Imagem da matéria: Justiça vai usar bitcoins e carros de luxo apreendidos da TraderGroup para pagar cliente
(Foto: Shutterstock)

A Justiça do Espírito Santo determinou que os bitcoins e os carros de luxo apreendidos pela Polícia Federal na “Operação Madoff” sejam arrestados para garantir uma possível execução de R$ 106.716,70 contra a TraderGroup. A decisão liminar foi proferida na última quarta-feira (07) pela juíza Cinthya Coelho Laranja.

A juíza da 4ª Vara Cível de Serra (ES) concedeu a tutela de urgência para que sejam acautelados bens e valores dos requeridos que foram bloqueados ou apreendidos pela Operação Madoff, ou seja, 2.8 Bitcoins, uma BMW, uma Mercedez Benz, um Chevrolet Blazer e um Honda Civic.

Publicidade

“Determino que seja expedido ofício à 2ª Vara Federal Criminal da Seção Judiciária do Espírito Santo solicitando o arresto no rosto dos autos em conformidade com a presente decisão, ao menos do valor principal depositado pela parte autora no importe de R$ 106.716,70”.

Referente aos bens que devem servir de acautelamento, a juíza não se limitou apenas a esses acima listados, mas também a outros valores ou bens que sejam possivelmente apreendidos em “qualquer outro processo que seja referente à operação citada”.

Bitcoins apreendidos

Apesar de a Polícia Federal ter encontrado uma chave contendo mais de 4 mil bitcoins, o que pode ultrapassar a casa dos R$ 185,5 milhões, essas criptomoedas não poderão ser acauteladas pois a PF não tem provas de que elas pertenciam à empresa investigada.

Dessa forma, as únicas criptomoedas que podem servir de garantia a esse processo até o momento são aqueles 2.8 bitcoins que foram apreendidos pela PF.

Publicidade

O processo

A ação foi movida contra a Trader Group; seu fundador, Wesley Binz Oliveira; e a empresa TGex Tecnologia Ltda em junho por uma pessoa que afirmou ter investido R$ 106.516,70 em criptomoedas por meio da Trader Group.

O fato é que o cliente não conseguiu reaver o investimento pois “a atividade dos demandados fora paralisada, de forma abrupta” e resolveu então recorrer ao Judiciário.

Como se trata de uma decisão liminar, essa pode ser modificada a qualquer momento pela Justiça.

Operação TraderGroup

A operação Madoff surgiu para investigar a atuação ilegal da TraderGroup que dizia administrar investimentos com criptomoedas.

A Polícia Federal mobilizou, em 15 de maio, 43 agentes para cumprir cinco mandados de busca e apreensão no Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Acre.

Foi descoberto nesse período que a Polícia havia encontrado um endereço que continha mais de 4 mil bitcoins. A questão era que essa chave não pôde ser apreendida por não existir provas de que essas criptomoedas pertenciam aos investigados.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
Três policiais na porta de suspeito de tráfico de drogas no MT

Servidor que usava sistema de secretaria para vendas de drogas com criptomoedas na dark web é preso no MT

A plataforma de comércio ilegal de entorpecentes funcionava através da rede Tor
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Estudo mostra que 61% dos investidores brasileiros não pretendem vender Bitcoin

Pesquisa realizada pela Bitget releva otimismo pós-halving do Bitcoin