Imagem da matéria: Ex-vendedores do Mercado Livre criam startup de R$ 36 milhões
(BeCommerce/Divulgação)

*Correção: Diferentemente do que foi informado, Fernando Montera e Frederico Flores são ex-vendedores do Mercado Livre, não ex-funcionários. O título foi corrigido.

Somente em 2018, o número de e-commerces no Brasil quase dobrou, passando de 7.448 lojistas em 2017 para 14.204 no ano seguinte, de acordo com levantamento da Precifica, empresa especializada no monitoramento de vendas em ambiente virtual. Plataformas para facilitar a venda de produtos e serviços, os chamados marketplaces, estão gerando grandes oportunidades de negócio. Para os empreendedores Fernando Montera e Frederico Flores, foi a oportunidade de criar um negócio milionário, noticia a revista Exame.

Publicidade

Os dois ex-vendedores do Mercado Livre, investiram cerca de R$ 50 mil na criação de um software de gestão de vendas pela internet em 2016. Três anos mais tarde, a startup foi comprada pela própria gigante de compra e venda de produtos por R$ 36,5 milhões. A trajetória de empreendedorismo de Fernando Montera e Frederico Flores começou bem antes da fundação da Becommerce, uma das maiores plataformas de gestão de marketplace do Brasil, com mais de três mil usuários.

Montera e Flores se conheceram na adolescência, em um jogo de futebol. Na época, as vendas de artigos eletrônicos importados da China rendiam lucros mensais na casa dos R$ 300 mil à dupla. Com o passar do tempo, a concorrência causou queda da demanda pelos produtos.

Com isso, eles mudaram de rumos e investiram em algo que já estavam acostumados a fazer: gerir espaços de vendas virtuais. Mas, desta vez, o e-commerce de terceiros. Antecessora do modelo de negócio hoje aplicado pela Becommerce, a consultoria, na época prestada somente aos lojistas do Mercado Livre, realizava todo o gerenciamento da venda no ambiente virtual.

Juntando a experiência na operacionalização dos espaços de e-commerce com a crescente demanda dos novos clientes, os fundadores decidiram inserir tecnologia no negócio e criaram um software que permite a gestão de diversas lojas em ambiente virtual. A decisão deu escala à BeCommerce. O investimento inicial para a criação da plataforma foi de R$ 50 mil.

Publicidade

Comprada pelo Mercado Livre por R$ 36,5 milhões, a empresa continua sendo gerida pelos fundadores, mas está atrelada à gigante de e-commerce. Hoje, a empresa tem uma carteira de cerca de três mil clientes que contratam planos mensais. O tíquete médio gira em torno dos 400 reais. Do grande ao pequeno vendedor, a empresa gere marketplaces como Amazon, Submarino, Lojas Americanas e o próprio Mercado Livre.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken