Imagem da matéria: Governo brasileiro libera R$ 5,7 milhões para projeto baseado em blockchain e Internet das Coisas
Foto: Shutterstock

O Governo Federal liberou R$ 5,7 milhões para a segunda fase de execução da ‘Plataforma Blockchain para desenvolvimento de aplicações seguras em IoT’. O projeto está sendo realizado pelo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), entidade com sede na cidade de Campinas (SP).

Conforme publicação Diário Oficial da União (DOU) na quarta-feira (04), foram liberados R$ 5.773.714,00 por meio do convênio do CPqD com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Publicidade

A Finep é a entidade que gerencia o Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel). Ambas instituições pertencem ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

De acordo com o Finep, o financiamento será realizado na modalidade ‘aporte direto’, cuja espécie se enquadra em “encomenda vertical de projeto de pesquisa”.

Segundo o órgão, o prazo de vigência e execução física e financeira do projeto é de até 24 meses a partir da data de assinatura do convênio.

A prestação de contas também tem prazo e deve ser realizada em até 60 dias contados da data do término da vigência.

Publicidade

Blockchain para cidades inteligentes

Segundo informações da assessoria de imprensa, o projeto, batizado pela instituição de BlockIoT (junção dos termos blockchain e IoT) visa desenvolver e demonstrar tecnologias destinadas a aplicações do tipo “Cidades Inteligentes”.

Isso engloba segurança pública, mobilidade urbana e saúde pública num ecossistema multidisciplinar, composto por órgãos públicos e privados interessados em soluções e tecnologias ligadas a IoT. 

Nesta fase, um dos objetivos é o desenvolvimento de componentes para uma ou mais plataformas computacionais de código aberto para a prestação de serviços digitais em IoT por meio de tecnologias seguras como blockchain.

Durante a execução do projeto, escreveu o CPqD, será utilizada a abordagem de inovação aberta, contando com a participação de empresas brasileiras parceiras no desenvolvimento das provas de conceito e MVPs (produtos mínimos viáveis).

Publicidade

Projeto Blockchain fez um ano

O BlockIoT começou a ser desenvolvido em dezembro do ano passado. Segundo o planejamento, a primeira fase teve duração de 12 meses.

Naquele estágio o foco era o desenvolvimento de componentes tecnológicos e um conjunto de aplicações voltadas para a identidade digital (ID) de pessoas e coisas.

Na ocasião, José Reynaldo Formigoni, gestor de soluções blockchain do CPqD, explicou:

“Um dos fatores básicos para aumentar a confiança no ecossistema IoT é a identificação digital segura, e isso vale para pessoas e coisas. A internet foi criada sem a camada de identificação, o que gera vulnerabilidades nos diferentes sistemas de identidade e acesso usados atualmente”.

Sobre o CPqD

O CPqD foi fundado em 1976 e tem sede na cidade de Campinas, São Paulo. A instituição é um dos maiores centros de pesquisa da América Latina e atua na pesquisa, desenvolvimento e suporte de diversos setores — industrial, agrícola, telecomunicações, financeiro, energia elétrica, corporativo e administração pública.

Com foco na inovação em tecnologias da informação e comunicação, a instituição mantém um portfólio abrangente de soluções que são utilizadas nos mais diversos segmentos de mercado no Brasil e no exterior.

Publicidade

BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração da memcoin em Solana Bonk

Como criar uma memecoin em Solana com a Pump.fun

Protocolo viralizou ao permitir a qualquer pessoa criar uma criptomoeda por cerca de R$ 15
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken