Imagem da matéria: JPMorgan começa a usar criptomoeda própria para pagamentos
Fachada do banco JPMorgan, em Londres (Foto: Håkan Dahlström/Flickr)

O líder global de pagamentos do JPMorgan, Takis Georgakopoulos, afirmou, em entrevista à emissora americana CNBC, que a instituição está prestes a dar um passo adiante na indústria de blockchain e criptomoedas.

Isso porque a JPM Coin, moeda digital criada pelo banco em 2019, começa a ser utilizada comercialmente a partir desta semana. O executivo alegou que não tem permissão para revelar o nome do cliente, mas disse que se trata de “uma grande empresa de tecnologia especializada em pagamentos internacionais”.

Publicidade

A estreia comercial da JPM Coin motivou a criação do Onyx, um novo braço do JPMorgan para abrigar as operações com blockchain. Até o momento, 100 funcionários já foram destinados para esta divisão, que representa uma importante oportunidade de negócios para o banco.

“Lançamos a Onyx porque acreditamos que estamos mudando para um período de comercialização dessas tecnologias, passando do estágio de pesquisa e desenvolvimento para algo que pode se tornar um negócio real”, afirmou Georgakopoulos à emissora.

Expectativas da JPMorgan

Com a novidade, a empresa também espera ocupar um local de destaque na oferta de serviços para bancos nacionais que queiram emitir suas próprias moedas digitais, como acontece na China. De acordo com o executivo, é vantajoso investir nesse setor porque o número de países interessados em integrá-lo está em crescimento.

“Se conseguirmos desenvolver um modelo que funcione, achamos que a probabilidade de adoção torna-se muito alta”, disse na entrevista.

Outra vantagem do Onyx é que ele pode simplificar as centenas de transações feitas diariamente pelo JPMorgan, que ultrapassam o valor total de US$ 6 trilhões. A título de exemplo, Georgakopoulos explica que a instituição lida com milhões de envios de cheques em papel, cujo processamento depende do trabalho de um verdadeiro exército de funcionários.

Publicidade

Com a integração dos emissores de cheques no blockchain, será possível economizar até 75% do custo total da indústria e concluir as transações em questão de minutos, em vez de dias.

O movimento do JPMorgan soma-se a outras iniciativas recentes que carregam o potencial de impulsionar a indústria. Na última semana, o PayPal anunciou que seus usuários americanos poderão utilizar criptomoedas para fazer compras nas mais de 26 milhões de lojas pertencentes à rede, o que reforça a previsão de que o início de uma adoção em massa das criptomoedas pode estar próximo.

VOCÊ PODE GOSTAR
Lionel Messi jogador de futebol durante partida pela seleção da Argentina

Tokens da Argentina e Espanha despencam mais de 20% após títulos; entenda por quê

Tokens oficiais das seleções da Argentina e Espanha caíram entre 22% e 25% após as vitórias de domingo
Ilustração de bandeira do Brasil dentro moeda de Bitcoin

Brasil é o 6º país com maior adoção de criptomoedas do mundo

Ranking global de adoção de criptomoedas é liderado pelos Emirados Árabes, com 25%; Brasil aparece em 6º, com 17,5%
bitcoin

Manhã Cripto: Bitcoin recua 2,2% apesar da queda da inflação nos EUA

Embora os dados macroeconômicos atuais sejam positivos, o Bitcoin ainda busca estabilidade em meio às preocupações pontuais dos investidores
Ilustração de moeda NOT dourada com logotipo do jogo Notcoin do Telegram

Notcoin salta 25% na semana e é a criptomoeda com melhor desempenho no top 100

Apesar dos ganhos recentes de 25%, a volatilidade ainda dita o tom do Notcoin (NOT)