Imagem da matéria: Maior cervejaria do mundo vai colocar produção da cevada em blockchain
Foto: Shutterstock

A maior cervejaria do mundo, o grupo belga Anheuser-Busch InBev (AB InBev), empresa-mãe da Ambev, vai rastrear toda a produção de cevada através de uma solução blockchain. Para isso, a empresa já lançou um projeto-piloto de rastreamento da matéria prima em parceria com duas entidades do ramo de tecnologia, Fujitsu e SettleMint.

“AB InBev vai usar a tecnologia blockchain para dar total transparência e rastreabilidade em sua cadeia de fornecimento de cevada, do consumidor até a fazenda”, disse a empresa comunicado à imprensa.

Publicidade

Por enquanto, o projeto será aplicado no fornecimento de cevada na França e também na Bélgica. É lá que fica a sede do conglomerado detentor de marcas como Budweiser, Stella Artois e Corona. A primeira marca a fazer parte dos testes é a cerveja Leffe.

Desta forma, em breve os consumidores do produto poderão descobrir onde a cevada foi cultivada, digitalizando um código QR na embalagem.

Blockchain e sustentabilidade

Conforme explicou Pieter Bruylan, vice-presidente da Anheuser-Busch InBev para a Europa, pela primeira vez nas operações europeias o consumidor final vai contar com uma rede de fornecimento totalmente transparente.

“Ao conectar os participantes de toda a cadeia de abastecimento de cerveja — desde fazendeiros, cooperativas de malte, cervejarias, armazéns e transportadoras — a uma plataforma segura e descentralizada, podemos aumentar a rastreabilidade e reunir dados que vão  nos ajudar no cultivo dos melhores ingredientes de forma sustentável”, disse Bruylan.

Publicidade

Para o presidente-executivo SettleMint, Matthew Van Niekerk, a solução está em consonância com a atual situação pandêmica no mundo onde a necessidade de mais transparência está evidente.

“A Covid-19 demonstrou uma necessidade clara de sistemas de gerenciamento de cadeia de suprimentos mais resilientes e o blockchain oferece isso”, disse o executivo.

Niekerk acredita que oferecer transparência aos consumidores não é apenas uma garantia de qualidade, mas também aumenta a confiança na marca.

Yves de Beauregard, chefe de incubação global da Fujitsu, observou que os consumidores estão mais do que nunca exigindo transparência para tomar decisão acerca de certos produtos.

Publicidade

“A Fujitsu está na vanguarda da tecnologia de rastreamento e tem o prazer de colaborar com a AB InBev nesta iniciativa pioneira, que usará tecnologia de ponta para ajudar a garantir ao exigente consumidor de cerveja informações sobre a procedência dos ingredientes usados ​​em suas cervejas favoritas, concluiu.

Blockchain na Anheuser-Busch InBev

Com sede em Lovaina, na Bélgica, não é de hoje que AB InBev trabalha em soluções blockchain. Em 2018, o grupo lançou sua primeira campanha publicitária através do aplicativo de marketing móvel ‘Kiip’, que usa a tecnologia blockchain do Ethereum para registrar e rastrear dados.

Na ocasião, a empresa disse que a parceria teve como objetivo o foco em inovações que tornem as partes essenciais da marca mais relevante para os consumidores, promovendo transparência dentro da cadeia de fornecimento de anúncios para dispositivos móveis.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin envolta a luzes piscantes coloridas

CriptoTwitter: Veja reações ao halving do Bitcoin

O 4º halving chega com aplausos e grandes esperanças para uma nova era com o protocolo Runes online
Tela de celular do Telegram

Tether (USDT) chega à rede TON e wallet do Telegram

Parceria entre Tether e Telegram visa expandir a atratividade da TON para um público mais amplo de usuários que não entendem de criptomoedas
scanner plano digitaliza a palma de uma mão

TON oferece R$ 25 milhões para escanear mãos dos investidores

HumanCode se junta à The Open Network para oferecer um milhão de Toncoin como incentivo em programa de digitalização de palma da mão baseado em IA
peter schiff falando ao microfone

O Bitcoin está em um mercado de baixa quando comparado ao ouro, afirma Peter Schiff

O analista financeiro e comentarista disse uma vez que o preço do BTC nunca chegaria a US$ 50 mil