Imagem da matéria: Manhã Cripto: FTX já pode vender R$ 4,2 bilhões em ativos; Tesouro dos EUA quer mais poder sobre mercado cripto 
Foto: Shutterstock

As principais criptomoedas passam por uma correção nesta quinta-feira (30) depois do rali que colocou o Bitcoin acima de US$ 38 mil. No mercado acionário, investidores aguardam o indicador de inflação mais acompanhado pelo banco central dos EUA, e apostas de cortes de juros também na zona do euro impulsionam as bolsas europeias. 

Bitcoin tem leve queda de 0,8% 24 horas, para US$ 37.744,75, segundo dados do Coingecko.    

Publicidade

Em reais, o BTC recua 0,6%, negociado a R$ 185.739,57, de acordo com o Índice do Portal do Bitcoin (IPB).   

Ethereum (ETH) mostra estabilidade, cotado a US$ 2.032,58.  

As principais altcoins são negociadas sem rumo definido, entre elas BNB (-0,3%), XRP (-1,4%), Cardano (-2%), Solana (-0,6%), Dogecoin (+2,8%), TRON (+0,1%), Toncoin (-0,7%), Polygon (+1,9%), Polkadot (-2,5%), Chainlink (-0,7%), Avalanche (+0,1%) e Shiba Inu (-0,6%).  

Bitcoin hoje 

Apesar da correção nesta quinta-feira, investidores continuam otimistas em relação ao desempenho do Bitcoin e outras criptomoedas nos próximos meses. 

Em entrevista à Bloomberg, o fundador da Galaxy Digital, Michael Novogratz, disse que a maior criptomoeda poderia voltar a níveis recordes a partir do próximo ano, após a possível aprovação de fundos de índice (ETFs) de Bitcoin à vista no mercado americano. Em novembro de 2021, o Bitcoin atingiu a máxima de US$ 69 mil. 

Vários gigantes de Wall Street aguardam uma resposta da SEC, a CVM dos EUA, para lançar ETFs de BTC à vista. Quem também entrou na fila foi a suíça Pando Asset, que pediu registro na quarta-feira (29). 

Publicidade

A Grayscale Investments, que controla o GBTC, o maior fundo de Bitcoin do mundo, quer converter seu fundo de BTC em um ETF. À espera de um sinal verde da SEC, a gestora fez mudanças na estrutura de taxas e custódia do fundo. 

Venda de ativos da FTX 

Administradores da massa falida da FTX receberam aprovação judicial para vender ativos da Grayscale e da Bitwise avaliados em quase US$ 873 milhões (R$ 4,2 bi), com o objetivo de reembolsar credores da exchange cripto, que colapsou no ano passado. 

A FTX detém mais de 32 milhões de ações divididas entre cinco fundos da Grayscale – o Bitcoin Trust (GBTC), Ethereum Trust (ETHE), Ethereum Classic Trust (ETCG), Litecoin Trust (LTCN) e Digital Large Cap Trust (GDLC) – e o Bitwise 10 Crypto Index Fund. 

As ações haviam sido avaliadas em US$ 744 milhões em 25 de outubro, mas o valor subiu na esteira do recente rali do Bitcoin e do Ethereum. 

Publicidade

O uso indevido de fundos de clientes foi um dos fatores que levaram à quebra da FTX e à condenação de seu fundador, Sam Bankman-Fried. 

O tema da segregação patrimonial no setor de criptoativos também preocupa autoridades no Brasil, e a Câmara pode votar um projeto de lei ainda nesta semana sobre o assunto. 

Em artigo no Portal do Bitcoin, o deputado Aureo Ribeiro defende “um arcabouço legal que regulamente e impeça o cometimento de crimes, sem criar travas à inovação legítima”. 

Tesouro dos EUA pede mais poderes sobre mercado cripto 

Nos EUA, o vice-secretário do Tesouro, Wally Adeyemo, alertou que empresas de criptomoedas podem ser banidas da economia americana caso não consigam bloquear fundos ilícitos.  

Em discurso na quarta-feira (29) durante evento organizado pela Blockchain Association, Adeyemo disse que as plataformas cripto precisam se esforçar mais para reduzir o fluxo de financiamento ilícito, reportou a Reuters

Publicidade

Na terça-feira (28), o governo Biden enviou uma carta ao Congresso pedindo mais poderes para monitorar mercados de criptoativos usados para atividades ilícitas. A proposta poderia abarcar jurisdições além das fronteiras dos EUA, apontou o CoinDesk

“Embora alguns tenham atendido aos nossos apelos e tomado medidas para prevenir atividades ilícitas, a falta de ação por parte de muitas empresas – grandes e pequenas – representa um risco claro e atual para a nossa segurança nacional”, afirmou Adeyemo no evento. 

O vice-secretário do Tesouro americano citou o recente acordo das autoridades dos EUA com a Binance, que foi multada em US$ 4,3 bilhões por violar leis de combate à lavagem de dinheiro e sanções do governo. 

Sem mencionar a Tether, Adeyemo também destacou os riscos de emissores internacionais de stablecoins atreladas ao dólar americano. 

“Não podemos permitir que provedores de stablecoins garantidas em dólar fora dos Estados Unidos tenham o privilégio de usar nossa moeda sem a responsabilidade de implementar procedimentos para evitar que terroristas abusem de sua plataforma”, disse. 

Seguindo uma ordem de autoridades americanas no início deste ano, a Paxos suspendeu a emissão da BUSD, stablecoin que leva a marca Binance. A exchange anunciou que vai encerrar o suporte para o token a partir de 15 de dezembro. 

Outros destaques das criptomoedas 

O Departamento do Tesouro dos EUA sancionou o Sinbad, um serviço de mixagem de criptomoedas acusado de dar suporte a transações de hackers da Coreia do Norte, informou o CoinDesk. O site da Sinbad também foi bloqueado pelo FBI, pelo Serviço Holandês de Inteligência Financeira e Investigação (FIOD), pelo Ministério Público da Holanda e pelo Escritório Nacional de Investigação da Finlândia. 

Publicidade

Já o Bitcoin Group anunciou medidas para melhorar seu sistema de controle interno, atendendo a ordens da agência reguladora BaFin, que apontou falhas no combate à lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo em sua subsidiária “futurum bank”, segundo a Reuters. “Estamos trabalhando ativamente com a BaFin para resolver rapidamente as debilidades criticadas em nossos processos internos, que não acompanharam o crescimento da empresa nos últimos anos”, disse em comunicado o presidente-executivo do Bitcoin Group, Marco Bodewein. 

Novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade Cornell destacou que a mineração de Bitcoin poderia mitigar as mudanças climáticas, acelerando a transição para energias renováveis. Enquanto isso, a startup Mummolin captou US$ 6,2 milhões em uma rodada liderada por Jack Dorsey, fundador do antigo Twitter, para financiar o lançamento da OCEAN, um projeto de mineração descentralizada. 

VOCÊ PODE GOSTAR
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Justiça dos EUA mantém maior parte do processo da SEC contra a Binance

Autoridade regulatória alega na ação judicial que a maior corretora de criptomoedas vendeu produtos e serviços sem autorização
Amy Webb,

IA e biotecnologia: Amy Webb fala sobre o lugar do Brasil no superciclo econômico global

Durante o Febraban Tech, Amy Webb falou que o mundo está passando por um superciclo econômico e que o Brasil precisa deixar de ser o eterno país do futuro
Joe Biden posa para foto

Biden vira sobre Kamala: mercados de criptomoedas esperam que o presidente seja indicado

Apostadores de criptomoedas no popular mercado de previsões Polymarket novamente favorecem Joe Biden como candidato dos democratas
Imagem da matéria: SEC processa Silvergate por "declarações enganosas" após colapso da FTX

SEC processa Silvergate por “declarações enganosas” após colapso da FTX

O banco Silvergate, agora fechado, e três ex-executivos foram acusados de violações de valores mobiliários pela SEC. Entenda o motivo.