moeda de Bitcoin ao lado de letreiro com ETF
Shutterstock

Os fundos negociados em bolsa (ETFs) de Bitcoin à vista estão próximos de completar seu primeiro mês de operação, mas há uma chance de que o campo de ETFs possa encolher até o final do ano, disse o Diretor de Investimentos da Valkyrie Funds, Steven McClurg.

McClurg prevê que, dos dez emissores atualmente em operação, apenas “cerca de sete ou oito” permanecerão. A razão, ele conta ao Decrypt, é que os custos de operar um ETF à vista para Bitcoin podem se provar muito onerosos — especialmente em meio a uma guerra de redução de taxas que pode prejudicar a rentabilidade para emissores que já estão lutando agora.

Publicidade

“Se você não reunir US$ 100 milhões [de ativos sob gestão] até agora, é melhor desistir”, disse McClurg.

Desde que a Comissão de Valores Mobiliários (SEC) concedeu sua aprovação ao primeiro lote de ETFs de Bitcoin à vista em 10 de janeiro, a entrada de fundos foi forte. No primeiro dia de negociação, houve US$ 4,5 bilhões em negociações, um início massivo por qualquer padrão. No último dia, houve outros US$ 400 milhões em entradas, de acordo com o analista da Bloomberg, James Seyffart.

Olhando para trás no último mês, McClurg disse que os eventos do mercado em grande parte estavam alinhados com o que as expectativas da Valkyrie eram antes do lançamento.

A exceção, disse McClurg, foi uma expectativa de maiores saídas do Grayscale, cuja conversão de um fundo para um ETF levou a uma venda de Bitcoin que contribuiu para uma queda no valor para abaixo de US$ 41 mil antes de se recuperar. No entanto, mesmo que essa pressão de venda tenha diminuído ultimamente, McClurg espera que mais saídas possam seguir e ser distribuídas entre outros ETFs.

Com nove outros concorrentes neste espaço, incluindo gigantes de Wall Street como BlackRock e Fidelity, a Valkyrie está enfrentando uma forte concorrência. Desde que recebeu aprovação para lançar, o iShares Bitcoin ETF da BlackRock e o Fidelity Wise Origin Bitcoin Fund já ultrapassaram a marca de US$ 3 bilhões em ativos sob gestão no último mês, enquanto os ETFs da Ark Invest’s 21Shares e da Bitwise viram entradas de mais de US$ 700 milhões também.

Publicidade

À luz disso, McClurg expressou satisfação com o desempenho da Valkyrie, observando que superou ETFs operados por emissores maiores, algo que ele atribui à longa história de sua empresa trabalhando com ativos digitais e nos mercados tradicionais. A Valkyrie viu cerca de US$ 123,7 milhões em AUM em 8 de fevereiro, um número muito menor do que seus enormes pares, mas McClurg diz que vencê-los não é o ponto.

“Você não vai vencer a BlackRock e a Fidelity. Eles têm mercados cativos”, explicou McClurg. “Mas se você descer para o próximo nível, acho que estamos indo muito bem.”

A intensidade da competição entre os ETFs é feroz, e isso é expresso em lugar nenhum mais do que nas rodadas de cortes de taxas que ocorreram antes e depois do lançamento. Esses cortes visam atrair mais investidores, mas vêm com o compromisso de reduzir os retornos de um ETF.

Em 11 de janeiro, a Valkyrie definiu sua taxa de patrocínio para 0,25%, igual às cobradas por BlackRock e Fidelity. Com isso, a Valkyrie espera evitar o foco indesejável de ser uma exceção, disse McClurg, mas ele criticou os cortes como “infelizes” em um estágio tão inicial.

Publicidade

Com os altos custos que vêm com a execução de um ETF à vista, incluindo despesas para segurança e custódia, esses cortes podem se tornar difíceis de sustentar para quaisquer emissores que estejam atrasados agora. São esses desafios para a rentabilidade que levam à previsão de McClurg de que o atual grupo de emissores provavelmente diminuirá até o próximo ano.

“Eu realmente acho que vamos ver alguns dos emissores passando pela dor de cancelar seus ETFs de Bitcoin à vista porque, número um, eles não estão ganhando dinheiro. Número dois, eles nunca vão ganhar dinheiro”, disse McClurg.

“Eu acho que se você quiser identificar quem está desesperado, procure por anúncios de Bitcoin à vista no Super Bowl”, ele adicionou.

*Traduzido com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Conselho nega recurso do “Faraó do Bitcoin” e mantém condenação de R$ 34 milhões da CVM

CRSFN manteve a condenação, no valor total de R$ 102 milhões, a GAS Consultoria, Glaidson Acácio (o Faraó do Bitcoin) e sua esposa Mirelis Diaz
Imagem da matéria: Investidores da Ásia podem impulsionar crescimento do Runes Bitcoin

Investidores da Ásia podem impulsionar crescimento do Runes Bitcoin

Algumas empresas de investimento asiáticas, como o Newman Group, sediado em Hong Kong, já entraram de cabeça nas Runes
Celular com logotipo da BInance

Binance lista três novos pares de negociação com USDC, FDUSD e lira turca

A corretora também vai incluir os novos pares em seu serviço de robôs de negociação (trading bots)
Imagem da matéria: Microstrategy e Michael Saylor irão pagar US$ 40 milhões em acordo de processo fiscal

Microstrategy e Michael Saylor irão pagar US$ 40 milhões em acordo de processo fiscal

Procurador-geral disse em 2022 que Saylor se envolveu em um “esquema fraudulento” para evitar o pagamento de impostos