moeda de bitcoin com bandeira dos EUA no fundo
Shutterstock

Tão logo as criptomoedas começaram a ganhar força nos noticiários globais, seus usos indevidos por maus atores também aumentaram, levando a diversas ações de governos para combater esses crimes.

Nos Estados Unidos, há pelo menos uma década são feitas apreensões de Bitcoin. O volume apreendido é tão grande que hoje o governo norte-americano é um dos maiores detentores de Bitcoin do mundo.

Publicidade

Leia também: Governo dos EUA controla hoje R$ 25 bilhões em Bitcoin, mas sofre com liquidez

Nesses casos, quando os recursos não são devolvidos para as vítimas, as criptomoedas ficam guardadas em carteiras do governo, que depois de um longo processo burocrático em torno do caso, faz um leilão para se liquidar os ativos e arrecadar fundos na forma de dólar.

Mas e se o governo dos EUA tivesse optado por segurar todas as criptomoedas apreendidas desde 2014 para vendê-las a preços atuais, estaria no lucro ou no prejuízo?

Um levantamento feito pelo engenheiro de software Jameson Lopp no X (antigo Twitter) estima que se o governo não tivesse vendido nenhum dos bitcoins que apreendeu desde 2014, teria hoje US$ 6,4 bilhões (R$ 32,2 bi) a mais na mão.

Nos últimos nove anos o governo americano vendeu 195.091,75 bitcoins, arrecadando um total de US$ 366.493.104. Porém, se hoje eles ainda controlassem todos os BTCs guardados, essa reserva valeria algo como US$ 6.788.802.717, o que mostra o potencial “perdido” pelos EUA é de US$ 6,4 bilhões.

Publicidade
Leilões de venda de Bitcoin feitos pelo governo dos EUA desde 2014 (Fonte: Jameson Lopp)

Os leilões de bitcoin

Alguns dos maiores leilões feitos pelo governo americano estão relacionados à apreensão feitas ao Silk Road, antigo dark market que usava criptomoedas, sendo duas vendas de 50 mil BTCs e outra de 44.341 bitcoins entre 2014 e 2015.

Inclusive em 2023 já foi feito um leilão de criptomoedas também relacionados ao Silk Road. Em março foram vendidos 9.861 BTCs no mercado, o que representou cerca de R$ 1,4 bilhão na cotação da época.

O primeiro leilão do governo ocorreu em 2014, e foi vencido pelo capitalista de risco Tim Draper. Na época em que 1 BTC valia cerca de US$ 600, Draper arrematou 29.657 bitcoins do governo.

Vale lembrar que os EUA já leiloaram bitcoins em pequenas licitações, com uma que ocorreu em 2021. Na época, a Administração de Serviços Gerais dos Estados Unidos leiloou 0.7501 Bitcoin, arrecadando mais de US$ 53 mil com a venda.

Publicidade

Governo dos EUA é baleia de Bitcoin

Apesar de ter perdido a oportunidade de ter ainda mais dinheiro se não tivesse vendido os bitcoins, o governo americano ainda é uma das maiores baleias de Bitcoin do mundo.

No último dia 15 de outubro, o The Wall Street Journal publicou uma reportagem mostrando que o governo dos EUA tem o equivalente a US$ 5 bilhões (R$ 25 bilhões) em reservas da criptomoeda.

A reportagem ressaltou que os bitcoins são mantidos por várias entidades americanas, como a Receita Federal (IRS), em carteiras off-line, que também são chamadas de “carteiras frias” (cold wallets, em inglês). 

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Ethereum (ETH) decola 20% com expectativa para aprovação de ETFs nos EUA

Manhã Cripto: Ethereum (ETH) decola 20% com expectativa para aprovação de ETFs nos EUA

A animação dos investidores fez aumentar em 219% o volume de negociação do Ethereum nas últimas 24 horas
Imagem da matéria: Microsoft lança PC com IA que vai lembrar tudo que você faz na internet

Microsoft lança PC com IA que vai lembrar tudo que você faz na internet

A big tech revelou o Copilot+ PC “projetado para IA” que recorda tudo o que é exibido na tela do seu computador
Imagem da matéria: Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Apesar de chamara cada vez mais atenção, muitas pessoas ainda não sabem o que é a tokenização de ativos e como ela funciona
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns