Imagem da matéria: Exchange de derivativos começa a exigir reconhecimento facial para saques em bitcoin
Foto: Shutterstock

A Bybit, exchange com sede em Cingapura e uma das maiores plataformas de derivativos de bitcoin, vai implementar o reconhecimento facial em seu processo de verificação de identidade para quem deseja sacar mais de 2 bitcoins por dia. O novo requisito, descrito como “triagem de reconhecimento facial”, já consta na página de ajuda da plataforma na terça-feira (06).

“A nova política é implementar os procedimentos de uma forma mais sistemática, como parte de nossos esforços para alinhar nossos procedimentos KYC (Conheça seu Cliente) com o padrão da indústria”, disse um porta-voz da empresa, segundo o Coindesk.

Publicidade

Ele também confirmou ao site que a Bybit tem procedimentos KYC em certos grupos selecionados de clientes desde o ano passado e que a nova política é implementar o método de uma forma mais sistemática.

A exchange pretende ampliar os serviços para mais perfis a partir do dia 12 de julho, visto que o processo de verificação para a maioria ainda termina na fase do envio de cópias do documento de identidade. “As diretrizes da KYC para serviços financeiros exigem que os profissionais se esforcem para verificar a identidade, idoneidade e riscos envolvidos, de forma a minimizar o risco para a respectiva conta”, descreve o conteúdo da página.

Em resumo, o processo de KYC serve tanto para proteger os fundos dos usuários quanto para cumprir exigências de autoridades que combatem a prática de lavagem de dinheiro e o financiamento ao terrosimo, como o FATF, Grupo de Ação Financeira Internacional.

Exchange virou alvo de regulador do Canadá

Nos últimos meses, os reguladores de Ontário, no Canadá,  redobraram a fiscalização às corretoras que atuam no território e a Bybit foi uma delas. No mês passado, a exchange foi acusada de violar as leis de valores mobiliários da província, onde estão localizadas grandes cidades como Toronto e Ottawa.

Publicidade

De acordo com a denúncia formal, a plataforma descumpriu as leis regionais ao oferecer negociação de derivativos sem ter a devida licença para isso. A Bybit foi a terceira exchange de grande porte a receber essa alerta do governo, junto com a KuCoin e Poloniex. 

Após essas investidas do regulador canadense, a Binance se antecipou ao anunciar o encerramento dos serviços à população de Ontário, se limitando a dizer que tal decisão “faz parte de nossos esforços contínuos de compliance”.

Em março, a Comissão de Valores Mobiliários de Ontário (OSC) avisou que todas as corretoras de criptomoedas deveriam realizar o registro no governo para não enfrentar uma potencial “ação regulatória”.

VOCÊ PODE GOSTAR
bitcoin preso a correntes

Angola proíbe mineração de criptomoedas e China repercute

Embaixada pediu aos chineses que vivem no país sul-africano para não apoiarem ou se envolverem com mineração
Senado, Congresso, Câmara dos Deputados, Brasília, Parlamento

Segregação patrimonial no mercado cripto será tema de audiência pública na Câmara

Na justificativa para a audiência, o deputado Aureo Ribeiro disse que práticas adotadas por algumas exchanges despertam “graves preocupações”
Imagem da matéria: Bitcoin, Ethereum e Solana desabam e R$ 1 bilhão são liquidados do mercado em uma hora

Bitcoin, Ethereum e Solana desabam e R$ 1 bilhão são liquidados do mercado em uma hora

O Bitcoin começou o dia cotado a US$ 71 mil; agora, seu preço desaba para a US$ 66 mil
Baleia dourada envolto a moedas de bitcoin

Baleia adormecida por 14 anos movimenta R$ 17 milhões em Bitcoin

As transações dos 50 BTCs oriundos da recompensa de bloco em 2010 ocorreram nesta manhã de segunda-feira (15)