Pessoa segura smartphone com logo BUSD com as mãos apoiado em uma mesa
Foto: Shutterstock

A emissora de criptomoedas Paxos anunciou nesta segunda-feira (13) que interromperá a emissão de novos tokens da stablecoin Binance Dolar (BUSD) a partir de 21 de fevereiro, encerrando a parceria com a corretora. Diante desse cenário trazido pelas pressão dos reguladores dos EUA, a empresa vêm queimando hoje milhões de tokens BUSD.

“A partir de 21 de fevereiro, a Paxos interromperá a emissão de novos tokens BUSD conforme orientado e trabalhando em estreita coordenação com o Departamento de Serviços Financeiros de Nova York (NYDFS), disse a empresa, afirmando que a Paxos Trust continuará a administrar as reservas em dólares da BUSD.

Publicidade

Conforme notou primeiro o Whale Alert, perfil do Twitter que rastreia grandes movimentações na blockchain, nesta manhã de segunda a Paxos Treasury queimou 144 milhões de BUSD.

Horas depois, mais 51 milhões de tokens BUSD tiveram o mesmo destino.

A queima de criptomoedas serve para diminuir a oferta e assim valorizar o ativo, como faz regularmente a Binance com a sua cripto nativa BNB. No caso de stablecoin, a queima pode estar relacionada a uma ação para manter sua paridade 1:1 com o dólar americano. O valor do token chegou a oscilar durante o dia ao redor dos US$ 0,99 com a notícia do fim da emissão.

Acerca do futuro dos tokens BUSD mantidos pela Paxos, o comunicado diz que a stablecoin permanecerá suportada totalmente pela empresa, bem como o seu resgate, “até pelo menos fevereiro de 2024”. Vale lembrar que a BUSD é a terceira maior criptomoeda na modalidade stablecoins, com uma market cap de US$ 15,9 bilhões.

A empresa informou ainda que seus clientes também poderão resgatar seus fundos em dólares americanos ou converter suas BUSDs para a stablecoin nativa Pax Dollar (USDP). 

Publicidade

Os problemas acerca do BUSD foram expostos logo depois de uma reportagem do The Wall Street Journal que revelou que Paxos estaria sendo investigada pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC), em publicação no domingo (12).

O motivo da investigação, segundo o WSJ, seria que a BUSD estaria sendo enquadrada pelo órgão como um valor mobiliário, e portanto, teria sido emitida sem licença das autoridades financeiras.

Por sua vez, a Binance emitiu uma nota, também nesta segunda, que diz: “A Paxos nos informou que foi instruída a interromper a ‘cunhagem’ de novas BUSD pelo Departamento de Serviços Financeiros do Estado de Nova York”.

Pressão dos EUA em corretoras cripto

Na sexta-feira (10), a Nexo, empresa global de empréstimos de criptomoedas, anunciou que vai interromper a oferta do serviço ‘Earn Interest’ — staking com criptomoedas que pagam juros — para usuários dos EUA a partir do dia 1 de abril.

Publicidade

A ação ocorreu supostamente por pressão dos reguladores do mercado de capitais que vêm encurralando as empresas cripto que ofertam serviços de staking, como ocorreu com a Kraken na semana passada.

Na ocasião, a Kraken, uma das maiores corretoras de criptomoedas dos EUA, concordou em cessar imediatamente a oferta de valores mobiliários por meio de serviços de staking de criptoativos, pagando US$ 30 milhões em restituição.

Já pensou em participar e interagir em uma comunidade Web 3.0? Se você quer entender mais sobre o Discord, não perca esse aulão gratuito. Clique aqui, ative o alerta e venha fazer parte dessa revolução

VOCÊ PODE GOSTAR
Moeda de Ethereum na frente de gráfico

Manhã Cripto: Ethereum sobe 2,6% e flerta com US$ 4 mil; PEPE bate novo recorde

Com ganhos de 10% no dia, PEPE foi capaz de atingir um novo preço recorde de US$ 0.000017
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin se estabiliza acima de US$ 67 mil; Ethereum atinge US$ 3 mil em semana decisiva para ETFs

Manhã Cripto: Bitcoin se estabiliza acima de US$ 67 mil; Ethereum atinge US$ 3 mil em semana decisiva para ETFs

A semana promete ser agitada à medida que chega o prazo final para a SEC decidir se aprova ou rejeita o lançamento de ETFs de Ethereum à vista
Imagem da matéria: Caso Sbaraini: advogado tenta acordo, mas vítimas podem demorar 5 anos para recuperar investimentos

Caso Sbaraini: advogado tenta acordo, mas vítimas podem demorar 5 anos para recuperar investimentos

A Sbaraini, que operava criptomoedas, parou de pagar seus clientes após uma operação da Polícia Federal apontar para um esquema de lavagem de dinheiro dentro da empresa
Bandeira da Argentina com moeda de Bitoin do lado

Argentina se reúne com autoridades de El Salvador para discutir adoção de Bitcoin

Há cerca de três anos, El Salvador se tornou o primeiro país do mundo a incorporar o Bitcoin, junto com o dólar, como moeda oficial