Imagem da matéria: Ex-presidente de clube da Itália é preso por operar pirâmide cripto no Brasil
Paul Mario Baccaglini Frank foi preso na Itália no dia 16 de março (Foto: Reprodução)

Um suspeito de participação em uma pirâmide com criptomoedas que fez vítimas em Santa Catarina foi preso no sábado (16) pela polícia italiana. O homem é Paul Mario Baccaglini Frank, cidadão ítalo-brasileiro que já foi presidente do Palermo Football Club, time profissional de futebol que joga a segunda divisão do campeonato italiano, de acordo com o G1.

As autoridades do país europeu agiram após a Polícia Federal do Brasil indiciar o suspeito por integrar organização criminosa; fazer operar, sem a devida autorização, instituição financeira; apropriar-se de valores de que tem a posse ou desviá-los em proveito próprio ou alheio; estelionato e lavagem de dinheiro.

Publicidade

A operação da PF que resultou no indiciamento de Frank foi deflagrada em maio de 2022 e recebeu o nome Operação Quéfren. Ele é apontado como sócio-oculto da pirâmide, tendo supostamente atuado como operador, captador e destinatário final dos recursos financeiros captados por meio de uma pessoa jurídica entre 2018 e 2021, apropriando-se de valores aportados em montante superior a R$ 10 milhões.

Em 2022, foi expedido mandado de prisão pela 1ª Vara Criminal Federal em Itajaí e, em seguida, foi publicada Difusão Vermelha pela Interpol a pedido do Juízo. Depois de diversas diligências, o investigado foi localizado em Vailate, Itália.

Prejuízo de R$ 15 milhões

A pirâmide teria atuado principalmente na cidade de Balneário Camboriú e lesou ao todo 120 vítimas em um total de R$ 15 milhões.

Segundo investigação da PF, a grupo criminoso era formado por 20 pessoas e começou as atividades em 2019. Os suspeitos captavam recursos por meio de depósitos em dinheiro e em criptomoedas, prometendo rendimentos muito maiores do que os praticados no mercado financeiro.

Publicidade

O grupo parou de pagar em 2021 e alegou que o dinheiro dos clientes estava bloqueado em uma corretora de criptomoedas. Depois, chegou a dizer que o dinheiro tinha sido roubado por uma celebridade italiana.

Mas a PF passou a suspeitar que eram mentiras, com o objetivo de fazer com que evitassem cobrança dos clientes.

VOCÊ PODE GOSTAR
Arte digital mostra mãos operando um celular que projeta moedas

O que é restaking? Tendência polêmica do Ethereum agora é mercado de US$ 8 bilhões 

Protocolos de restaking que permitem gerar nova liquidez com tokens já travados na rede são vistos como “risco sistêmico” por Vitalik Buterin, criador do Ethereum
Silhueta de pessoa jogando videogame À frente de TV

Agência federal de fiscalização dos Estados Unidos começa a olhar para games cripto

Comprar vidas extras ou ganhar tokens em um jogo do tipo play-to-earn equivale a um “banco em games e mundos virtuais”, diz agência
silhueta de executivo triste em frente a computador

Trader que lucrou milhões com manipulação de preços vai a julgamento; caso pode impactar setor DeFi

Trader que lucrou US$ 100 milhões manipulando preços na exchange descentralizada Mango Markets começa a ser julgado hoje nos EUA
Imagem da matéria: Toncoin (TON) valoriza  40% na semana e ameaça ultrapassar Dogecoin

Toncoin (TON) valoriza 40% na semana e ameaça ultrapassar Dogecoin

Uma possível IPO do Telegram contribuiu para o recente aumento no preço do TON, fortalecendo sua posição entre os maiores tokens do mercado