Imagem da matéria: Diretor da Braiscompany é extraditado da Argentina para prisão no Brasil
Foto da extradição do diretor da Braiscompany (Foto: Polícia Federal)

A extradição de um ex-diretor da Braiscompany da Argentina para o Brasil foi confirmada pelas autoridades brasileiras nesta semana. O homem foi preso em Puerto Iguazu em junho do ano passado e entregue à Justiça do Brasil na quarta-feira (31). Algumas horas depois, já na madrugada do dia 1º de fevereiro, ele foi levado ao presídio do Serrotão, em Campina Grande. 

A Polícia Federal não divulgou o nome do homem preso, mas o jornalista paraibano Maurílio Junior afirma se tratar de Victor Hugo Learth. Ele foi um dos brasileiros presos na Argentina em junho de 2023, junto com Arthur Barbosa e Sabrina Lima. 

Publicidade

A extradição era iminente: em dezembro do ano passado, o Ministério Público da Argentina disse por meio de um documento oficial que a extradição era justificada pelo fato de que o brasileiro atuou como operador financeiro do esquema da Braiscompany.

O MP argentino explicou que o homem extraditado captou e desviou mais de R$ 4 milhões. Vídeos postados no canal do YouTube da Braiscompany em que ele aparecia divulgando a empresa serviram como provas de que ele atuava no esquema.

O acordo para enviá-lo ao Brasil, assinado pelo juiz titular do Juizado Federal de Eldorado, Miguel Ángel Guerrero, afirma ainda que as instituições que analisaram o pedido de extradição concluíram que as investigações apontam indícios de crimes, conforme as leis de ambos os países, que são puníveis com a prisão com duração maior do que dois anos.

O caso Braiscompany

A Braiscompany era uma empresa que prometia retornos fixos aos seus clientes por meio do suposto investimento em criptomoedas. O esquema pedia que a pessoa comprasse valores em Bitcoin e os enviasse para uma wallet da empresa.

Publicidade

Em dezembro de 2022 a Braiscompany parou de pagar os clientes. Em fevereiro de 2023, a pirâmide ruiu: o Ministério Público Federal abriu um processo penal contra Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos — casal fundador da Braiscompany atualmente foragido — e a Justiça autorizou pedidos de prisão preventiva.

Segundo a PF, nos últimos quatro anos, foram movimentados cerca de R$ 1,5 bilhão em criptomoedas em contas vinculadas aos sócios da Braiscompany.

O relatório final da CPI das Pirâmides Financeiras, aprovado de forma unânime, recomendou que o Ministério Público indicie o casal Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, que estão foragidos desde janeiro do ano passado, quando entraram de carro e com passaportes falsos na Argentina.

You May Also Like
Agentes da Polícia Federal emoperação contra russos radicados noBrasil

PF faz operação contra russos radicados no Brasil que lavaram dinheiro com criptomoedas

A operações que ocorrem nesta terça-feira (27) nos estados de Santa Catarina, Goiás e Ceará também têm brasileiros como alvos
Imagem da matéria: MB lança Renda Variável Digital, que permite investimentos em startups e esportes

MB lança Renda Variável Digital, que permite investimentos em startups e esportes

Classe de produtos, com ativos regulados via CVM 88, já transacionou mais de R$ 17 milhões e pretende atingir R$ 100 milhões em originação ainda este ano
smartphone mostra logotipo da corretora de criptomoedas Crypto.com

Crypto.com lista BTG DOL, stablecoin do BTG Pactual

Iniciativa constitui ponte para transações entre o sistema bancário tradicional e a nova economia digital
Montagem com um leão e o logotipo da Receita Federal do Brasil

Imposto de Renda 2024: Como não cair na malha fina da Receita Federal

Uma prática indispensável para quem investe em criptomoedas é antecipar o cálculo e o pagamento do imposto sobre os lucros