Neymar Jr. como embaixador da Blaze
Neymar Jr. como embaixador da Blaze (Foto: Instagram)

Em mais uma capítulo da longa novela de polêmicas envolvendo a plataforma de jogos e apostas Blaze, na noite de domingo (17) o Fantástico, da TV Globo, exibiu uma reportagem mostrando detalhes de um processo contra a empresa em São Paulo e denunciando influenciadores que divulgam o site.

Segundo a matéria, a Justiça já bloqueou mais de R$ 100 milhões da Blaze e reuniu indícios de que a plataforma não paga os usuários em algumas situações, principalmente quando os prêmios são maiores.

Publicidade

O Fantástico mostra clientes da plataforma que teriam conseguido vencer em jogos com prêmios que chegaram a R$ 100 mil, porém, ambos tiveram problemas para resgatar os lucros. Nessas ocasiões, sem provar, a plataforma diz que o usuário fraudou o sistema ou que quem usou o site era menor de idade, e decide não pagar o prêmio.

A reportagem destaca os problemas de um dos principais jogos da Blaze, o Crash, também conhecido como “Jogo do Aviãozinho”. Nele, um avião começa a voar e um multiplicador da aposta inicial aparece na tela aumentando de valor até que o apostador decida parar, ganhando o valor inicial multiplicado pelo número de quando ele encerrou o jogo. Porém, se aparecer na tela a palavra Crashed antes dele encerrar, ele perde tudo.

Segundo os especialistas ouvidos pela reportagem, o principal problema é que a oferta de jogos que seguem esse formato são proibidos no Brasil.

O disfarce da Blaze

A Blaze se apresenta inicialmente em seu site como uma plataforma de apostas esportivas, as chamadas bets, que são permitidas no Brasil e que recentemente viu um Projeto de Lei para regulamentar o setor passar no Senado — precisando passar ainda pela Câmara dos Deputados antes de ir para sanção presidencial.

Publicidade

O problema é que dentro do site da Blaze existe uma área chamada de Cassino, em que estão os chamados jogos de azar, como o Crash, que são baseados exclusivamente na sorte do apostador e são proibidos no país.

No início de setembro, a Justiça mandou tirar do ar o site da Blaze por conta das ilegalidades, mas a própria plataforma criou outros endereços de acesso e ensinou seus usuários a burlarem o bloqueio.

Uma das maiores dificuldades para a polícia é o fato de a Blaze não ter sede no Brasil, o que torna complicado fiscalizar a empresa e identificar seus líderes. De acordo com informações da polícia divulgadas pelo Fantástico, relatórios financeiros que constam no inquérito indicam que parte do dinheiro arrecadado pela Blaze é destinada a três brasileiros, que seriam os donos ocultos da empresa.

Enquanto disso, advogados do site dizem que a sede da Blaze fica em Curaçao e que por isso, sua atividade não é ilegal, mesmo que os apostadores sejam brasileiros. Eles também defendem que já existe um outro caso semelhante em que o Ministério Público de SP pediu o arquivamento do inquérito e um juiz revogou a decisão de bloqueio do site.

Publicidade

Influenciadores alavancam a plataforma

A principal estratégia da Blaze é contratar influenciadores para realizar campanhas nas redes sociais, chamando novos usuários e demonstrando o “Jogo do Aviãozinho”, sempre com vitórias.

Entre alguns dos nomes mostrados pelo Fantástico estão a ex-BBB Viih Tube, que disse que assim que tomou conhecimento das denúncias, encerou seu contrato com a empresa, e a atriz Mel Maia, que afirmou que não sabe das investigações e que foi contratada apenas para fazer publicidade para o site.

Já o influenciador conhecido como John Vlogs, por meio de sua assessoria, disse à Globo que tem contrato com a Blaze desde 2021 e que a relação é exclusivamente de influenciador, não havendo participação acionária.

Felipe Neto e Neymar Jr. também são nomes famosos que já promoveram a Blaze, porém eles não foram citados na reportagem do Fantástico.

Em setembro, quando o site original da empresa foi tirado do ar no país, diversas reclamações surgiram na internet, e muitas pessoas foram cobrar explicações do influenciador Felipe Neto, que tem mais de 45 milhões de inscritos em seu canal no YouTube e que já foi grande divulgador da plataforma.

Publicidade

Apesar de defendido pelos advogados da Blaze, o jogo de azar é proibido no Brasil e existem leis que podem punir não só a empresa, mas apostadores e pessoas que fazem a divulgação, como influenciadores.

“O jogo de azar é uma contravenção penal e o influenciador que faz essa propaganda é mecanismo essencial para isso”, explica o delegado da Polícia Civil de SP, Luciano Giaretta, ao Fantástico.

Confira a reportagem completa que circula nas redes sociais:

You May Also Like
Bandeira com o logotipo da Coinbase se mov eao ar l ivre

Coinbase apoia ETF de Ethereum da Grayscale: ‘Virtualmente idêntico a ETFs de Bitcoin’

Citando a configuração técnica e a capitalização de mercado do Ethereum, a Coinbase acredita que a SEC deveria aprovar um ETF spot de ETH
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Nigéria bloqueia sites de exchanges e FTX pode levantar US$ 1 bilhão com IA

Manhã Cripto: Nigéria bloqueia sites de exchanges e FTX pode levantar US$ 1 bilhão com IA

Autoridades da Nigéria bloquearam o acesso a algumas das corretoras na tentativa de frear a forte desvalorização da moeda local
celular com logo da binance e bandeira dos EUA ao fundo

Binance deve pagar R$ 21 bilhões em multas; CZ aguarda sentença

Os promotores americanos classificaram a execução de sexta-feira (23) como a maior penalidade imposta a uma empresa de serviços financeiros na história do DoJ
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) estaciona em US$ 52 mil em meio a apostas de novas máximas; Reino Unido quer regular stablecoins em 6 meses

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) estaciona em US$ 52 mil em meio a apostas de novas máximas; Reino Unido quer regular stablecoins em 6 meses

Bitcoin opera com leve queda na manhã desta terça-feira (20), enquanto o Ethereum teve avanço modesto, ainda abaixo de US$ 3 mil