Imagem da matéria: Exchanges Brasileiras Batalham com Bancos na Justiça Pela Manutenção de Contas
(Foto: Pixabay)

No Brasil, os bancos vêm cancelando as contas correntes de corretoras brasileiras que trabalham com criptomoedas desde 2015. Em resposta a essa atitude, as exchanges resolveram entrar em batalhas judiciais.

Como noticiado pelo Portal do Bitcoin, nos últimos dias surgiram duas associações brasileiras de criptomoedas uma liderada pela Atlas e outra comandada pelas seis maiores corretoras. Ambas têm como foco, além do contato com os reguladores, fortalecer o embate com as instituições bancárias. 

Publicidade

No Brasil, existem mais de dez exchanges de moedas criptografadas. Em menos de três anos, seis delas (Mercado Bitcoin, Foxbit, Walltime, Bitcoin Trade, CoinBR e Braziliex) já foram alvos dos bancos.

O primeiro caso ocorreu com a Mercado Bitcoin. O banco Itaú encerrou a conta da operadora de câmbio de moedas criptografadas em 2015. Outras exchanges também enfrentaram o mesmo problema nos anos seguintes.

Os casos mais recentes foram do banco Inter S/A que bloqueou mais de 3 milhões de reais da Foxbit e do Banco do Brasil que encerraria a conta da Mercado Bitcoin, caso não viesse uma decisão liminar em favor da corretora.

Além desses dois casos, na última sexta-feira (13), o Mercado Bitcoin acionou uma nova ação contra o Banco Santander que tramita na 19ª Vara Cível de São paulo. Como a petição que iniciou o processo foi apresentada na sexta, não há qualquer decisão sobre esse ele.

Publicidade

Em vista dessa série de acontecimentos, confira abaixo os principais casos de batalhas judiciais envolvendo exchanges e bancos.

Mercado Bitcoin

A corretora Mercado Bitcoin tem sido a mais hostilizada por bancos. Depois do Itaú, vieram Bradesco e Santander, além do Banco Brasil, que ameaçou encerrar a conta da exchange no último mês.

A corretora de criptomoedas moveu uma ação judicial contra o Banco do Brasil, após ser notificada que sua conta seria cancelada  no dia 31 de março. O processo tramita na 19ª Vara Cível do TJSP e já teve decisão cautelar em favor da exchange, o que afastou a ameaça.

Excluindo o Bradesco que se recusou a abrir uma conta corrente para a Mercado Bitcoin, todas as outras mantinham conta da corretora e resolveram rescindir unilateralmente.

Em 17 de junho de 2015, o Banco Itaú notificou a Mercado Bitcoin Serviços Digitais Ltda que sua conta seria encerada em 30 dias, sob o motivo de desinteresse comercial de sua manutenção.

Publicidade

A exchange entrou na justiça, mas por fim, o Superior Tribunal de Justiça decidiu em favor do Itaú. O STJ entendeu que a rescisão unilateral do contrato de conta corrente estava de acordo com a Resolução do Bacen n. 2.025/1993.

O caso que envolve o Santander também não foi bom para o Mercado Bitcoin. O juiz da 16ª Vara Cível do TJSP entendeu que o encerramento da conta não inviabiliza a atividade da corretora, pelo fato do banco ter oferecido “prazo para abertura de conta corrente em outra instituição”.

CoinBR

A CoinBR foi outra corretora que teve problemas com o Itaú e o Bradesco, além de ter entrado numa batalha judicial contra o Banco Cooperativo Sicredi.

Essas três instituições bancárias, contudo, tiveram de se abster de encerrar as contas da CoinBR devido às decisões da Justiça.

A CoinBR foi adquirida por fusão ao grupo de Hong Kong de investimentos Stratum.

Foxbit

O Banco Inter S/A, no último mês, tentou encerrar a conta da Foxbit. A operadora, por outro lado, entrou com uma ação judicial e por decisão liminar evitou o cancelamento de sua conta.

Publicidade

O caso foi bastante parecido com o que havia ocorrido anteriormente entre a corretora e o Bradesco pelo mesmo motivo. A justiça resolveu de mesmo modo e manteve a decisão em sentença. O Bradesco, entretanto, apelou e o Tribunal ainda está analisando o recurso.

Braziliex

O Itaú Unibanco S/A também notificou a corretora Braziliex Moedas Virtuais Ltda sobre o encerramento de sua conta. Assim como as demais Exchanges, a Braziliex moveu uma ação judicial.

O processo tramita na 2ª Vara cível do Foro regional de Jabaquara – TJSP, mas não há qualquer manifestação sobre o cancelamento da conta.

BitcoinTrade

Não foi diferente com a BitcoinTrade. A plataforma eletrônica, de propriedade da PeerTrade Digital Ltda, teve problemas com o Santander e o Banco do Brasil, que encerraram as contas da empresa. Em resposta, a companhia recorreu ao judiciário.

Na ação que corre contra o Banco Santander, a 2ª Vara de Cível Regional da Barra da Tijuca do Tribunal do Rio de Janeiro concedeu decisão liminar favorável ao BitcoinTrade. O Santander apresentou agravo de instrumento visando derrubar a liminar, mas não obteve sucesso.

O mesmo sucedeu ao Banco do Brasil. A 51ª Vara Cível do TJRJ decidiu liminarmente que o banco deveria reativar a conta corrente em 48 horas.  O Banco do Brasil, diferentemente do Santander, não agravou a decisão liminar.

Publicidade

Walltime

A startup Walltime tem enfrentado batalhas judiciais contra bancos desde de 2016. A primeira experiência amarga foi quando o Itaú cancelou sua conta. O fato ocorreu logo no início de suas atividades empresariais.

A Walltime entrou com uma ação contra o Itaú, mas não obteve êxito. A 3ª Vara Cível do Foro de Campinas (TJSP) indeferiu o pedido e hoje o caso está arquivado.

Assim como o Itáu, o Bradesco, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal também encerraram as contas da Walltime. Em decorrência disso, a exchange recorreu a justiça sem sucesso com as liminares nos casos contra o Bradesco e o Banco Brasil.

A ação contra a Caixa Econômica Federal, entretanto, foi ajuizada no dia 02 de abril e ainda não houve qualquer decisão. Esse processo, diferente dos demais, tramita na Justiça Federal pelo fato da Justiça Estadual não possuir competência para julgar ações com a Caixa Econômica Federal.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024