Imagem da matéria: Gestora brasileira Verde Asset faz aposta de R$ 126 milhões em ETF de criptomoedas
Foto: Shutterstock

Um dos fundos da Verde Asset Management, uma das gestoras mais importantes do Brasil, fez uma aposta de R$ 126,3 milhões em cotas do ETF criptomoedas da Hashdex, listado em abril na Bolsa de Valores brasileira.

O montante representava 0,52% do patrimônio liquido do Verde Master Multimercado, cujo total soma R$ 24,2 bilhões. Os dados estão registrados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Publicidade

Na atualização da carteira no segundo semestre, no entanto, as cotas já não aparecem mais. Não é possível saber se a cota permanece na carteira, pois há uma defasagem de três meses nas informações repassadas ao órgão regulador.

Para o analista de mercado Beni Akstein, o movimento mostra que a Verde enxergou uma oportunidade no mercado de criptomoedas.

“Faz muito sentido por causa da diversificação. A proposta é estar em produto diversificado. Eles devem ter visto uma opcionalidade positiva”, disse.

Akstein acredita, no entanto, que apesar de ter sido um passo importante no mercado, outras gestoras não devem seguir o exemplo.

Publicidade

“Não acho que vão copiar, porque a manada ainda é muito receosa com essa neoclasse de ativos”, afirmou.

Na semana passada, entretanto, a gestora de multimercados O3 Capital – criada pela holding de investimentos Península Participações, do empresário Abilio Diniz – revelou que também adquiriu cotas do mesmo ETF.

Parte da carteira do Verde Master Multimercado (Imagem: CVM)

ETF de criptomoedas

O ETF de criptomoedas da Hashdex, que recebeu sinal verde da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no início deste ano, segue o índice Nasdaq Crypto Index, criado pela gestora em parceria com a Nasdaq.

O fundo é composto por Bitcoin, Ethereum, Stellar, Litecoin, Bitcoin Cash, Chainlink, Uniswap e Filecoin. Essas duas últimas criptomoedas foram adicionadas no mês de junho.

O produto foi negociado a R$ 53 no dia da estreia no mercado e atingiu uma máxima de R$ 57 duas semanas depois. O Hash11, contudo, acompanhou a queda do bitcoin e está sendo negociado a R$ 37 nesta quarta-feira (04).

Publicidade

Verde Asset

O fundo Verde foi criado em 1997 pelo engenheiro civil Luis Stuhlberger, considerado o maior gestor de fundos do Brasil. Daquele ano até o início de 2021, a aplicação teve rentabilidade de 18.681% do CDI.

Em 2015, Stuhlberger e outros profissionais se uniram e fundaram a gestora Verde Asset Management. Hoje, a empresa tem R$ 54 bilhões de ativos sob gestão, alocados em fundos de multimercados e ações.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken