Imagem da matéria: John McAfee estava falido quando morreu, diz biógrafo

O empresário de tecnologia John McAfee estava falido quando morreu, principalmente porque gastou seu dinheiro em propriedades nas quais nem morava, de acordo com um biógrafo que trabalhou próximo a ele.

A certa altura, McAfee, que foi encontrado morto em uma prisão espanhola no mês passado com 75 anos, possuia US$ 100 milhões. Mas quando ele morreu, todo o dinheiro foi gasto em “propriedades absolutamente bizarras”, disse o autor Mark Eglinton em uma reportagem do MailOnline no sábado.

Publicidade

Eglington, que lançará um livro sobre a vida da McAfee ainda este ano, passou meses entrevistando a McAfee enquanto ele estava fugindo. McAfee deveria colaborar com Eglinton no próximo livro, mas não conseguiu pagar a taxa solicitada pela biografia, disse o autor ao MailOnline.

McAfee, pioneiro da segurança cibernética, foi o fundador do popular software antivírus McAfee. Mais tarde em sua vida, ele se tornou conhecido por suas explosões loucas, sendo o porta-voz das criptomoedas e seu estilo de vida libertário.

Ele também teve sérios problemas com a lei de evasão fiscal. Ele supostamente ganhou mais de US$ 23 milhões promovendo sete ofertas iniciais de moedas (ICOs) – descritas como esquemas de “pump and dump” pelas autoridades dos EUA.

Depois de fugir por meses, McAfee foi preso na Espanha em outubro do ano passado. Ele deveria ser extraditado para os EUA para enfrentar as acusações, mas foi encontrado morto em sua cela em um aparente suicídio.

Publicidade

Eglinton disse ao MailOnline que McAfee estava com sérios problemas financeiros em um ponto e provavelmente mentiu sobre quanto dinheiro ele realmente tinha.

Ele acrescentou que a quantia solicitada para a biografia “não era uma grande quantia” – e a McAfee não podia nem pagar isso. “Minha situação financeira é pior do que a sua”, disse ele a Eglinton.

“Em vez de fingir que não tinha, acho que ele estava fingindo que tinha”, disse Eglinton na entrevista.

Em 2019, o empresário buscou até 20% dos tokens emitidos em uma variedade de ICOs em troca de propaganda, o que teria rendido milhões de dólares.

As autoridades norte-americanas então alegaram que a McAfee não pagou impostos de 2014 a 2018 e que direcionou a receita por meio de contas de criptomoeda em nome de outra pessoa.

Na sequencia, McAfee fugiu seis meses antes de ser preso pelas autoridades espanholas no ano passado.

O livro de Eglinton, “No Domain: The John McAfee Tapes”, será lançado em dezembro.

VOCÊ PODE GOSTAR
hackers em frente a computadores

Exchange de criptomoedas Rain perde US$ 14,8 milhões em ataque hacker

A exchange disse que já tomou as medidas necessárias e que todas as sua atividades estão funcionando normalmente, inclusive saques
Tela de celular mostra logotipo Drex- no fundo notas de cem reais

Banco Central adia Drex para realizar novos de testes de privacidade

BC explica que primeira fase de testes foi focada em elementos de privacidade, mas as soluções encontradas “ainda não estão maduras”
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Câmara dos EUA aprova nova lei cripto em dia decisivo para ETFs de Ethereum

Manhã Cripto: Câmara dos EUA aprova nova lei cripto em dia decisivo para ETFs de Ethereum

Nesta quinta-feira termina o prazo para a SEC aprovar ou rejeitar o ETF de Ethereum da VanEck
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Ethereum surpreende e cai 3,6% após aprovação dos ETFs

Manhã Cripto: Ethereum surpreende e cai 3,6% após aprovação dos ETFs

Embora esteja em queda nesta sexta, o Ethereum ainda registra ganhos de mais de 21% na semana