Imagem da matéria: Grupo dos países mais ricos do mundo apoia regulamentação de criptomoedas
Foto: Reprodução

Os principais países desenvolvidos expressaram hoje “forte apoio” à “necessidade de regulamentar as moedas digitais”, disse hoje um porta-voz do secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin.

Os ministros das finanças dos países do G7 – Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos, bem como os chefes do Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e o Conselho de Estabilidade Financeira – reuniram-se hoje para discutir a situação da pandemia, finanças e para falar sobre criptomoedas, ao que tudo indica.

Publicidade

Hoje o secretário Mnuchin disse que os ministros e os presidentes dos bancos centrais “reiteraram o apoio à declaração conjunta do G7 sobre pagamentos digitais emitida em outubro.

Essa declaração, publicada em 13 de outubro, afirmava que os serviços de pagamento digital “devem ser devidamente supervisionados e regulamentados para enfrentar os desafios e riscos relacionados à estabilidade financeira”.

Embora o G7 tenha dito que os pagamentos digitais – que define como as alternativas aos sistemas de pagamento que lidam com moedas fiduciárias – têm “o potencial” de tornar os pagamentos mais fáceis de acessar, mais rápidos e baratos, e também podem ser perigosos se os riscos não forem considerados.

Mais importante ainda, o G7 observou que é o setor público que está acostumado a controlar a oferta monetária para garantir “a segurança e a eficiência dos sistemas de pagamentos, estabilidade financeira e o cumprimento dos objetivos macroeconômicos”.

Publicidade

As criptomoedas, fora de seu alcance, ameaçam o controle do G7. O G7 pensa que qualquer stablecoin de gestão privada, como Tether ou Diem (anteriormente Libra), só deve começar a operar depois de ter “atendido adequadamente” os pontos levantados pelos reguladores.

A propósito, os riscos sistêmicos que as stablecoins potencialmente representam para os sistemas financeiros tradicionais foram recentemente trazidos à tona nos Estados Unidos com a introdução do STABLE Act, co-patrocinado pela congressista Rashida Tlaib. O projeto visa forçar os emissores de stablecoins a buscar a aprovação federal – incluindo a aprovação do Federal Reserve e um registro de licença bancária – antes de começarem a circular as moedas.

Embora o G7 também esteja preocupado com as stablecoins, o grupo também está interessado em iniciativas administradas pelo Estado, como as moedas digitais de bancos centrais, que acreditam que poderiam ajudar a manter os bancos centrais em boas condições. Na verdade, todas as nações do G7 disseram que estão considerando este ponto.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Reserva de Bitcoin de mineradores bate mínima em três anos com vendas antes do halving

Reserva de Bitcoin de mineradores bate mínima em três anos com vendas antes do halving

Diferente do que aconteceu antes do halving de 2020, desta vez os mineradores aproveitaram a recente disparada do Bitcoin para vender parte de suas reservas
Imagem da matéria: Entenda os planos do governo para mudar a tributação de criptomoedas no Brasil

Entenda os planos do governo para mudar a tributação de criptomoedas no Brasil

Caso a lei seja aprovada, os ganhos com criptomoedas serão tributados por meio do sistema de alíquota de renda variável
Imagem da matéria: Brasileira perde R$ 28 mil em golpe de falso consultor de criptomoedas

Brasileira perde R$ 28 mil em golpe de falso consultor de criptomoedas

Além do prejuízo com as criptomoedas, mulher relata que teve o celular e as contas bancárias invadidas pelo golpista
Imagem da matéria: Notcoin: Jogo cripto do Telegram promete voltar com grandes mudanças após airdrop

Notcoin: Jogo cripto do Telegram promete voltar com grandes mudanças após airdrop

O jogo viral do Telegram, Notcoin, está planejando voltar ao ar após o airdrop de 20 de abril