Imagem da matéria: FTX deixa dívida de R$ 294 mil em bar nas Bahamas
Foto: Shutterstock

Novos documentos tornados públicos pela FTX mostram que, além de dever bilhões de dólares para clientes após travar saques, a quebrada corretora de criptomoedas também deve dinheiro para um bar de margaritas nas Bahamas, o país-sede da empresa.

Pelo que indica uma parte do documento sobre gastos da exchange que circulou no Twitter na segunda-feira (28), a empresa criada por Sam Bankman-Fried “pagou fiado” gastos no  Margaritaville Beach Resort e agora os deve um total de US$ 55.319, cerca de R$ 294 mil.

Publicidade

“As cinco principais contas a pagar da Alameda incluem uma conta insanamente grande da AWS, uma conta da Bloomberg de US$ 80 mil e US$ 55 mil devidos a Margaritaville Bahamas, que presumo ser uma conta de bar não paga (???)”, escreveu o usuário @sadvalueinvestr ao divulgar a parte do documento que expõe a dívida.

Como ele mesmo informou, a conta no bar não é a maior dívida deixada pela FTX e a Alameda Research. No topo da lista em questão aparece a Amazon Web Services (AWS), a plataforma de nuvem da Amazon com a qual a FTX tem uma dívida de US$ 4,6 milhões. 

Na lista também aparece uma dívida de US$ 168,9 mil a dois escritórios de advocacia, além de US$ 80 mil que o grupo deve à Bloomberg Finance.

A recuperação judicial da FTX

A crise na corretora de criptomoedas FTX chegou ao auge no dia 11 de novembro, quando anunciou oficialmente estar quebrada ao entrar com pedido de recuperação judicial do tipo “Chapter 11” — referência ao capítulo da Lei de Falências dos EUA, que permite a uma empresa criar um plano de recuperação sob intervenção judicial para pagar os credores ao longo do tempo.

Publicidade

Naquela semana, o agora ex-bilionário Bankman-Fried se afastou da direção da empresa e foi substituído pelo executivo John Ray III. 

O pedido de recuperação judicial abrange a maior parte das companhias do grupo FTX, incluindo o braço americano FTX US, a Alameda Research e aproximadamente 130 outras companhias afiliadas.

Desde então, só cresceu a incerteza entre os investidores com dinheiro preso na corretora. Alguns influencers do universo das criptomoedas chegaram a viajar para as Bahamas atrás de Sam Bankman-Fried.

A quebrada exchange tinha sede nas Bahamas desde setembro do ano passado e funcionava a partir de uma cobertura de luxo no Albany Resort, um condomínio fechado localizado na Ilha de New Providence. O bairro agora é alvo de investigações improvisadas, ostensivamente em nome da comunidade cripto.

Publicidade

Ben Armstrong, que dirige um popular canal do youtube chamado Bitboy Crypto, postou uma live de si mesmo andando pela propriedade do resort, de onde acabou sendo expulso pela equipe de segurança.

Procurando uma corretora segura que não congele seus saques? No Mercado Bitcoin, você tem segurança e controle sobre seus ativos. Faça como nossos 3,8 milhões de clientes e abra já sua conta!

VOCÊ PODE GOSTAR
Bob Burnquist

Bob Burnquist e sua cruzada para empoderar os artistas por meio da Web3

O skatista é membro ativo de duas DAOs e participou do Ethereum Rio para falar sobre como as comunidades estão se tornando um novo meio de conexão para os artistas
Sam Bankman-Fried da FTX falando em vídeo

Criador da FTX vai mudar de presídio nos Estados Unidos

Transferência de presídio pode durar até um mês nos EUA, com o detento sendo levado para várias penitenciárias até chegar ao destino final
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Cachorro Shiba Inu que inspitou Dogecoin

Kabosu, a cachorrinha que inspirou a Dogecoin, falece aos 18 anos

Kabosu sofria de doença crônica e já era muito idosa; segundo sua dona, a cachorrinha “faleceu silenciosamente”