Imagem mostra mix de moeda de bitcoin, formulário de imposto e bandeira dos EUA
Shutterstock

A proposta de redefinição de uma única palavra em uma regra de imposto federal pelo Tesouro dos EUA e pelo Internal Revenue Service (IRS) — a Receita Federal dos EUA —, se adotada, destruiria permanentemente ou empurraria para o exterior qualquer projeto de finanças descentralizadas (DeFi) dos Estados Unidos, disse a Blockchain Association na segunda-feira (13).

Em um relatório contundente de 33 páginas publicado sobre a mudança proposta, o principal grupo de lobby de criptomoedas apresentou um caso elaborado ao IRS sobre o motivo pelo qual uma mudança aparentemente burocrática na definição da palavra “broker” pelo coletor de impostos, proposta pela agência no final de agosto, praticamente destruiria o setor DeFi americano.

Publicidade

Entre outras coisas, a regra ampliaria o termo “broker” para se aplicar a qualquer exchange cripto centralizada que opere nos Estados Unidos ou a qualquer projeto de criptoativos que facilite direta ou indiretamente a transferência de ativos digitais pertencentes a outra pessoa.

Segundo o grupo, isso se aplicaria a qualquer protocolo DeFi, fazendo com que as exchanges centralizadas americanas e os projetos financeiros descentralizados estivessem sujeitos às mesmas regras de relatório que os corretores de títulos e ações.

A Blockchain Association afirma que esse é um padrão impossível de ser imposto aos projetos DeFi.

“Isso levará os projetos descentralizados sediados nos EUA para o exterior ou para a extinção, ponto final”, escreveu Marisa Tashman Coppel, conselheira sênior da Blockchain Association, no Twitter.

A chave para o argumento da Blockchain Association, conforme exposto em sua carta ao IRS, é que todo o objetivo do DeFi é criar sistemas financeiros que não obriguem o usuário a precisar confiar em terceiros, aproveitando contratos inteligentes e automação para evitar que o criador de um projeto tenha controle ou acesso às finanças e informações dos usuários.

Publicidade

“Qualquer tentativa de vincular endereços de carteiras a identidades pessoais criaria um problema sério e permanente de privacidade para esses usuários”, escreveu a Blockchain Association. “Comparável a ter uma vida inteira de transações de cartão de crédito publicadas on-line, isso significaria expor ao mundo todo o histórico de transações de cada usuário.”

“Não é preciso muita imaginação para entender que esse é um resultado inaceitável”, concluiu o grupo.

A regra proposta pelo IRS foi aberta para um período de 74 dias de consultas públicas que terminou na segunda. Nesse período, a regulamentação recebeu mais de 124 mil avaliações públicas. Ontem, o IRS realizou uma audiência pública sobre a norma, após a qual decidirá sobre sua adoção.

Coppel, que discursou na audiência, disse que os reguladores do IRS estavam “engajados e fizeram perguntas ponderadas que sugerem que eles estão levando a sério as preocupações em relação à tecnologia descentralizada, NFTs e stablecoins“.

“Estou cautelosamente otimista”, disse ela sobre os procedimentos. “Muito cautelosa”.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Aprovação hoje dos ETFs de Ethereum é "provável", dizem fontes próximas à SEC

Aprovação hoje dos ETFs de Ethereum é “provável”, dizem fontes próximas à SEC

Fontes disseram à Fox Business que a SEC está se baseando em decisões judiciais recentes para dar o sinal verde aos ETFs de Ethereum
Moeda de Ethereum na frente de gráfico

Ethereum pode surpreender positivamente nos próximos meses, diz Coinbase

Subindo menos que outras criptomoedas em 2024, o Ethereum pode se recuperar e superar seus pares nos próximos meses, avalia a Coinbase
Imagem da matéria: Criptomoeda desaba 99% após hacker invadir projeto e chamá-lo de "copia e cola"

Criptomoeda desaba 99% após hacker invadir projeto e chamá-lo de “copia e cola”

Após derrubar o preço da memecoin NORMIE, hacker ofereceu devolver fundos se os criadores do projeto fizerem melhorias no código
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido