Imagem da matéria: J Coin: Bancos Japoneses Querem Criar uma Criptomoeda

Vários bancos japoneses estão se unindo atrás de uma nova moeda digital que eles chamam de J Coin, buscando se defender dos players globais de pagamento eletrônico e acumular dados do consumidor.

O consórcio inclui o Mizuho Financial Group e o Japan Post Bank, bem como vários bancos regionais. Juntos, eles estabeleceram uma empresa para lidar com a J Coin.

Publicidade

A J Coin não seria muito diferente do yen, pois a moeda seria baseada nela.

Os bancos pretendem usar a nova moeda para oferecer pagamentos eletrônicos, além de outros serviços, como remessas sem comissões. Eles esperam contrariar os crescentes serviços de pagamentos eletrônicos de gigantes tecnológicos internacionais como a Alibaba Group Holding e a Apple. Existe a possibilidade de outros grandes bancos japoneses se juntarem ao grupo, criando uma coalizão massiva.

Espera-se que J Coin esteja operacional em 2020.

Leia Também: Japão Emite Licenças para 11 Exchanges de Bitcoin

Pensando Grande

Os bancos preveem um sistema sob o qual o iene possa ser retirado de uma conta bancária e convertido em J Coin com um aplicativo de smartphone. A moeda digital poderia então ser usada para pagamentos em lojas de conveniência, restaurantes e outras empresas participantes.

Além dos pagamentos eletrônicos, as transferências diretas de dinheiro são vistas como outra característica importante. Indivíduos e empresas seriam capazes de transferir fundos entre contas bancárias. Nenhuma comissão seria cobrada sobre as remessas entre indivíduos, e as transferências para o exterior seriam mais baratas.

Mizuho no início deste mês se encontrou com o Japan Post Bank, 70 bancos regionais – incluindo o Banco de Yokohama, o Banco Shizuoka e o Banco de Fukuoka – e os principais varejistas para se preparar para o lançamento. A Agência de Serviços Financeiros do Japão está aberta à idéia, e os bancos logo começarão a divulgar os detalhes.

Publicidade

O grande prêmio é a enorme quantidade de dados que serão coletados. A empresa de gerenciamento da J Coin acumularia os registros de compras e remessas dos usuários, juntamente com outras informações relacionadas. Estes dados seriam compartilhados – anonimamente – entre os bancos e as empresas parceiras, permitindo-lhes melhorar suas estratégias de marketing e preços.

Os dados são uma grande razão pela qual os bancos rivais estão se juntando: há preocupação com informações valiosas sobre os consumidores japoneses sendo dominados por concorrentes estrangeiros.

O uso espalhado do Apple Pay é visto como um exemplo. A Alibaba também planeja trazer seu serviço Alipay – popular entre os compradores on-line na China – para o Japão já no próximo ano.

Leia Também: 260 Mil Lojas no Japão Começam a Aceitar Bitcoin

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: O próximo Notcoin? Jogo baseado no Telegram, 'Hamster Kombat' lançará Token na TON

O próximo Notcoin? Jogo baseado no Telegram, ‘Hamster Kombat’ lançará Token na TON

O jogo de simulação de gerenciamento de criptomoedas afirma ter acumulado 60 milhões de usuários desde seu lançamento em março
camisas das seleções da itália e Argentina

Socios.com lança colecionáveis que celebram o legado das seleções da Itália e Argentina

Para participar do ‘The Fabric of Champions’, os detentores de fan tokens podem bloquear seus ativos até 15 de julho
Imagem da matéria: Paradigm levanta US$ 850 milhões para investir em projetos cripto em estágio inicial

Paradigm levanta US$ 850 milhões para investir em projetos cripto em estágio inicial

A Paradigm, a proeminente empresa de capital de risco cripto, levantou US$ 850 mi para seu mais recente fundo voltado para projetos nascentes em várias categorias
moeda de bitcoin com bandeira dos EUA

Executivo da Bitwise afirma que mercado cripto está “subestimando” mudanças na política dos EUA

Clareza regulatória poderia trazer uma multidão de consultores financeiros no valor de US$ 20 trilhões para o setor cripto