Maior corretora de criptomoedas dos EUA se prepara para o mercado de ações, diz Reuters
Foto: Shutterstock

A Coinbase, maior exchange de criptomoedas dos EUA, avaliada em US$ 8 bilhões, está se preparando para entrar no mercado de ações. Segundo informações da Reuters, a empresa estaria explorando a abertura de capital por meio de uma lista direta, em vez de um IPO.

De acordo com a agência, três pessoas familiarizadas com o assunto confirmaram que a empresa pode buscar a listagem no final deste ano ou no início de 2021.

Publicidade

Caso se comprovem os rumores, a Coinbase pode ser a primeira grande empresa do setor de criptomoedas a ser listada em bolsa. No entanto, para que isso ocorra, a instituição vai precisar de aprovação da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC).

Uma empresa do tamanho da Coinbase na bolsa seria um marco no setor, escreveu a agência, acrescentando que tal realização é bastante sonhada pelos defensores das criptomoedas.

Corretora de criptomoedas na bolsa

Conforme os relatos das pessoas, que pediram à Reuters o anonimato, o que foi preparado até agora pela exchange ainda pode sofrer alterações.

Disseram, também, que a Coinbase ainda não registrou sua intenção de abertura de capital na SEC, mas que já estaria em negociações para contratar bancos de investimento e escritórios de advocacia para dar andamento.

Publicidade

Procurada pela reportagem, um assessor da Coinbase disse que a empresa não comenta rumores ou especulações. Segundo a agência, a SEC também se recusou a comentar sobre o assunto.

IPO já foi cogitado em 2018

Há cerca de dois anos, o mesmo rumor rodou nos jornais após o comentário de Ran NeuNer em um programa na CNBC Africa. Na ocasião, ele também especulou tal ação da exchange.

Também na época, o CEO da Coinbase, Brian Armstrong, disse que previa 1 bilhão de pessoas no mundo fazendo parte do ecossistema das criptomoedas. 

Usuários em mais de 100 países

Fundada em 2012, a Coinbase é uma das empresas de criptomoedas mais conhecidas do mundo e possui cerca de 35 milhões de usuários em 102 países. Por meio dela, os clientes negociam vários criptoativos, como Bitcoin, Ethereum e Ripple por exemplo.

Publicidade

Dentre seus financiadores então a própria bolsa de Nova York, NYSE, e o banco espanhol BBVA. Este último inclusive, juntamente com o Banco Central da Argentina (BCRA) e o banco Santander, já participa de testes de transferências e rastreabilidade em blockchain.

Em maio, a empresa anunciou a aquisição da corretora americana Tagomi. Focada em investimento institucional de criptomoedas, a empresa recebeu aporte de US$ 2,1 milhões de Peter Thiel, cofundador do Paypal, há cerca de dois anos.

Apesar de na prática estar tudo certo, a aquisição está sujeita às condições habituais de fechamento, incluindo aprovações regulatórias. Segundo a empresa, o esperado é que tudo seja concluído ainda em 2020.


BitcoinTrade: Negocie criptomoedas com segurança e agilidade!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. 95% dos depósitos aprovados em menos de 1 hora! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Homem tatua endereço de memecoin, mas deixa passar erro de digitação

Homem tatua endereço de memecoin, mas deixa passar erro de digitação

Um investidor da memecoin Gigachad decidiu tatuar o endereço do contrato, mas rapidamente percebeu que cometeu um erro
Imagem da matéria: Musk Empire: jogo do Telegram permite que você ganhe cripto fingindo ser Elon Musk

Musk Empire: jogo do Telegram permite que você ganhe cripto fingindo ser Elon Musk

Este jogo de tap-to-earn em ascensão permite que você desenvolva e aprimore seu próprio Elon Musk antes de um airdrop de tokens
Imagem da matéria: Memecoins de Trump aumentam com saída de Biden da corrida presidencial dos EUA em 2024

Memecoins de Trump aumentam com saída de Biden da corrida presidencial dos EUA em 2024

Memecoins baseadas em Solana e Ethereum e inspiradas por Donald Trump explodem no domingo (21) após o anúncio da saída de Biden
Ilustração de um hacker de Ethereum

Plataforma DeFi do Ethereum recupera R$ 42 milhões após atender exigências de hacker

Uma exploração que ocorreu na rede de segunda camada do Ethereum, Scroll, fez com que milhões fossem drenados da Rho Markets