Imagem da matéria: Diretor da Braiscompany é extraditado da Argentina para prisão no Brasil
Foto da extradição do diretor da Braiscompany (Foto: Polícia Federal)

A extradição de um ex-diretor da Braiscompany da Argentina para o Brasil foi confirmada pelas autoridades brasileiras nesta semana. O homem foi preso em Puerto Iguazu em junho do ano passado e entregue à Justiça do Brasil na quarta-feira (31). Algumas horas depois, já na madrugada do dia 1º de fevereiro, ele foi levado ao presídio do Serrotão, em Campina Grande. 

A Polícia Federal não divulgou o nome do homem preso, mas o jornalista paraibano Maurílio Junior afirma se tratar de Victor Hugo Learth. Ele foi um dos brasileiros presos na Argentina em junho de 2023, junto com Arthur Barbosa e Sabrina Lima. 

Publicidade

A extradição era iminente: em dezembro do ano passado, o Ministério Público da Argentina disse por meio de um documento oficial que a extradição era justificada pelo fato de que o brasileiro atuou como operador financeiro do esquema da Braiscompany.

O MP argentino explicou que o homem extraditado captou e desviou mais de R$ 4 milhões. Vídeos postados no canal do YouTube da Braiscompany em que ele aparecia divulgando a empresa serviram como provas de que ele atuava no esquema.

O acordo para enviá-lo ao Brasil, assinado pelo juiz titular do Juizado Federal de Eldorado, Miguel Ángel Guerrero, afirma ainda que as instituições que analisaram o pedido de extradição concluíram que as investigações apontam indícios de crimes, conforme as leis de ambos os países, que são puníveis com a prisão com duração maior do que dois anos.

O caso Braiscompany

A Braiscompany era uma empresa que prometia retornos fixos aos seus clientes por meio do suposto investimento em criptomoedas. O esquema pedia que a pessoa comprasse valores em Bitcoin e os enviasse para uma wallet da empresa.

Publicidade

Em dezembro de 2022 a Braiscompany parou de pagar os clientes. Em fevereiro de 2023, a pirâmide ruiu: o Ministério Público Federal abriu um processo penal contra Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos — casal fundador da Braiscompany atualmente foragido — e a Justiça autorizou pedidos de prisão preventiva.

Segundo a PF, nos últimos quatro anos, foram movimentados cerca de R$ 1,5 bilhão em criptomoedas em contas vinculadas aos sócios da Braiscompany.

O relatório final da CPI das Pirâmides Financeiras, aprovado de forma unânime, recomendou que o Ministério Público indicie o casal Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, que estão foragidos desde janeiro do ano passado, quando entraram de carro e com passaportes falsos na Argentina.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ronaldinho Gaúcho em vídeo promovendo Olymp Trade

CVM aplica multa de R$ 680 mil em corretora promovida por Ronaldinho Gaúcho

Promovida pelo ex-craque da Seleção, Ronaldinho Gaúcho, a Olymp Trade prometia retornos de até 92%
Imagem da matéria: Usuários da 99Pay têm chaves PIX vazadas, alerta Banco Central

Usuários da 99Pay têm chaves PIX vazadas, alerta Banco Central

Também foram potencialmente expostos dados como nome do usuário, CPF com máscara, instituição de relacionamento, agência e número da conta
mão segura celular com logo do whatsapp

WhatsApp pirata pode estar minerando criptomoedas no seu celular sem você saber

Conhecidos como WhatsApp GB, Aero e Plus, as cópias não autorizadas do app oficial da Meta podem abrir portas para vazamento de mensagens, fotos e áudios, dizem especialistas
Imagem da matéria: "Jogo do Tigrinho" deve ser liberado pelo governo do Brasil; veja regras

“Jogo do Tigrinho” deve ser liberado pelo governo do Brasil; veja regras

A liberação do “Jogo do Tigrinho” deve ser feita por meio de portaria que será emitida pelo Ministério da Fazenda