Imagem da matéria: Indonésia quer cobrar imposto de 0,1% em cada transação de criptomoeda
Foto: Shutterstock

A Indonésia irá cobrar um imposto de 0,1% em transações envolvendo criptomoedas, noticiou a agência Reuters. O tributo começará a ser cobrado no dia 1º de maio e será da classe “value-added tax” (VAT), que são impostos em negociações envolvendo ganho de capital com commodities.

Esse é um detalhe importante: o governo da Indonésia permite transações com criptomoedas, mas com objetivo de investimento e não como meio de pagamento. Ou seja, o país classifica os criptoativos como commodities.

Publicidade

“Os ativos de criptomoeda estarão sujeitos ao VAT porque são uma mercadoria/commodity, conforme definido pelo Ministério do Comércio. Eles não são uma moeda”, disse o porta-voz Hestu Yoga Saksama em uma entrevista coletiva. “Então vamos impor imposto de renda e VAT.”

O número de pessoas que possuíam criptomoedas na Indonésia no final do ano de 2021 era de 11 milhões. O país é a maior economia do sudoeste asiático.

Rumores vinham desde 2021

Os rumores sobre a taxação de criptoativos no país começaram em maio do ano passado. Na época, o porta-voz da Receita Federal da Indonésia já previa que o contribuinte que lucrasse nas negociações teria que informar em sua declaração e pagar o devido imposto.

Segundo a Reuters, a Autoridade de Serviços Financeiros (OJK), órgão que funciona de forma similar a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) brasileira, já alertou os investidores sobre os riscos de investir em criptomoedas, argumentando que esses ativos não têm valor subjacente e os preços são altamente voláteis.

Publicidade

Conflito com organizações islâmicas

A relação da Indonésia com as criptomoedas é turbulenta. Em outubro do ano passado, Nahdlatul Ulama (NU), a maior organização islâmica do mundo com mais de 90 milhões de adeptos apenas na Indonésia, declarou que as criptomoedas desrespeitam as leis religiosas e seu uso deve ser proibido para aqueles que seguem os mandamentos do grupo. 

A decisão partiu da filial da NU da província de Java Oriental que defendeu a repressão às criptomoedas através de um “fatwa” — decreto religioso baseado na lei islâmica. A recomendação do grupo é que o uso de criptomoedas seja considerado um “haram”, ou seja, proibido para os islâmicos.

Já em janeiro deste ano, o grupo Muhammadiyah, que possui 28 milhões de membros segundo a enciclopédia Britannica, divulgou um fatwa informando que as criptomoedas são ilegais tanto para investimento como para meio de pagamento.

Fatwa é um pronunciamento legal emitido por um especialista em lei islâmica quando existem dúvidas de como proceder em determinada situação.

Publicidade

O motivo que levou as organizações islâmicas a proibição foi a natureza especulativa das criptomoedas, segundo a reportagem da CNBC. Isso confere a esses ativos uma obscuridade (“gharar”, no termo local), o que seria proibido pela Sharia, a lei islâmica.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

Segundo os dados do mempool, El Salvador comprou 30 bitcoins no último mês
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Executivo da Binance preso na Nigéria vai parar no hospital após desmaiar em julgamento

O executivo da Binance Tigran Gambaryan passou mal durante seu julgamento na Nigéria e precisou ser hospitalizado
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Manhã Cripto: ETFs de Bitcoin voltam a captar mais US$ 100 mi por dia nos EUA; Ex-diretor da FTX pede 18 meses de prisão

Mercado também começa a se preparar para veredito final da SEC sobre os ETFs de Ethereum à vista
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink