecto relacionado a esse tema deveria ser excluído das discussões durante a consulta”, diz. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos
Fotos dos equipementos de mineração de criptomoedas operados com furto de eletricidade em Canela, RS

Polícia Civil do RS fecha fazenda de mineração de criptomoedas que lucrava R$ 400 mil por mês

Além de crime de furto de energia, casal preso responderá por porte ilegal de arma e lavagem de dinheiro
Fachada do MPDFT - Facebook

PM que atraía colegas de farda para pirâmide com criptomoedas é alvo do MP do DF

O policial militar e um grupo suspeito de pessoas e empresas teriam aplicado um golpe de R$ 4 milhões; alvos do MPDFT são do DF e GO
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte