Imagem da matéria: Ex-CEO da corretora de bitcoin falida Mt. Gox diz que clientes serão pagos em junho de 2022
Foto: Shutterstock

O ex-CEO da Mt. Gox, Mark Karpelès, disse nesta quarta-feira (24) que irá começar a devolver o dinheiro dos clientes por volta de junho de 2022. A declaração foi feita em seu perfil de Twitter, após uma pergunta de um seguidor.

O seguidor perguntou ao executivo: “Senhor, quando teremos os reembolsos?”. E Karpèles disse: “Creio que por volta de junho de 2022”.

Publicidade

Desde 2014, milhares de pessoas estão com bitcoins presos na empresa. A perspectiva de que estes ativos retornem ao mercado é um medo recorrente para os investidores.

Os bitcoins perdidos da Mt. Gox

O golpe na Mt. Gox foi duro, mas a empresa conseguiu consertar o problema antes de ter todos os ativos roubados. O pouco que sobrou ainda é muito: em março de 2019, um balanço da empresa mostrava que ela possuía 141.686 BTC em sua posse, o que equivale na cotação do momento da publicação deste texto a quase R$ 45 bilhões.

Em outubro deste ano, foi divulgado que os credores da Mt. Gox podem receber mais de US$ 9 bilhões em bitcoin, de acordo com um documento sobre o plano de recuperação enviado ao Tribunal do Distrito de Tóquio.

Aqui, o termo “credores” se refere às diversas vítimas que perderam dinheiro quando a corretora cripto foi hackeada em 2014.

Publicidade

Os olhos do mundo cripto estão atentos a este montante de BTCs parados. Em julho de 2019, a Fortress Investment Group oferceu pagar US$ 900 por bitcoin para os credores da empresa e assumir o crédito no lugar deles.

Mesmo na época, em 2019, esses US$ 900 eram apenas 7% da cotação do bitcoin naquele momento. Mas, por outro lado, eram 200% a mais do que em 2014, quando a corretora quebrou.

O caso MtGox

Mt. Gox foi uma corretora do Japão que se tornou infame na História do setor cripto. A empresa tombou em 2014 quando era responsável por aproximadamente 70% das transações mundiais em bitcoin.

Em fevereiro de 2014, a corretora ficou off-line após problemas de saque começarem no início do mesmo mês. Logo ficou claro que essas falhas eram um presságio de algo bem pior. Um hacker conseguiu roubar 850 mil Bitcoins da corretora, que semanas depois dos primeiros indícios parou de operar.

Publicidade

Quando a Mt. Gox sofreu o colapso, gerou uma queda no preço do bitcoin: de US$ 800 para US$ 400 (uma quantia bem distante dos atuais preços).

Desde o colapso da corretora, tem sido um caminho árduo para credores da Mt. Gox, que lidaram com atrasos no plano de recuperação e altas taxas em uma batalha para recuperar seus fundos perdidos.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Dogecoin está se aproximando de uma "cruz dourada": o que isso significa?

Dogecoin está se aproximando de uma “cruz dourada”: o que isso significa?

Média móvel simples de 50 semanas (SMA) do preço spot da Dogecoin está atualmente em alta e pode passar barreira das 200 semanas
Donald Trump é fotografado em comício nos EUA

Trump agora aceita doações em Bitcoin e cumpre promessa com relação às criptomoedas

Bitcoin, Ethereum, Dogecoin, Solana, Shuba Inu e XRP estão entre criptomoedas aceitas pela candidato Donald Trump 
Imagem da matéria: Coinbase sai do ar durante madrugada após interrupção do sistema

Coinbase sai do ar durante madrugada após interrupção do sistema

Embora a Coinbase tenha informado nesta manhã que o problema estava resolvido, sua página de status ainda indica que o app móvel e site estão com “desempenho prejudicado”
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido