Mirelis Yoseline Diaz Zerpa- Esposa do Faraó do Bitcoin
Mirelis Yoseline Diaz Zerpa, esposa do Faraó do Bitcoin (Foto: Reprodução/YouTube)

A família da venezuelana Mirelis Zerpa, esposa de Glaidson dos Santos, o “Faraó do Bitcoin”, manteve uma rede de empresas no exterior para lavar dinheiro da GAS Consultoria, a pirâmide financeira criada por Glaidson.

Segundo reportagem do jornal O Globo desta terça-feira (18), a nova informação decorre de clientes lesados que foram ouvidos por especialistas locais.

Publicidade

Um dessas companhias funcionou na Colômbia por cerca de três anos para injetar dinheiro de origem desconhecida no mercado de câmbio local. A empresa, identificada como Consultoria Y Tecnologia Avanzada S.A.S, estev operacional entre março de 2020 e dezembro de 2022 na cidade colombiana de Medellín.

O objetivo, segundo as testemunhas, seria lavar dinheiro para ocultar os ganhos oriundos de golpes em vários países do esquema transnacional de pirâmide financeira criado pela GAS Consultoria.

Conforme apurou O Globo, a Consultoria Y Tecnologia Avanzada foi registrada nos nomes de Noiralis Zerpa, irmã de Mirelis, e Juan Pablo Bonilla Guzman, que teriam sido usados como ‘laranja’’.

Noiralis também é investigada por ter recebido 10 bitcoins em uma conta na Binance em dezembro de 2021; na época, esse conjunto de BTCs valia mais de R$ 2 milhões.

Publicidade

Sobre o esquema montado por Glaidson e Mireles, outras duas empresas no mesmo formato da GAS Consultoria já haviam sido identificadas, sendo uma Portugal, “KasteloKódigo Unipessoal Ltda”, e outra nos EUA, “EYD Investment”, cuja sede era em Miami, descreve a publicação.

No caso da EYD, trata-se de uma empresa na modalidade LLC, onde os sócios não precisam residir nos EUA. De acordo com um auditor da Receita Federal consultado pelo O GLOBO, essas empresas podem ser usadas em operações de lavagem de dinheiro no exterior, “pois os seus donos não são obrigados a declarar a movimentação financeira ao fisco americano”.

Procurados pelo O Globo, os advogados de Mirelis, Ciro Chagas e André Hespanhol, disseram que não têm qualquer informação sobre as pessoas e empresas citadas.

Esposa do Faraó do Bitcoin

Apesar de ter recebido um habeas corpus no ano passado — após ter gravado uma série de vídeos se defendendo das acusações contra a Gas Consultoria, Mirelis está foragida do Brasil desde que Glaidsoin foi preso na Operação Krytpos da Polícia Federal, em agosto de 2021. 

Publicidade

Ela é acusada de formar junto com o marido uma organização criminosa suspeita de prática de pirâmide financeira, cuja isca era investimentos em criptomoedas, além de uma acusação de homicídio contra Glaidson.

Ele criou os negócios fraudulentos a partir da cidade de Cabo Frio, no Rio de Janeiro, onde prometia até 10% de rendimentos ao mês para as pessoas que aportavam dinheiro na empresa.

Quando foi alvo da PF e MPF, as autoridades encontraram na casa de Glaidson várias malas de dinheiro, contendo pelo menos R$ 13 milhões, carros de luxo, joias e 591 bitcoins. 

No fim de dezembro, a Justiça do Rio de Janeiro decidiu que Glaidson Acácio dos Santos vai a júri popular por acusação de homicídio agravado pela prática de extermínio de seres humanos.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Arthur Inc lança uma nova operação  de mineração de Bitcoin nos Estados Unidos

Arthur Inc lança uma nova operação de mineração de Bitcoin nos Estados Unidos

Área de 6.800 m² possui capacidade energética 15MW, equivalente ao abastecimento energético de oito shoppings center de grande porte
Ilustração de moeda NOT dourada com logotipo do jogo Notcoin do Telegram

Notcoin salta 10% após número de carteiras ativas diárias igualar com o Ethereum

Os jogos baseados em Telegram estão causando a explosão da The Open Network, com Notcoin liderando todo o mercado de criptomoedas nas últimas 24 horas
Ariana Grande posa para foto

Memecoin ‘Michi’ salta 18% após Ariana Grande compartilhar a foto do gato

A estrela pop publicou o meme antes da valorização do Michi, gerando debate sobre se ela sabe ou não da conexão do meme com as criptomoedas
Imagem da matéria: Polícia da Alemanha movimenta R$ 712 milhões em Bitcoin e faz depósitos em corretoras

Polícia da Alemanha movimenta R$ 712 milhões em Bitcoin e faz depósitos em corretoras

Dois depósitos foram feitos para a Kraken e Bitstamp e indicam que as autoridades alemãs começaram a vender parte dos 50 mil BTC que controlam