Imagem da matéria: Fundador Credminer que deu calote com criação da LQX diz gerenciar fortunas
Fundador da Credminer, Antônio Silva. Foto: Reprodução/Arquivo

O empresário Cláudio Di Lucca, dono da Revista Sucesso e ex-presidente da Abranetwork (Associação Brasileira de Network Marketing), publicou no mês passado uma matéria sobre o empresário Antônio Silva, fundador da Credminer – empresa que supostamente fazia mineração de criptomoedas que deixou milhares de brasileiros no prejuízo. No texto, ele disse que Silva gerencia fortunas por meio de sua nova empresa de custódia de ativos digitais, a “We”.

De acordo com a revista, a nova companhia, supostamente sediada em Berlim, na Alemanha, gerencia milhões de euros, mesmo que as vítimas da Credminer não tenham sido ressarcidas.

Publicidade

Vale lembrar que tanto a Sucesso quanto a Abranetwork, que fazem parte do mesmo conglomerado do segmento de marketing multinível, são conhecidas por fazer propagandas de supostas pirâmides financeiras, a exemplo da 18K Ronaldinho, da DD Corporation e da própria Credminer. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Ministério Público do Estado da Bahia abriram neste ano processos para investigar as duas.

Vítimas da Credminer

A reportagem da revista descreveu Antônio Silva como um empresário de sucesso que montou uma companhia na área de mineração de ativos digitais — a Credminer —, mas não teve apoio das autoridades brasileiras. O texto mencionou, por exemplo, que Silva teve que parar com as atividades e partir para outra empreitada fora do país.

Em nenhum momento foi citado, no entanto, que Silva deixou milhares de brasileiros no prejuízo no final do ano passado, quando parou de honrar com os pagamentos e obrigou os clientes a aceitar uma criptomoeda sem valor chamada LQX.

Por causa disso, o Ministério Público do Ceará está atrás do empresário. Vítimas da Credminer também moveram ações individuais contra ele e já estão conseguindo liminares na Justiça. Em julho, por exemplo, a juíza Lucimeire Godeiro Costa, da 21ª Vara Cível de Fortaleza (CE), determinou bloqueio de R$ 200 mil da Credminer em favor de dois investidores enganados.

Publicidade

A matéria informou que a “We” seria o “primeiro cryptobank do mundo com sistema de afiliados”. Disse também que a nova empresa de Silva estaria regulamentada na Alemanha e nos Estados Unidos e supostamente teria parceria com bancos em vários lugares do mundo.

A informação, no entanto, não condiz totalmente com a realidade. A empresa de Silva não consta na Securities and Exchange Comission (SEC, a CVM dos Estados Unidos) nem na Federal Financial Supervisory Authority (Bafin, a CVM da Alemanha).

We informa que não deve nada

A reportagem do Portal do Bitcoin entrou em contato a “We” e perguntou sobre a veracidade das informações publicadas pela revista, como a autorização dos órgãos dos Estados Unidos e da Alemanha.

Em nota, a empresa respondeu que seu modelo “foi desenhado para poder operar com pontos de fidelidade e custódia de criptomoedas, pois nesses países isso não depende de autorização do Bafin nem mesmo da SEC”.

Publicidade

O Portal do Bitcoin também questionou se o valor em custódia informado pela revista é verdadeiro e quando a empresa vai pagar os milhares de consumidores lesados. A empresa disse que na verdade tem “aproximadamente R$ 200 milhões, na cotação atual de LQX, BTC, ETH e DASH”.

Sobre a devolução do dinheiro, a “We” informou que “NÃO (em caixa alta mesmo) deve nada a ninguém”. Disse também que a empresa é “totalmente diferente da Credminer, apesar de fazer parte do mesmo grupo empresarial, o MDX”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Manhã Cripto: ETFs de Bitcoin voltam a captar mais US$ 100 mi por dia nos EUA; Ex-diretor da FTX pede 18 meses de prisão

Mercado também começa a se preparar para veredito final da SEC sobre os ETFs de Ethereum à vista
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
Imagem da matéria: Ex-diretor da FTX deve pegar até 7 anos de prisão, pedem promotores dos EUA

Ex-diretor da FTX deve pegar até 7 anos de prisão, pedem promotores dos EUA

Ryan Salame foi um dos executivos da FTX que coordenaram a doação de milhões para campanhas políticas usando dinheiro dos clientes
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin sobe 3% e volta para US$ 63 mil; Toncoin salta 17% com expectativa para lançamento da Notcoin

Manhã Cripto: Bitcoin sobe 3% e volta para US$ 63 mil; Toncoin salta 17% com expectativa para lançamento da Notcoin

Toncoin valoriza com a notícia do lançamento de um dos tokens mais esperados da rede: Notcoin (NOT)