Imagem da matéria: Há um ano morria Guto Schiavon, empresário pioneiro do mercado brasileiro de criptomoedas
Guto Schiavon foi um dos pioneiros do Bitcoin no Brasil (Foto: Foxbit)

“Workaholic” e multitarefa são palavras que definem bem Guto Schiavon e sua breve mas intensa trajetória no embrião do mercado brasileiro de criptomoedas. Foram apenas cinco anos entre a adesão definitiva ao bitcoin, em 2013, e o acidente de carro que tirou sua vida em 25 de dezembro de 2018, aos 24 anos.

Tempo suficiente para fazer do empresário natural de Marília (SP) e criado em Pompeia (SP) um dos nomes mais conhecidos e dedicados da comunidade no Brasil.

Publicidade

“Bot humano”

A relação de Guto com o mundo cripto é bem exemplificada pela criação da Foxbit, exchange que fundou junto com João Canhada e Felipe Trovão em 2014 e da qual foi diretor de operações. 

Ou melhor dizendo, Guto era o próprio “bot” da corretora.

“Ele tocava o operacional, era o robô da Foxbit. Era muito dedicado ao trabalho e isso também estressava muito ele. Até teve uma lesão na mão por tanto trabalhar”, lembra Neto Guaracy, editor do portal Cointimes — idealizado pelo próprio Guto.

Gabriela Cervantes Silva, Head de Marketing, Mobile(app) e CX da Foxbit, é outra a recordar do estilo multitarefa do ex-chefe. 

“Eu admirava muito a habilidade que ele tinha de fazer muitas coisas ao mesmo tempo, e a interação e responsabilidade que ele tinha em diversas áreas da empresa. Era um tal de Guto pra cá e Guto pra lá o dia inteiro. Ele era muito humano, divertido, brincalhão e muito  humilde”, lembra ela, que entrou para a exchange em fevereiro de 2018.

Publicidade
Homenagem de funcionários da Foxbit a Guto Schiavon.
(Foto: Divulgação/Foxbit)

Defeito ou qualidade?

Amigos e colegas de Guto ouvidos pela reportagem são unânimes nas qualidades associadas ao cofundador da Foxbit.

“O Guto era muito simples e muito acessível a todos. Ele sempre estava disposto a ensinar, conversar sobre o mundo das criptomoedas, ajudar os outros”, lembra a psicóloga Ariadny Rinolfi, colega dos tempos de colégio que mais tarde se tornou namorada do empresário.

O cofundador da Foxbit e a psicóloga estavam junto há dois anos e tinham planos de morar juntos em São Paulo em 2019 — o que acabou frustrado pela tragédia que abreviou a vida de Guto.

Para João Canhada, CEO da Foxbit, essa dedicação de Guto a outras pessoas era uma virtude da qual, inclusive, algumas pessoas tentavam tirar proveito.

“Guto era um cara incrível, um gênio e de coração enorme. As pessoas usavam isso contra ele. Tivemos essa conversa em algumas oportunidades. Seria a única coisa a ser dita sobre melhoria — e nem se trata de um defeito, mas sim uma super qualidade”.

Publicidade

Luta contra pirâmides

Praga que assolou o mercado brasileiro em 2019, Guto Schiavon criticava os esquemas de pirâmide financeira — e procurava combatê-los com as ferramentas que tinha à mão.

Usava sua própria didática e os canais de comunicação para falar a amigos e clientes sobre os riscos e prejuízos potenciais dos potenciais golpes.

E o crescimento dessa prática era algo que chegava até mesmo a afetar seu entusiasmo com as criptomoedas — tantas vezes usadas como chamariz pelos piramideiros.

“Ele amava o que fazia, mas era muito mais empolgado quando o ecossistema não estava contaminado com pirâmides”, disse Canhada.

Para Neto, um dos legados deixados pelo antigo “bot humano” é justamente a luta contra esquemas financeiros fraudulentos.

“Esses piramideiros atacam diretamente o que o Guto trabalhou tanto para fazer. E o mercado está lotado de pirâmides”, destaca. 

Publicidade

Um estudo divulgado no começo de dezembro pelo SPC aponta que um em cada dez brasileiros já se viu em meio a um esquema de fraude financeira — dentre eles, mais metade é de pirâmides financeiras.

Falta de um conciliador

Pessoas próximas a Guto avaliam que sua morte tirou da comunidade uma pessoa de perfil conciliador. Algo que vem fazendo falta. 

Em uma consequência direta dos males gerados pelas pirâmides, a impressão é que essa comunidade não está mais tão unida como antes.

Canhada critica a atenção de clientes a esse tipo de esquema, apesar das informações disponíveis contra as pirâmides: 

“A gente vivia na briga eterna de orientação aos clientes, mas algumas pessoas parecem que querem ser enganadas e até defendem os golpistas que surgem”.

Briga com piramideiros que chegou a incomodar Guto até mesmo depois de sua morte — ele foi processado postumamente pela Zero10 club junto com outras pessoas que atuam no mercado de criptomoedas.

Aposta, ‘Toca da Raposa’ e ciclovia

A curta trajetória de Guto Schiavon foi suficiente para gerar várias histórias curiosas. Uma delas, relembrada pela ex-namorada, se refere à própria formação da Foxbit. 

Publicidade

“Os sócios se conheceram pelo Facebook [em uma comunidade]. O contrato social rodou via sedex e eles só se conheceram depois, em um evento. Mas um tempo depois todos se reuniram em São Paulo e foram morar juntos, na “Toca da Raposa” [uma alusão ao nome da corretora].

Outra história famosa é a da aposta feita entre Guto e Canhada sobre quem conseguia emagrecer mais. O vencedor levaria um bitcoin como prêmio. No entanto, ambos fracassaram na missão.

A história de empresário ainda teve espaço em setembro para uma homenagem póstuma. A prefeitura de Pompeia (SP), cidade onde foi criado, deu à recém-inaugurada pista de cooper e ciclovia da cidade o nome de Luis Augusto Schiavon.

Nos bastidores, Guto também atuava em favor de ONGs da cidade que o adotou, especialmente a de proteção aos animais.

Pista de Cooper e Ciclovia Luis Augusto Schiavon, inaugurada em setembro/2019 em Pompeia (SP), cidade onde Guto cresceu.
(Foto: Divulgação/Prefeitura de Pompeia)

Legado de disseminar o mundo cripto

Guto falava de forma constante e com entusiasmo sobre criptomoedas, especialmente o bitcoin. Uma característica que, segundo os entrevistados, é um importante legado a ser preservado.

“Ele acreditava que o bitcoin era o futuro do mercado financeiro mundial. E tinha como objetivo expandir conhecimento sobre um mercado ainda tão desconhecido, plantando sementes por onde passava”, comenta Gabriela.

Entre as pessoas que conseguiu trazer para a comunidade está a própria Ariadny, que mantém o hábito de acompanhar as movimentações da comunidade:

“Antes de conhecê-lo, eu não sabia nada sobre o universo das criptomoedas, nem fazia ideia disso. Foi ele que me apresentou e teve a paciência de me explicar e me influenciar a ter uma visão mais aberta e sobre o mundo das criptos e dos investimentos”.

Há lições ainda deixadas pelo “bot humano” da Foxbit junto a seu círculo mais próximo.

Canhada cita a própria Foxbit como principal legado, mas acrescenta outros. “A lembrança da sua resiliência frente aos problemas do dia a dia e seu carinho com as pessoas, clientes e funcionários é o que fica e deve ser honrado no dia a dia.”

VOCÊ PODE GOSTAR
Homem aponta controle para TV que emerge imagens em 3D

‘TV 3.0’ que chegará ao Brasil em 2025 vai precisar de internet ou conversor? Entenda

Novo sistema de transmissão para TVs promete enviar som e imagem com qualidades maiores, além de maior interatividade com o espectador
Celular com logotipo da Receita Federal sobre notas de reais

Tokenização de ativos enfrenta área cinzenta na declaração de Imposto de Renda |Opinião

Para o autor, a declaração de tokens que representam recebíveis, e outros ativos do mundo real, devem mudar nos próximos anos
Rafael Rodrigo , dono da, One Club, dando palestra

Clientes acusam empresa que operava opções binárias na Quotex de dar calote milionário; dono nega

Processos judiciais tentam bloquear R$ 700 mil ligados à One Club, empresa de Rafael Rodrigo
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos cripto brasileiros ficam pela segunda semana consecutiva atrás apenas dos EUA em captação