Fórum Econômico Mundial inclui Ripio e outras empresas de criptomoedas em lista de inovadores

Além da startup argentina, outras empresas que atuam com blockchain e criptomoedas estão entre as escolhidas da turma de 2020 do Fórum

Empresa argentina de bitcoin faz campanha até no metrô de São Paulo
Propaganda da startup argentina de cripto Ripio no metrô de São Paulo. (Foto: Divulgação)


A startup argentina Ripio, que oferece serviços de fiat-to-cripto e crédito na Argentina, Brasil e em outros países da América Latina, está entre as empresas reconhecidas pelo Fórum Econômico Mundial como pioneiras em tecnologia.

As companhias foram selecionadas com base em critérios que incluem inovação, impacto e liderança, além da relevância da empresa dentro das plataformas do Fórum.

As empresas selecionadas vão contribuir para as iniciativas do Fórum pelos próximos dois anos, trabalhando com formuladores de políticas e líderes do setor privado para ajudar a definir uma agenda global elencando as temáticas mais importantes.

“Essas são as empresas que pensam de maneira diferente e se destacam como possíveis transformadores. Estamos ansiosos pelo papel que elas desempenharão na formação do futuro de seus setores”, completa Susan Nesbitt, chefe da Comunidade Global de Inovadores do Fórum Econômico Mundial, em nota à imprensa.

“É uma verdadeira honra ser reconhecido como pioneiro pelo Fórum Econômico Mundial. É uma confirmação de que nossos esforços para democratizar o acesso à nova economia digital podem mudar o futuro de muitos. Esperamos contribuir com os diálogos do Fórum sobre esse desafio”, disse Sebastian Serrano, CEO da Ripio, no comunicado.

Em fevereiro, a divisão brasileira da Ripio foi escolhida como a vencedora do programa de aceleração da Visa. Na ocasião, a empresa apresentou três novos produtos que devem ser lançados até junho.

De olho em criptomoedas

Além da Ripio, outras empresas que atuam com blockchain e criptomoedas estão entre as escolhidas da turma de 2020 do Fórum Econômico Mundial.



A startup dinamarquesa MakerDAO, fundada em 2018, é responsável pela Dai, uma stablecoin que se intitula como “primeira moeda independente do mundo”.

Já a britânica Chainlink permite comunicação entre os smart contracts em blockchain de maneira segura e confiável.

Ajudar no combate a crimes financeiros com criptomoedas é o foco da também britânica Elliptic. Ela fornece produtos que ajudam a vasculhar a blockchain e identificar operações suspeitas. Autoridades brasileiras que investigam casos de lavagem de dinheiro envolvendo bitcoin e outras moedas digitais utilizam serviços da empresa.

Inovadores globais

Anualmente o Fórum Econômico Mundial — o mesmo que promove o encontro na cidade suíça de Davos, que reúne os principais nomes da economia global — seleciona cem empresas de tecnologia que considera mais promissoras.

Neste ano têm destaque as iniciativas que estão desenvolvendo modelos para dar suporte ao combate à pandemia de coronavírus.

Entre as empresas que já foram escolhidas como pioneiras em tecnologia destacam-se grandes nomes da atualidade, como Airbnb, Google, Kickstarter, Mozilla, Palantir Technologies, Spotify, TransferWise, Twitter e Wikimedia.