Imagem da matéria: Justiça obriga Banco do Brasil a manter conta de exchange de criptomoedas aberta
(Foto: Reprodução)

O Banco do Brasil (BB) foi obrigado por decisão judicial a manter aberta a conta corrente da corretora de critpomoedas Bitcoin Max. A sentença, publicada na quarta-feira (03), foi proferida pelo juiz Carlos Eduardo Batista dos Santos, da 2ª Vara Cível de Brasília, na última quinta-feira (28).

Na decisão consta que o Banco do Brasil havia encerrado unilateralmente o contrato de conta corrente com a exchange brasiliense sem respeitar regras do Banco Central (Bacen) e até mesmo contrariando o próprio contrato estabelecido pela instituição financeira.

Publicidade

Não houve qualquer comunicação prévia ou exposição clara dos motivos para o cancelamento da conta bancária, conforme foi mencionado pelos advogados da empresa de criptomoedas na petição inicial. E, foi isso que levou o juiz Santos a decidir em favor da corretora.

Santos afirma que o requerido deveria de “ter promovido a notificação prévia da autora, nos moldes da resolução nº 2025/93 do Bacen” e considerar a Cláusula Geral nº 15 do contrato feito entre o banco e a corretora.

Banco do Brasil sem razão

A questão é que o artigo 12 da resolução 2.025/93 do Banco Central do Brasil deixa claro que o banco deve comunicar previamente o correntista acerca do encerramento da conta, conceder um prazo para que esse cliente possa tomar as providências relacionadas à rescisão do contrato.

O juiz afirma que a cláusula do contrato traz de forma expressa que o contrato de conta corrente somente poderia ser rescindido por iniciativa do banco mediante comunicação escrita com antecedência mínima de 30 dias.

Publicidade

“Não atendidas as disposições das normas do BACEN, tampouco o pactuado no Contrato de ID 23580688, a conta bancária não poderia ter sido encerrada unilateralmente de maneira imotivada, sem que houvesse uma comunicação prévia, respeitado o prazo mínimo de 30 dias.”

A sentença, entretanto, não acolheu o argumento de que se plicaria ao caso as regras do Código de Defesa do Consumidor (CDC) pela razão de que essa conta corrente era usada para o exercício da atividade empresarial.

“Embora seja possível a aplicação de normas consumeristas aos contratos bancários (Súmula 297 do STJ), a requerente é pessoa jurídica e utiliza a conta bancária para fomento de atividade empresarial. Assim, não incide o regramento do CDC ao caso em tela”.

Sem danos morais

Da mesma forma, o juiz também não concedeu a indenização por danos morais.

De acordo com Santos, não houve ofensa à imagem moral da empresa ou comprometimento de sua credibilidade o que caracterizariam o dano moral.

Publicidade

 “A configuração de dano moral conforma-se quando evidenciada a violação à honra objetiva da pessoa jurídica, hipótese não constatada nos autos. Ressalto que o encerramento da conta corrente não representa conduta tendente a macular a honra objetiva da autora, razão pela qual a improcedência se impõe neste aspecto”.

Deste modo, a sentença tornou definitiva aquilo que havia sido decidido pela 3ª Turma Cível, a qual deferiu o pedido liminar (tutela de urgência) por meio do agravo de instrumento impetrado pela exchange.

A corretora de criptomoedas resolveu apresentar o recurso de agravo de instrumento após ter o pedido de tutela de urgência indeferido pelo juiz da 2ª Vara Cível de Brasília.

Tanto o Banco do Brasil quanto a corretora de criptomoedas foram condenadas a pagamento de custas e honorários. Segundo a decisão, cada qual deverá pagar 12% sobre o valor atualizado atribuído à causa.

Resposta do BB

Leonardo Ranna, advogado da Bitcoin Max, disse ao Portal do Bitcoin que o Banco do Brasil estava propenso a fazer um acordo com a corretora.

Publicidade

Ranna afirma que há uma suspeita de que os bancos estejam recuando pois não querem que esses casos cheguem ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e por isso desconfia que o Banco do Brasil não venha recorrer dessa decisão.

“A gente tem uma suspeita de que eles estão recuando para não deixar a questão chegar no STJ. Isso pelo menos nos nossos casos, pois a gente vem prequestionando desde o início o abuso de poder uma vez que os bancos cancelam as contas apenas pelo fato de ser operadora de cripto”.

Adriano Zanella, Ceo da BitcoinMax, disse que teve também a sua conta pessoal fechada pelo mesmo banco, mas que conseguiu reverter também essa situação por via judicial.

A reportagem entrou em contato com o Banco do Brasil, por meio de sua assessoria de comunicação, a qual enviou uma nota afirmando que:

“O Banco do Brasil informa que recorrerá da sentença por não reconhecer o descumprimento do contrato em discussão.”

Caso semelhante

Esse é o segundo caso de fechamento de contas de banco envolvendo a corretora.

Antes, a Justiça já havia ordenado o Santander a manter aberta a conta corrente da antiga Bitcoin Max (atual Cryptex). A sentença foi proferida em fevereiro desse ano pela juíza Geilza Fátima Cavalcanti Diniz, da 3ª Vara Cível de Brasília.

Essa decisão envolvendo o Santander confirmou a liminar que foi concedida em favor da exchange em 03 de setembro de 2018 pela desembargadora Ana Catarino da 8ª turma cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT).

Publicidade

Assim como ocorreu no caso do Banco do Brasil, a justiça também havia negado a liminar, que somente foi concedida depois de a corretora apresentar um agravo de instrumento.


3xBit

Inovação e segurança. Troque suas criptomoedas na corretora que mais inova do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://3xbit.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve