Imagem da matéria: Funai cancela contrato de R$ 45 milhões para criação de criptomoeda indígena
Foto: Divulgação

O Governo Federal anunciou na quinta-feira (03) o cancelamento de um contrato de R$ 45 milhões que previa ações para modernização na comunidade indígena, dentre elas, a criação de uma criptomoeda.

Segundo o comunicado, o projeto, que sairia da parceria entre a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Universidade Federal Fluminense (UFF), “geraria prejuízo aos cofres públicos”.

Publicidade

A rescisão unilateral foi comunicada à reitoria da UFF na quarta-feira (02). No documento, assinado pelo presidente Funai, Marcelo Xavier, foi dito que o projeto não atende aos interesses da fundação e que também não contou com manifestação favorável da área técnica do órgão.

Destacou, também, que a manutenção do contrato acarreta sérias consequências lesivas à administração, tendo em vista a vultuosa quantia envolvida. Além disso, diz a nota, após análise de um grupo de trabalho da Funai obteve-se um relatório desfavorável ao projeto.

De acordo com o grupo, tratava-se de um projeto “vago e pouco embasado tecnicamente”, que “não atenderia às reais e urgentes demandas das comunidades indígenas”.

No entanto, na ocasião do anúncio da parceria, a UFF disse que tratava-se de um projeto de longo prazo e que visava fortalecimento institucional e modernização do órgão. Além da criptomoeda, o projeto previa a criação de 16 produtos, como mapeamento funcional a criação de banco de dados territoriais.

Publicidade

‘Criptomoeda indígena’ foi herança do governo Temer

O contrato havia sido assinado três dias antes de encerrar o mandato de Michel Temer. O acordo previa execução orçamentária de R$ 35 milhões em 2018 e o restante em 2019. Logo que o presidente Jair Bolsonaro assumiu o governo ficou espantado com o valor.

Na época, a questão levantada foi de que o contrato não foi firmado por meio de um processo licitatório tradicional, mas por uma contratação direta entre dois órgãos federais.

O ex-presidente Temer então se defendeu, alegando que “[os recursos] foram disponibilizados por meio de um Projeto de Lei que só foi aprovado e sancionado em meados de dezembro (de 2018)”.

Jair Bolsonaro criticou

No dia 7 de janeiro de 2019, com uma semana no governo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) comparou o projeto da Funai com a ‘caixa-preta do BNDES’, enaltecendo a ação de Damares.

Publicidade

Em março daquele ano, o presidente cometeu uma gafe ao falar sobre o projeto. Ele disse que a ministra Damares Alves havia cancelado a compra de Bitcoin que seria feita pela autarquia.

Também naquele mês, sem entender do assunto, o filho do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) cometeu uma gafe no Twitter, dizendo que “Damares bloqueou milhões em bitcoin que seriam destinados aos órgãos ligados à Funai”. Na verdade, o bloqueio foi em dinheiro.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Câmara dos EUA aprova projeto de lei para frear criação de CBDC

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para frear criação de CBDC

O apoio à legislação ficou bastante dividido entre os partidos, com muito menos apoio dos democratas em comparação com outros projetos de lei envolvendo criptomoedas neste mês
Imagem da matéria: Volume de negociação de 'Notcoin' ultrapassa US$ 1 bilhão no maior airdrop de jogos de 2024

Volume de negociação de ‘Notcoin’ ultrapassa US$ 1 bilhão no maior airdrop de jogos de 2024

Jogo Notcoin, baseado no Telegram, lançou mais de 80 bilhões de tokens para cerca de 35 milhões de jogadores em um airdrop
Pessoa olha para scanner da Worldcoin

Hong Kong bane Worldcoin por coleta de dados “desnecessária e excessiva”

A Worldcoin chegou a escanear o rosto e a íris de 8.302 indivíduos durante sua operação em Hong Kong, segundo autoridades
Bitcoin e grafico de mercado

Traders de Bitcoin miram US$ 74 mil já na próxima semana com nova onda de fluxo positivo para ETFs

Com ETFs registrando quatro dias seguidos de entradas e dados de inflação nos EUA abaixo do esperado, o Bitcoin já começou a retomar a alta e superou os US$ 66 mil