Imagem da matéria: Governo dos EUA vai assinar hoje ordem executiva que vai mudar o mercado de criptomoedas
Foto: Shutterstock

Nesta quarta-feira (9), a Casa Branca publicou um informativo sobre a Ordem Executiva do presidente Biden para Garantir a Inovação Responsável com Ativos Digitais.

O informe aponta que o presidente irá assinar, ainda nesta quarta-feira (9), uma ordem executiva “destacando a primeira abordagem governamental da História para lidar com os riscos e dominar os possíveis benefícios dos ativos digitais”.

Publicidade

Essa notícia marca o fim de um prolongado período de especulação sobre quando exatamente essa ordem seria implementada.

Em janeiro, a Bloomberg havia dito que talvez seria assinada em fevereiro (isso não aconteceu). Já em fevereiro, o Yahoo Finance noticiou que a expectativa era que Biden “emitisse uma ordem executiva na próxima semana”.

A ordem executiva cripto de Biden

Mais especificamente, o texto visa seis “prioridades-chave”: proteção a consumidores e investidores; estabilidade financeira; uso ilícito de ativos digitais; liderança econômica dos EUA; inclusão financeira justa e acessível; e inovação responsável.

Janet Yellen, a secretária do Tesouro Americano, elogiou o comprometimento da administração à inovação responsável em uma nota prévia.

“A ordem executiva histórica do presidente Biden pede por uma abordagem coordenada e abrangente à política de ativos digitais. Essa abordagem fornecerá suporte à inovação responsável que pode resultar em benefícios significativos para a nação, os consumidores e as empresas”, disse.

Além das seis prioridades-chave mencionadas acima, a Casa Branca também afirmou que a Ordem Executiva irá explorar uma moeda digital emitida pelo banco central (ou CBDC, na sigla em inglês) dos EUA.

Publicidade

“A Ordem direciona o governo americano para estudar a infraestrutura tecnológica e necessidades de capacidade para uma possível CBDC americana de uma forma de proteja os interesses de americanos”, acrescentou a Casa Branca.

Apesar de não ter dado mais detalhes, a Casa Branca também mencionou os riscos climáticos apresentados por criptomoedas.

“Os Estados Unidos deve manter a liderança tecnológica nesse setor de rápido crescimento, apoiando a inovação enquanto mitiga os riscos para consumidores, empresas, o amplo sistema financeiro e o clima”, afirma o comunicado.

O conflito na Ucrânia como catálise

É provável que a invasão da Rússia à Ucrânia tenha atuado como uma catálise para essa ordem executiva, dadas as preocupações que a Rússia possa usar criptomoedas para evadir sanções econômicas.

Na semana passada, Yellen disse que o Tesouro Americano iria “continuar analisando como sanções funcionam e avaliar se existem vazamentos ou não”. Em relação às criptomoedas, ela acrescentou que “não é como se esse setor fosse usado apenas para evasões”.

Publicidade

No entanto, em outubro de 2021, o Tesouro havia publicado um relatório que afirmava que ativos digitais poderiam prejudicar sanções americanas.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Cachorro Shiba Inu que inspitou Dogecoin

Kabosu, a cachorrinha que inspirou a Dogecoin, falece aos 18 anos

Kabosu sofria de doença crônica e já era muito idosa; segundo sua dona, a cachorrinha “faleceu silenciosamente”
Imagem da matéria: MB anuncia transferência de ativo de Renda Fixa Digital com pagamento em USDC

MB anuncia transferência de ativo de Renda Fixa Digital com pagamento em USDC

Novidade foi anunciada em evento da Circle, emissora da stablecoin pareada dólar, em São Paulo, nesta quarta-feira (29)
ilustração mostra logo da pepecoin PEPE subindo ao céu

PEPE e BONK valorizam mais de 30% nas últimas 24 horas

Memecoin PEPE bateu sua máxima histórica nesta terça-feira (21), em momento de forte aquecimento do mercado cripto
Bandeira da Argentina com moeda de Bitoin do lado

Argentina se reúne com autoridades de El Salvador para discutir adoção de Bitcoin

Há cerca de três anos, El Salvador se tornou o primeiro país do mundo a incorporar o Bitcoin, junto com o dólar, como moeda oficial