Quantos bitcoins o criador da moeda, Satoshi Nakamoto, ainda possui?

O criador do Bitcoin, Satoshi Nakamoto, ainda mantém uma enorme quantidade de Bitcoin que nunca foi movimentada

Satoshi Nakamoto está entre os mais poderosos do mundo, diz revista americana
Representação do possível criador do Bitcoin (Foto: Portal do Bitcoin)

O enigmático criador do Bitcoin, Satoshi Nakamoto, também foi a primeira pessoa a minerar a criptomoeda – na época em que cada bloco rendia uma recompensa de 50 BTCs.

Ao contrário dos mineradores de Bitcoin de hoje, Satoshi não dividiu essas recompensas com potencialmente milhares de outros usuários de pools de mineração e, em vez disso, se beneficiou de toda a recompensa. Na época, o Bitcoin não tinha valor; hoje, o preço do Bitcoin está perto dos R$ 50.000.



Entre janeiro e julho de 2009, acredita-se que Satoshi tenha minerado mais de 1 milhão de BTCs no total. Pesquisas recentes sugeriram que Satoshi poderia ter extraído ainda mais Bitcoin, mas se conteve, restringindo seu hashrate, a fim de dar a outros mineradores uma chance justa de competir.

O Padrão Patoshi (Patoshi Pattern)

Embora não seja 100% certo exatamente quantos bitcoins Satoshi minerou, os esforços do pesquisador Sergio Demian Lerner podem ter gerado a melhor estimativa.

Em seu relatório, intitulado “A bem merecida fortuna de Satoshi Nakamoto, criador do Bitcoin, Visionário e Gênio”, Lerner analisou os blocos minerados entre 01 de janeiro de 2009 e 25 de janeiro de 2010 (blocos 1 a 36288) na tentativa de identificar quais foram extraídos pela mesma pessoa. Ao fazer isso, Lerner descobriu que uma única entidade usando uma única plataforma de mineração extraía milhares de blocos entre esse período e acumulou cerca de 1 milhão de BTCs em recompensas em blocos enquanto fazia isso.

Lerner cunhou o termo “Padrão de Patoshi” para descrever o padrão de blocos que parecem ter sido minerados por essa única entidade. Como o padrão começa com o bloco genesis (primeiro bloco minerado), assume-se que Patoshi pode ser o próprio Satoshi Nakamoto.

Lerner expandiu ainda mais essa pesquisa em abril de 2019, quando publicou a seguinte peça: “O Retorno dos Negadores e a Vingança de Patoshi”. Aqui, o autor descobre que Patoshi extraiu aproximadamente 22.000 blocos sozinho, arrecadando um total de 1,1 milhão de BTCs em recompensas dos bloco. Para colocar isso em perspectiva, a recompensa do bloco foi reduzida pela metade três vezes desde então, e os mineradores de Bitcoin agora ganham apenas 6,25 BTC por cada bloco minerado.



Com o valor atual do Bitcoin, isso colocaria a fortuna de Satoshi Nakamoto em mais de US$ 10 bilhões (R$ 50 bilhões), quase certamente fazendo de Satoshi o detentor da maior quantidade de bitcoins.

O tesouro intocado de Satoshi

Especulações recentes de que Satoshi pode ter movido 50 BTCs de um bloco minerado em 2009 foram desmentidas recentemente quando se descobriu que esses Bitcoins ficam fora daqueles cobertos pelo Padrão de Patoshi. Em vez disso, esses Bitcoin parecem ter sido movidos por outro pioneiro, que foi vinculado a dezenas de outros blocos extraídos durante o período em que Satoshi estava ativo.

Apesar da suposta fortuna acumulada de US$ 10 bilhões em Bitcoin, não há fortes evidências de que Satoshi tenha movimentado nenhum dessas criptomoedas. Obviamente, assumindo que Satoshi ainda tenha acesso às chaves privadas que contêm esses fundos. Caso ele não tenha, essas moedas jamais serão acessadas.

Até agora, inúmeras pessoas afirmaram publicamente serem Satoshi Nakamoto, incluindo Craig Wright, Jörg Molt, Bilal Khalid e Debo Guidos. Outros foram apontados como prováveis ​​candidatos por uma variedade de pesquisadores. Mas, até o momento, ninguém conseguiu provar definitivamente que eles possuem as chaves privadas de qualquer um dos endereços que pertencem a Satoshi – a evidência mais convincente que provaria que eles são Satoshi Nakamoto.

De qualquer forma, é provável que Satoshi seja incapaz ou não queira gastar sua fortuna, talvez devido ao risco de que isso possa levar à sua eventual identificação.

*Traduzido e republicado com autorização da Decrypt.co