Argentina
Shutterstock

A fintech Ualá, popular carteira de pagamentos e investimentos com sede na Argentina, comunicou no sábado (13) que deixará de fornecer serviços de criptomoedas por causa da determinação do Banco Central da República Argentina (BCRA). Segundo a empresa, que possui 5 milhões de clientes no país, todos os seus 300 mil investidores de Bitcoin e Ethereum foram avisados por e-mail e eles terão 30 dias para resgatarem os fundos.

No início deste mês, o BCRA proibiu os chamados “Prestadores de Serviços de Pagamentos com Contas de Pagamentos” (PSPCP) de facilitarem ou realizarem, em nome de seus clientes, operações de compra e venda com criptomoedas.

Publicidade

“Isso machuca muito”, disse o fundador da Ualá, Pierpaolo Barbieri, em uma thread no twitter.

Citando o comunicado do BCRA, Barbieri disse que não há outra alternativa a não ser cumprir a determinação da entidade financeira maior da Argentina: “Isso nos obriga a suspender a possibilidade de operar Crypto, onde já temos mais de 300.000 contas abertas”, ressaltou.

Barbieri afirmou que a Ualá vai incluir um bônus de 5% sobre o valor vendido das criptomoedas como “compensação e agradecimento” pela confiança dos clientes do mercado cripto na fintech.

Os outros produtos oferecidos pela Ualá, como investimentos no mercado financeiro, seguem funcionando normalmente, disse Barbieri, ressaltando que “mais de 2 milhões de pessoas acessam diariamente o mercado de capitais via Ualá”.

BCRA de olho em criptomoedas e Mercado Pago 

De acordo com o site Infobae, que repercutiu a decisão da Ualá, outra carteira que pode ter adotado a mesma postura é a Prex. A fintech não se pronunciou até o momento, mas a reportagem obteve informações de pessoas familiarizadas com o assunto.

Publicidade

“Somos obrigados a suspender a possibilidade de operar cripto, que de qualquer forma era apenas mais uma opção dentro do nosso menu de investimentos, que é muito amplo”, disseram fontes da empresa”.

Quando questionada publicamente sobre o assunto, a Prex se absteve de responder somente no privado. “O que acontecerá com aqueles de nós que temos investimentos em Cripto no Prex com as novas medidas do BCRA?”, perguntou @Sergio11599353. 

A fintech então respondeu: “Entraremos em contato com você em particular para fornecer uma resposta”.

Até o momento, não se sabe de nenhuma outra fintech afetada pela decisão do banco central, conclui a reportagem, ressaltando que a nova regra do do BCRA, direcionada ao setor de fintech, pode ter tido como alvo a Mercado Pago, principal fintech do páis.

Isso porque a entidade já oferece os serviços de criptomoedas no Brasil, México e Chile.

VOCÊ PODE GOSTAR
Smartphone sobre dólares mostra logo Axie Infinity

Polícia da Noruega recupera e devolve R$ 30 milhões do hack da Axie Infinity

A polícia norueguesa para crimes financeiros recuperou e congelou os fundos do hack de 2022 que envolveu a sidechain Ronin
Imagem da matéria: Hashdex entra com pedido para lançar ETF de Bitcoin e Ethereum nos Estados Unidos

Hashdex entra com pedido para lançar ETF de Bitcoin e Ethereum nos Estados Unidos

A gestora de fundos apontou no formulário de aplicação que terá como parceiros custodiantes dos ativos a Coinbase, LLC e a BitGo
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin cai 3% antes da decisão sobre taxa de juros e relatório de inflação dos EUA

Manhã Cripto: Bitcoin cai 3% antes da decisão sobre taxa de juros e relatório de inflação dos EUA

Federal Reserve não deve cortar taxa de juros, já que os dados da inflação ainda não estão no cenário ideal para as autoridades dos EUA
camisas das seleções da itália e Argentina

Socios.com lança colecionáveis que celebram o legado das seleções da Itália e Argentina

Para participar do ‘The Fabric of Champions’, os detentores de fan tokens podem bloquear seus ativos até 15 de julho