Imagem da matéria: Lamborghini do falso Rei do Bitcoin vira viatura da Polícia Federal; veja fotos
Lamborguini apreendida do Rei do Bitcoin. Foto: Divulgação/Polícia Federal

Uma Lamborghini apreendida do “Rei do Bitcoin”, como era conhecido o empresário Cláudio José de Oliveira, ganhou uma cara nova e agora faz parte da frota de carros da Polícia Federal.

Avaliada em aproximadamente R$ 800 mil, a Lamborghini modelo Gallardo LP 560-4 foi autorizada pela Justiça Federal a ser utilizada pela PF do Paraná. “Equipado com motor de 10 cilindros e potência de 560 cv, o veículo vai de zero a 100 km/h em 3,7 segundos, podendo alcançar a velocidade máxima de 325 km/h”, descreveu a PF em nota à imprensa.

Publicidade

A  Lamborghini faz parte de um conjunto de carros de luxo, jóias, bolsas, bolos de dinheiro, e carteiras físicas de criptomoedas confiscadas durante a Operação Daemon que levou à prisão de Oliveira e seus cúmplices, acusados de aplicar um golpe de R$ 1,5 bilhão em 7 mil pessoas por meio do Grupo Bitcoin Banco.

Segundo a PF, o veículo não vai ser utilizado como viatura comum em operações rotineiras da polícia, mas ficará reservado para aparecer em eventos, exposições e ações pedagógicas de repressão ao crime organizado.

Além disso, o carro está em posse provisória da Polícia Federal e em breve, será devolvido ao Poder Judiciário para ser leiloado. O dinheiro da venda será destinado às vítimas que caíram no golpe do “Rei do Bitcoin”.

Veja as fotos da Lamborghini em posse da Polícia Federal:

carro rei do bitcoin
carro rei do bitcoin
carro rei do bitcoin

‘Rei do bitcoin’ vira réu por estelionato

Nesta terça-feira (24), o juiz Paulo Sérgio Ribeiro da 23ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, aceitou a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) e agora Cláudio José de Oliveira virou oficialmente réu pelos crimes de estelionato, organização criminosa e crimes financeiros, segundo informações do G1.

Publicidade

O braço direito do empresário, Johnny Pablo Santos, também se tornou réu por organização criminosa, estelionato e obtenção de ganhos ilícitos em processos fraudulentos. Já Lucinara da Silva Oliveira, esposa de Cláudio, além de ser acusada de organização criminosa, também vai responder por impedir a investigação das autoridades. Lucinara foi pega em contato com outros investigados na operação a mando de Cláudio Oliveira, voltando a ser presa oito dias após ter ganho a liberdade.

VOCÊ PODE GOSTAR
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024