Imagem da matéria: EUA confiscam US$ 28 milhões em criptomoedas de ex-funcionário do governo canadense
Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Imagem: Shutterstack

Mais de US$ 28 milhões em criptomoedas ligadas a um ex-funcionário do governo canadense chamado Sebastien Vachon-Desjardins, foram confiscados pelo governo dos Estados Unidos. Ele foi extraditado para os EUA sob acusações relacionadas ao ransomware NetWalker.

Segundo o Departamento de Justiça (ou DOJ, na sigla em inglês), Vaschon-Desjardins foi acusado de conspiração por fraude computacional e eletrônica, danos intencionais a um computador protegido e transmissão de uma demanda relacionada ao dano a um computador protegido, resultantes de sua suposta participação no NetWalker, uma forma sofisticada de ransomware.

Publicidade

A acusação, citada pelo DOJ, também alega que os Estados Unidos pretendem apreender mais de US$ 27 milhões dos US$ 28 milhões confiscados, supostamente rastreáveis aos proventos dos delitos.

“Conforme exemplificado pelo confisco de criptomoedas por nossos parceiros canadenses, iremos usar todas as plataformas legalmente disponíveis para confiscar e apreender os supostos proventos de ransomware, estejam estes localizados nacionalmente ou no exterior”, disse o subprocurador-geral Kenneth A. Polite Jr.

“O departamento não cessará em procurar e confiscar ransomwares com criptomoedas, impedindo, assim, as tentativas de que agentes de ransomware evitem as autoridades por meio do uso de moedas virtuais”, acrescentou.

Criptomoedas, ransomware e NetWalker

NetWalker é uma forma complexa de ransomware cujas vítimas são de agências de aplicação da lei, entidades comerciais e até do setor da saúde durante a pandemia de COVID-19.

Publicidade

Anteriormente, hackers do NetWalker haviam sido identificados pelas autoridades como os agentes por trás da paralisação das fronteiras internacionais da Argentina em setembro de 2020. Na época, os invasores exigiram US$ 4 milhões em bitcoin (BTC).

Em setembro de 2020, hackers do NetWalker exigiram quase US$ 8 milhões em bitcoin à maior produtora de energia do Paquistão para devolver o acesso aos seus próprios dados após um ciberataque.

Exemplos como esses, bem com os de outros ataques de ransomware, fizeram criptomoedas ascenderem na ampla indústria de ransomware.

Crane Hassold, ex-agente do Departamento Federal de Investigações (ou FBI) e atual diretor de inteligência contra ameaças na Abnormal Security, contou recentemente ao Decrypt que criptomoedas são o “principal elemento” na atual indústria de ransomware.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Como a Binance entrou em pé de guerra com o governo da Nigéria

Como a Binance entrou em pé de guerra com o governo da Nigéria

Nigéria acusa a Binance de facilitar corrupção e outros crimes e já até prendeu executivos da exchange no país
Imagem da matéria: Clientes brasileiros da FTX vivem expectativa de pagamento e medo de novos golpes

Clientes brasileiros da FTX vivem expectativa de pagamento e medo de novos golpes

Grupo de brasileiros se unem no Telegram para tentar entender comunicações da massa falida da FTX em meio ao receio de novos golpes
logo da uniswap com gráficos ao fundo

A semana no Cripto Twitter: Uniswap na mira da SEC e a febre do Bitcoin Runes

O drama jurídico manteve os usuários cripto nervosos esta semana, enquanto a estreia das memecoins em Bitcoin trouxe alguma empolgação
Imagem da matéria: Reforma do Código Civil prevê inclusão de criptomoedas em herança digital

Reforma do Código Civil prevê inclusão de criptomoedas em herança digital

Mudanças do Código Civil incluem o reconhecimento da herança digital, que inclui criptomoedas, além de senhas de redes sociais e de milhas aéreas