Imagem da matéria: Ex-presidente da SEC está ajudando empresa a obter ETF de Bitcoin nos EUA
Presidente da SEC, Jay Clayton, em conferência (Foto: Paul Morigi/Brookings Institution)

Jay Clayton, ex-presidente da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) e o homem que repetidamente disse que o mercado americano não precisava de um fundo de criptomoedas negociado em bolsa (ETF), agora está ajudando uma empresa com seu próprio pedido de ETF de Bitcoin. 

Nada como um dia após o outro. Clayton, que disse anteriormente que o mercado do bitcoin estava sujeito à manipulação e, portanto, não deveria ter um ETF na bolsa de valores dos Estados Unidos, renunciou à SEC no ano passado para assumir uma posição como consultor de criptomoedas para o fundos de hedge digital One River Asset Management.

Publicidade

Na segunda-feira (24), a One River entrou com um pedido de um ETF de Bitcoin neutro em carbono na SEC. Trata-se da última empresa de alto perfil a fazer isso (a SEC está atualmente analisando oito pedidos) e o mercado está, de acordo com analistas, faminto por esse tipo de produto.

Os ETFs são produtos de investimento populares que permitem às pessoas comprarem ações que representam um ativo subjacente, como ouro ou imóveis. Um ETF de bitcoin permite que os investidores invistam na criptomoeda — ou em outras criptomoedas, como ethereum — sem ter que possuir o ativo. Em vez disso, os investidores compram cotas do fundo, assim como ações, que acompanham o preço do criptoativo. 

O mercado dos EUA ainda não tem um ETF de Bitcoin porque a SEC, sob a supervisão de Clayton, bloqueou todos os pedidos até o momento, citando manipulação de mercado, falta de transparência nos mercados de criptomoedas e potencial falta de liquidez.

Mas os ETFs de Bitcoin e de Ethereum têm sido um grande sucesso no Canadá, que agora já são oito no país. 

Publicidade

O pedido da One River afirma que deseja lançar um ETF de Bitcoin neutro em carbono. A ideia, segundo o requerimento, é que o ETF incorpore a compra de créditos de carbono para minimizar a pegada de carbono do produto. 

“O fundo pretende compensar a pegada de carbono associada ao Bitcoin comprando e distribuindo créditos de carbono necessários para contabilizar as emissões de carbono estimadas associadas aos bitcoins mantidos pelo Trust”, diz o documento.

O pedido da One River ocorre em um momento em que cresce o debate em torno do consumo de energia do Bitcoin: Na semana passada, o CEO da Tesla e investidor de bitcoin, Elon Musk, mandou os mercados para baixo quando ele criticou o impacto ambiental da moeda

Agora parece que a One River quer conquistar potenciais investidores preocupados com a pegada de carbono da moeda com seu pedido na SEC. E com um insider como Clayton por trás da empresa, pode ter uma chance melhor do que a maioria de sair ganhando.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co

VOCÊ PODE GOSTAR
bitcoin

Manhã Cripto: Bitcoin recua 2,2% apesar da queda da inflação nos EUA

Embora os dados macroeconômicos atuais sejam positivos, o Bitcoin ainda busca estabilidade em meio às preocupações pontuais dos investidores
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin sobe acima de US$ 58 mil à medida que ETFs voltam a atrair investidores

Manhã Cripto: Bitcoin sobe acima de US$ 58 mil à medida que ETFs voltam a atrair investidores

Os ETFs de Bitcoin à vista negociados nos EUA captaram US$ 654,3 milhões entre os dias 5 e 9 de julho
Imagem da matéria: Hackers roubam números de telefone de 33 milhões de usuários do Authy

Hackers roubam números de telefone de 33 milhões de usuários do Authy

Como precaução, todos os usuários do Authy devem atualizar seus aplicativos para as versões mais recentes
Bolo de dólares em cima de outras notas

PF da Argentina prende família que lavava dinheiro de contrabando e jogos de azar com USDT

Com o filho preso e a esposa indiciada, o líder da quadrilha, Fabián Di Julio, o “El Gordo”, se entregou na última quarta-feira