Imagem da matéria: "Criptomoedas devem ser proibidas", diz maior grupo islâmico da Indonésia
Foto: Shutterstock

Nahdlatul Ulama (NU), a maior organização islâmica do mundo com mais de 90 milhões de adeptos baseados na Indonésia, declarou que as criptomoedas desrespeitam as leis religiosas e seu uso deve ser proibido para aqueles que seguem os mandamentos do grupo. 

A decisão partiu da filial da NU na província de Java Oriental que defendeu a repressão às criptomoedas na quinta-feira (28) através de um “fatwa” — decreto religioso baseado na lei islâmica. A recomendação do grupo é que o uso de criptomoedas seja considerado um “haram”, ou seja, proibido para os islâmicos.

Publicidade

De acordo com o portal indonésio Tempo, a discussão sobre criptomoedas aconteceu no último domingo (25) num encontro que reuniu líderes do grupo de diferentes filiais da Indonésia. 

Durante a reunião que o veículo descreveu como “calorosa”, a organização acabou chegando no consenso de que os criptoativos poderiam prejudicar a legalidade das transações financeiras, já que na visão do grupo, são utilizados como ferramenta em fraudes. 

“Os participantes do masail bahtsul têm a visão de que, embora a criptomoeda tenha sido reconhecida pelo governo como uma commodity, ainda não pode ser legalizada pela sharia (lei islâmica)”, disse no decreto Kiai Azizi Chasbullah, o presidente da filial do grupo na Java Oriental.

Durante o encontro, especialistas em criptomoedas foram convidados pelo grupo para explicar como funcionam as criptomoedas, mas a conclusão que tiveram foi que ativos como bitcoin não estão em consenso com o “Fiqh”, a jurisprudência islâmica.

Publicidade

A organização também apontou semelhança do trade de criptomoedas com os jogos de azar, o que também é proibido nas leis religiosas do grupo.

Criptomoedas na Indonésia

A proibição do grupo islâmico chega num momento em que o uso de criptomoedas dispara na Indonésia, o país com o maior número de muçulmanos no mundo.

De acordo com um relatório divulgado no começo de outubro pela Coinformant, empresa australiana de educação blockchain, a Indonésia alcançou a pontuação mais alta de uma pesquisa de adoção de criptomoedas que levou em consideração fatores como número de pesquisas do Google, acesso a artigos sobre o assunto, aumentos de envolvimento no mercado e compra de criptoativos.

As buscas pelo tema no Google, por exemplo, cresceram 572% nos últimos 12 meses no país asiático, o nível mais alto visto no estudo. Já o número de pessoas investindo em criptomoedas subiu para 7,3 milhões na região.

Publicidade

Ao mesmo tempo, o governo indonésio se mostra amigável com o mercado cripto. No mês passado, o Ministro do Comércio Muhammad Lutfi, disse à imprensa local que o país não vai seguir o exemplo da China e banir a negociação de criptomoedas, mas que pretende melhorar a regulação para impedir que os ativos digitais sejam usados ​​em atividades criminosas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

A mineração de Bitcoin é feita com energia do vulcão Tecapa, usando 300 processadores voltados para essa atividade
Imagem da matéria: Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Em um processo judicial, a SEC argumentou que a Coinbase não pode exigir que o regulador escreva novas regras para o setor cripto
Hacker com capuz sorri no escuro

“Fizemos besteira”: Gala Games confirma hack de de R$ 1,2 bilhão

Um invasor usou um exploit para cunhar e roubar 5 bilhões de tokens da Gala Games (GALA)
Imagem da matéria: EUA acusam  2 chineses de lavarem US$ 73 milhões em esquema com criptomoedas

EUA acusam 2 chineses de lavarem US$ 73 milhões em esquema com criptomoedas

O Departamento de Justiça acusou Daren Li e Yicheng Zhang de orquestrar um esquema com criptomoedas de “abate de porcos”