Imagem da matéria: Irmãos que sumiram com criptomoedas de clientes na África do Sul compraram passaporte por US$ 130 mil
Criadores da Africrypt Ameer Cajee (esquerda) e Raees Cajee (direita). (Foto: Divulgação)

Os irmãos sul-africanos Raees Cajee e Ameer Cajee, que sumiram do mapa após aplicar um suposto golpe de US$ 3,6 bilhões por meio da falsa corretora de criptomoedas Africrypt, compraram passaportes de Vanuatu, um arquipélago no sul do Oceano Pacífico. A informação foi revelada pelo The Guardian — que disse ter tido acesso a documentos governamentais do local — nesta quinta-feira (15).

O passaporte foi comprado por US$ 130 mil e deu a eles o direito de virar cidadão na nação, com possibilidade inclusive de mudar os próprios nomes. Além disso, com o documento os dois fugitivos também podem entrar em 130 países, incluindo alguns da Europa, como o Reino Unido.

Publicidade

Assim como os irmãos Cajee, outras duas mil pessoas, entre elas empresários procurados pela Justiça e políticos acusados de corrupção, também adquiriram o documento entre janeiro de 2020 e o início de 2021, segundo o veículo.

Ainda de acordo com o The Guardian, o país – um dos mais pobres e endividados do mundo — pode estar se valendo da venda de cidadanias para criminosos com objetivo de levantar dinheiro.

Uma análise da Investment Migration Insider citada na matéria revela que o ‘projeto’ é a maior fonte de receita do arquipélago. No ano passado, a nação arrecadou US$ 116 milhões com esse esquema. O governo nega.

Golpe

Raees Cajee e Ameer Cajee são acusados de aplicar um golpe de US$ 3,6 bilhões por meio da falsa corretora Africrypt. Em abril, eles anunciaram que tinham sido vítimas de um suposto ataque hacker e paralisaram os saques. Estratégia semelhante foi usada por golpes no Brasil.

Publicidade

Depois do anúncio, os irmãos transferiram os fundos dos investidores para um mixer de criptomoedas. Mixer é um serviço que dá aos usuários a possibilidade de ocultarem as origens de seus ativos digitais. Eles também fugiram da África do Sul.

No mês passado, eles disseram para o The Wall Street Journal que desaparecem porque estariam sendo ameaçados. Falaram também que o prejuízo na verdade foi de US$ 200 milhões, e não de bilhões, como divulgado por advogados das vítimas. O caso está sendo investigado pelas autoridades da nação africana.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

Enquanto outras empresas gastam milhões em candidatos pró-cripto, Joe Lubin diz ao Decrypt que a Consensys resistiu ao impulso
Imagem da matéria: FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

Segundo os balanços, a FTX deve cerca de US$ 11 bilhões, e conseguiu levantar entre US$ 14,5 e US$ 16,3 bilhões até agora
criptomoedas caindo no fogo

Volume de negociação em corretoras de criptomoedas cai pela 1ª vez em 7 meses

Análise aponta que guerra no Oriente Médio e freio no fluxo dos ETF cripto dos Estados Unidos foram os motores para a queda
moeda de Bitcoin ao lado de letreiro com ETF

ETFs de Bitcoin estão de volta? Ganhos de R$ 1,9 bilhão marcam o melhor dia em mais de um mês

ETF da Grayscale teve mais entradas do que saídas pela primeira vez em semanas