Imagem da matéria: Justiça encontra R$ 500 em contas de brasileiro que foi espancado após aplicar golpes com Bitcoin
Marlon Gonzalez Motta no Copacabana Palace (RJ) em março de 2019. Imagem: Repodução/Instagram

A Justiça mandou bloquear as contas do empresário Marlon Gonzalez Motta, que foi sequestrado e espancado por aplicar golpes usando Bitcoin, e descobriu que ele possui menos de R$ 500. 

Na ação movida por um dos tantos investidores lesados por Marlon, consta que o autor do processo acreditando que seu dinheiro seria aplicado na bolsa de valores, aportou R$ 50 mil numa empresa chamada BMBC Consultoria em Investimentos LTDA.

Publicidade

O investidor relatou na sua inicial que teria sido convencido para fazer a aplicação em abril do ano passado pelo empresário. No mês seguinte, o cliente resgatou parte do investimento feito — de R$ 11.500. O problema, entretanto, ocorreu em setembro, quando descobriu que foi vítima de estelionato.

Foi quando o cliente entrou com um processo cobrando os R$ 38.500 restantes. Apesar de o juiz João Luis Zorzo, da 15ª Vara Cível de Brasília, ter concedido uma tutela de urgência (espécie de liminar) em seu favor para bloquear as contas de Marlon, o que foi encontrado não cobre nem 10% do valor.

Sem dinheiro

A vida de ostentação, amplamente documentada em seu perfil do Instagram, não condiz com o que Marlon possui no banco. Numa de suas contas, ele possuía apenas R$ 418,54 e na outra R$ 2,00.

A Justiça ordenou o bloqueio de contas bancárias. Não há no processo qualquer menção à notificação a qualquer exchange para saber se o acusado de golpes possui criptomoedas.

Publicidade

Já a empresa BMBC Consultoria em Investimentos LTDA não existe mais. Consta nos autos que ela foi extinta.

Diante desse cenário, o juiz deu 15 dias para que o autor apresentasse uma certidão atualizada da junta comercial referente a essa empresa para incluir como réus os os sócios dela.

Esse foi apenas mais um investidor enganado por Marlon. O empresário pode ter feito mais de R$ 3 milhões com falsas promessas.

Os golpes eram aplicados em jovens da alta classe que ele geralmente aborda em festas e que estão começando a atuar no mercado financeiro.

Sequestro e bitcoin

Nem todos os investidores resolveram buscar apenas as vias legais para cobrar a dívida. Motta foi sequestrado e espancado até devolver o valor que devia a dois clientes que foram lesados por ele em agosto.

Publicidade

O jovem de 23 anos, que fingia ser megainvestidor e persuadia vários operadores financeiros a pagarem fortunas em transações envolvendo criptomoedas, foi sequestrado ao sair de uma festa.

Os investigados estavam armados. Eles, então, conseguiram render os seguranças de Marlon e levá-lo para um cativeiro.

O suposto estelionatário levou coronhadas na cabeça e, com as armas apontadas para sua cabeça, foi obrigado a transferir R$ 152 mil em Bitcoin para duas carteiras.

Na época, a Polícia Civil de Brasília, que está cuidando dessa investigação, não revelou os nomes dos acusados que deverão responder em liberdade.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br


VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração mostra mãos robótica segurando moeda de Bitcoin

Manhã Cripto: Tokens ligados à inteligência artificial ofuscam Bitcoin com ganhos de até 26% no dia

Fetch.ai e SingularityNET surpreendem com ganhos entre 24% e 26% nas últimas 24 horas
smartphone com logotipo da Toncoin TON à frente de monitor que mostra gráfico de mercado

Semana Cripto: Bitcoin cai enquanto Toncoin sobe e se aproxima da Dogecoin em valor de mercado

Criptomoedas de grande capitalização como PEPE e WIF também tiveram quedas de até 20% na semana
Banco Central se reunirá hoje com Facebook para debater proibição do WhatsApp Pay

“Inserimos com o Drex o conceito de tokenização nos sistemas dos bancos”, diz Campos Neto

O presidente do BC participa do Emerging Tech Summit, evento do Valor Capital Group em São Paulo
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos