Imagem da matéria: Empresa que gere US$ 1,3 trilhão de ativos lança ETP de bitcoin na Europa
Foto: Shutterstock

A Invesco, empresa americana de investimentos que possui US$ 1,3 trilhão de ativos sob gestão, firmou uma parceria com a fornecedora de índices cripto CoinShares para lançar um produto negociado em bolsa (ou ETP, na sigla em inglês) lastreado em bitcoin (BTC).

Um ETP é parecido com um fundo de índice (ou ETF) por rastrear o desempenho de uma ativo específico ou instrumento financeiro.

Publicidade

Bem importantes para investidores tradicionais, esses instrumentos financeiros facilitam a obtenção de exposição a cripto sem ter de armazenar o ativo. ETPs lastreados em cripto também estão ganhando forma na Europa, principalmente na Alemanha e na Suíça.

Listado no Deutsche Börse Xetra, o mercado alemão acionário para fundos de capital e ETFs, o ETP Invesco Physical Bitcoin (BTIC) é 100% lastreado em alocações em bitcoin.

BTIC rastreia o índice CoinShares Bitcoin Hourly Reference Rate para apresentar seu desempenho de preço, menos uma taxa anual e fixa de 0,99%.

Serviços de custódia para o novo produto são fornecidos pela Zodia Custody, uma empresa britânica de criptoativos registrada na Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido (ou FCA).

Publicidade

A Invesco foi uma das primeiras empresas americanas a solicitar um ETF de futuros de bitcoin em agosto, logo após Gary Gensler, presidente da Comissão de Valores Mobiliários e de Câmbio dos EUA (ou SEC), ter sugerido uma preferência para tal produto em vez de um ETF puramente de bitcoin, diretamente ligado ao ativo.

No entanto, a empresa decidiu não seguir em frente com sua solicitação em outubro, citando a insistência da reguladora na exposição de 100% aos futuros de bitcoin, além de outros motivos.

A mudança de direção da Invesco

Ao comentar sobre a decisão de lançar um ETP puramente de bitcoin na Europa em vez de um produto baseado em futuros de bitcoin, Gary Buxton, líder da EMEA ETFs e de estratégias indexadas na Invesco, afirmou que “bitcoin puro é um mercado bem mais visível”.

“Uma das nossas preocupações foi a profundidade da liquidez sintética, bem como o que isso pode fazer com as avaliações ao longo do tempo e é algo com o qual não estamos completamente confortáveis”, afirmou Buxton em entrevista ao ETF Stream.

Publicidade

Ele também revelou que BTIC está sob desenvolvimento desde 2018 conforme a Invesco “tenta estruturar um produto que parecia, a partir de uma perspectiva institucional, o mais próximo possível de um ETF tradicional”.

De acordo com Buxton, grande parte das discussões da Invesco com clientes era sobre formas de obter exposição à maior criptomoeda do mundo e como se sentir confortável com sua avaliação.

Enquanto isso, em termos nacionais, a Invesco ainda espera obter aprovação de seu ETF spot de bitcoin, enviado em conjunto com a Galaxy Digital em setembro.

No entanto, na expectativa de que a SEC conceda o lançamento de tal produto, uma iniciativa de um ETP europeu de bitcoin é bem justificável, pelo menos da perspectiva dos investidores.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização de Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com o logo da CVM e notebook aberto no site da Comissãod e Valores Mobiliários

CVM reconhece ativo de blockchain como token de pagamento

Dynasty Global AG recebeu na última semana a classificação do D¥N como um token de pagamento pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).
Bob Burnquist

Bob Burnquist e sua cruzada para empoderar os artistas por meio da Web3

O skatista é membro ativo de duas DAOs e participou do Ethereum Rio para falar sobre como as comunidades estão se tornando um novo meio de conexão para os artistas
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Imagem da matéria: Ministério Público contrata empresa para rastrear transações com criptomoedas

Ministério Público contrata empresa para rastrear transações com criptomoedas

Segundo o MPF, contratação é para “sistema de identificação, monitoramento, rastreamento, pesquisa e análise de transações eletrônicas com uso de criptomoedas”