Imagem da matéria: Mais R$ 500 milhões em criptomoedas são drenados da Multichain e geram suspeita de rug pull
(Foto: Shutterstock)

Mais de US$ 100 milhões em criptoativos – o equivalente a cerca de R$ 500 milhões – foram novamente drenados nas carteiras do projeto Multichain nas últimas 24 horas, segundo reportado pelo jornalista Colin Wu nesta terça-feira (11). Na sexta-feira (7), US$ 126 milhões já haviam sido roubados de forma semelhante.

A empresa de inteligência blockchain, Chainalysis, descreve os acontecimentos envolvendo a Multichain como “um dos maiores hacks cripto já registrados”, em um relatório publicado na segunda-feira (10). A companhia acredita que o incidente pode ser o resultado de um trabalho interno ou um golpe do tipo rug pull.

Publicidade

No evento mais recente, o endereço 0x1e…477b recebeu dezenas de transações “anormais” em diferentes criptoativos originadas da carteira da Multichain. O endereço recém-criado já é avaliado em pouco mais de US$ 100 milhões.

Entre os ativos movidos estão: DAI, Ether (ETH), Circle USD (USDC), Tether USD (USDT), Bitcoin (BTC), Wrapped ETH (WETH), Wrapped BTC (WBTC), BTCB.

Estes tokens fluíram das diferentes redes blockchain que eram atendidas pelo serviço de ponte interblockchain da Multichain. Entre elas: Fantom (FTM), Arbitrum (ARB), BNB Chain (BNB), Avalanche (AVAX), Cronos (CRO), Polygon (MATIC), Moonbeam (GLMR), Optmism (OP), e Ethereum (ETH).

Suspeita-se que o invasor tenha obtido o controle das chaves de computação multipartidária (MPC) da Multichain, responsáveis pela execução das transações. Notavelmente, o invasor não trocou ativos controlados centralmente como USDC, que podem ser congelados, de acordo com o relatório da Chainalysis.

Publicidade

De fato, após o ataque, a Circle e a Tether congelaram endereços específicos contendo mais de US$ 65 milhões em ativos transferidos da Multichain.

O CEO da Multichain, Zhaojun, está supostamente desaparecido há mais de um mês, e acredita-se que outros membros da equipe tenham sido detidos pelas autoridades chinesas. O protocolo indicou anteriormente que o CEO é a única pessoa com as permissões corretas para manutenção do servidor, segundo matéria da Blockworks.

A Chainalysis notou rumores sobre a prisão do CEO e o confisco de US$ 1,5 bilhão dos fundos de contratos inteligentes do protocolo, resultando na suspensão de serviços para várias redes blockchain.

“O exploit da Multichain é potencialmente o resultado do comprometimento das chaves do administrador”, diz o relatório. “Embora seja possível que essas chaves tenham sido roubadas por um hacker externo, muitos especialistas em segurança e outros analistas acham que essa exploração pode ser um trabalho interno ou um rug pull, devido em parte a problemas recentes sofridos pelo Multichain.”

VOCÊ PODE GOSTAR
Tela de celular do Telegram

Tether (USDT) chega à rede TON e wallet do Telegram

Parceria entre Tether e Telegram visa expandir a atratividade da TON para um público mais amplo de usuários que não entendem de criptomoedas
Imagem da matéria: Times de futebol vão distribuir NFTs ao longo do Brasileirão; Veja como ganhar

Times de futebol vão distribuir NFTs ao longo do Brasileirão; Veja como ganhar

Atlético-MG, Bahia, Flamengo, Fluminense, Palmeiras, Internacional, São Paulo e Vasco da Gama são times que integram a nova campanha da Chiliz
graficos vermelhos em queda

Investidores sacam R$ 1 bilhão de projeto DeFi da Solana após renúncia de CEO

O fundador da Marginfi anunciou sua renúncia em meio a um turbilhão de controvérsia e desentendimento operacional