Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin supera os US$ 52 mil em busca de novas máximas; fluxos para ETFs de BTC já superam US$ 4 bi
Foto: Shutterstock

Investidores de criptomoedas e de ações acordaram com apetite por risco nesta quinta-feira (15). Enquanto no mercado de ativos digitais traders continuam apostando em fundos com exposição direta ao Bitcoin nos EUA, com entradas acima de US$ 4 bilhões, na renda variável o clima é de otimismo diante de balanços positivos, apesar da persistência da inflação na economia americana.

Com capitalização de mercado acima de US$ 1 trilhão, o Bitcoin avança 1,5% em 24 horas, para US$ 52.289,67, segundo dados do Coingecko.   

Publicidade

Em reais, o BTC sobe 2%, negociado a R$ 261.878,29, de acordo com o Índice do Preço do Bitcoin (IPB). 

Ethereum (ETH) tem alta de 1,8%, cotado a US$ 2.800,44. 

As principais altcoins acompanham a valorização, entre elas BNB (+4,3%), XRP (+4,1%), Solana (+0,7%), Cardano (+2,5%), Dogecoin (+3,2%), TRON (+2%), Avalanche (+3,6%), Polkadot (+1,4%), Polygon (+0,6%) e Shiba Inu (+2.2%). Chainlink vai na contramão e cai 1%.

O destaque fica para a memecoin BONK, que sobe quase 6% com os planos de listagem da fintech Revolut, que vai distribuir até 93 bilhões de tokens a usuários, de acordo com o CoinDesk.

Financiamento cripto do terrorismo

O subsecretário do Tesouro dos EUA para o Terrorismo e Inteligência Financeira, Brian Nelson, disse em audiência na quarta-feira (14) que o grupo Hamas recebeu pouco apoio financeiro por meio de criptoativos, ao contrário de informações divulgadas anteriormente, como na polêmica reportagem do Wall Street Journal sobre o tema.

“Para ser claro, o Hamas está usando cripto em valores relativamente pequenos em comparação com o que foi amplamente divulgado”, disse o deputado republicano Tom Emmer ao subsecretário durante audiência do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara.

Publicidade

“Essa é a nossa avaliação”, respondeu Nelson, esclarecendo que esses grupos estão de olho em outros métodos de financiamento, de acordo com o CoinDesk.

Dessa forma, o subsecretário afirmou que seu gabinete ainda está focado nas possíveis ameaças representadas pelos ativos digitais e pediu ao Congresso que ajude a fornecer mais ferramentas para combater o financiamento ilícito.

Justiça condena donos da Braiscompany

Apesar de ainda foragidos, a Justiça Federal condenou na terça-feira (13) os donos da Braiscompany pela prática de crimes contra o sistema financeiro nacional e contra a economia popular.

O juiz federal Vinícius Costa Vidor sentenciou Antonio Ais e sua esposa Fabricia Farias Campos a 88 anos e sete meses e 61 anos e 11 meses de prisão, respectivamente. Outros oito integrantes do esquema de pirâmide financeira também foram condenados.

Publicidade

A Braiscompany era uma empresa que prometia retornos fixos aos clientes por meio do suposto investimento em criptomoedas. O esquema pedia que a pessoa comprasse valores em Bitcoin e os enviasse para uma carteira cripto da empresa.

Segundo a Polícia Federal, nos últimos quatro anos foram movimentados cerca de R$ 1,5 bilhão em criptomoedas em contas vinculadas aos sócios da Braiscompany.

Outros destaques das criptomoedas

Dados de especialistas compartilhados com o Palácio do Planalto mostram que o Brasil é um dos países mais vulneráveis às invasões de hackers, de acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo. Em 2022, foram identificados 103 bilhões de casos, com perdas bilionárias. Para reverter o quadro, o governo quer criar uma Agência Nacional de Cibersegurança por meio de um projeto de lei que deve ser enviado ao Congresso ainda neste semestre, segundo a reportagem.

A Telefónica fechou uma parceria com a Chainlinkuma rede descentralizada de oráculos, para prevenir hacks e cibercrimes relacionados à web3, incluindo ataques do tipo “SIM Swap” – que envolve o roubo de identidade de um usuário e clonagem de um chip SIM – disseram as empresas em comunicado divulgado nesta quinta-feira (15) pelo CoinDesk. A parceria visa garantir a segurança para contratos inteligentes que se conectarão a outras Interfaces de Programação de Aplicativos (APIs) no “GSMA Open Gateway”.

Na China, a OpenAI, startup por trás do ChatGPT, uniu forças com sua investidora Microsoft para impedir cinco ataques cibernéticos “afiliados ao estado”, informou o Decrypt. Os ataques cibernéticos foram orquestrados por dois grupos afiliados à China – Charcoal Typhoon e Salmon Typhoon – bem como pelo Crimson Sandstorm, associado ao Irã, pelo Emerald Sleet, da Coreia do Norte, e pelo Forest Blizzard, da Rússia.

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Conta da cantora Doja Cat no Twitter é hackeada para divulgar memecoin na Solana

Conta da cantora Doja Cat no Twitter é hackeada para divulgar memecoin na Solana

Assim como Hulk Hogan, 50 Cent e Metallica, o nome da cantora astro do rap está sendo usado para bombear uma memecoin na Solana
Bolo de dólares em cima de outras notas

PF da Argentina prende família que lavava dinheiro de contrabando e jogos de azar com USDT

Com o filho preso e a esposa indiciada, o líder da quadrilha, Fabián Di Julio, o “El Gordo”, se entregou na última quarta-feira
Imagem da matéria: Ethereum (ETH) deve passar de US$ 5 mil com estreia dos ETFs, diz Bitwise

Ethereum (ETH) deve passar de US$ 5 mil com estreia dos ETFs, diz Bitwise

Firma de investimentos entende que a alta do ether terá três motores principais; confira abaixo
Imagem da matéria: Projeto irá ensinar blockchain e criptomoedas para povo indígena Paiter-Suruí

Projeto irá ensinar blockchain e criptomoedas para povo indígena Paiter-Suruí

Um projeto na Aldeia Gamir, na Floresta Amazônica, tem como objetivo promover a alfabetização digital de indígenas da etnia Paiter-Suruí