Imagem da matéria: Empresa brasileira anuncia fundo regulado de criptomoedas que não existe
Foto: Shutterstock

Uma empresa brasileira chamada Mercurius Crypto vem divulgando o lançamento do ‘primeiro fundo de gestão ativa fundamentalista em criptomoedas regulado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM)’. O produto, contudo, não existe.

O site do órgão regulador não aponta nenhum produto financeiro em nome da empresa. Além disso, os responsáveis não têm registro no Cadastro Geral de Regulados. Ou seja: eles não têm autorização para gerir ou administrar fundos.

Publicidade

Questionada pela reportagem sobre a ausência de informações na CVM, a Mercurius Crypto, que se apresenta como casa de análise e pesquisa em criptoativos, disse que na verdade teria adquirido o CNPJ do ‘Leblon – Fundo de Investimento Multimercado Investimento no Exterior’, da fintech Vórtx, e que iria fazer a transferência do nome até outubro.

O fundo Leblon existe e está inscrito no número 37.211.528/0001-10, mas o produto financeiro nunca foi repassado para a casa de análise. Segundo as regras da CVM, uma mudança dessa natureza deve ser comunicada no mesmo dia ao órgão regulador. No site do regulador, ainda consta que o fundo pertence à Vórtx.

Fundo diz não ter relação com a Mercurius Crypto

Consultada pelo Portal do Bitcoin, a Vórtx disse em nota que não tem qualquer relação com a Mercurius Crypto. Falou ainda que vai tomar as medidas cabíveis:

“A Vórtx, na qualidade de administradora do fundo e sua representante legal, não reconhece nenhum relacionamento do fundo com a Mercurius Crypto e, diante dos fatos questionados, a Vórtx irá averiguar a situação e tomar as medidas cabíveis para o exato cumprimento das normas da CVM”.

Publicidade

“Ainda, a Vórtx afirma que o fundo não possui relacionamento com prestadores de serviço que não os informados no regulamento do fundo ou com outros distribuidores do mercado que não a própria Vórtx”.

Site da CVM (Imagem: Reprodução)

Mudança de versão e erro

Questionada pela segunda vez, a Mercurius Crypto mudou mais uma vez o posicionamento e disse que cometeu um erro ao divulgar o fundo.

“No release, falamos que o fundo foi desenvolvido pela Mercurius em parceria com uma gestora de recursos independente, mas é a gestora que tem a autorização da CVM e o fundo é dela. A Mercurius é um parceiro contratado para desenvolver estudos sobre o mercado de criptomoedas”.

“Dessa forma, a informação de que o CNPJ do fundo está sendo adquirido realmente está errada. Demos uma pausa nas nossas comunicações e estamos ajustando todos os nossos materiais”.

Publicidade

Logo após as perguntas da reportagem, a Mercurius Crypto tirou do ar a página do suposto fundo. No lugar das informações do produto financeiro agora aparece um erro 404.

As informações, no entanto, ficaram salvas no cache como é possível ver abaixo.

Print da página retirada do ar

Diversos veículos de imprensa, contudo, já publicaram a informação incorreta. Atualmente a Mercurius fornece conteúdo para a corretora Coinext. No passado, também produzia relatórios para a Foxbit. Conforme a exchange, a relação comercial não está mais em vigor.

VOCÊ PODE GOSTAR
Close na mão de candidato preenche gabarito com lápis preto

Novo concurso do BNDES pede conhecimento em criptomoedas e blockchain; Salário é de R$ 20,9 mil

São 900 vagas para vários cargos, incluindo cadastro de reserva e cotas para candidatos negros e pessoas com deficiência
Imagem da matéria: "Jogo do Tigrinho" deve ser liberado pelo governo do Brasil; veja regras

“Jogo do Tigrinho” deve ser liberado pelo governo do Brasil; veja regras

A liberação do “Jogo do Tigrinho” deve ser feita por meio de portaria que será emitida pelo Ministério da Fazenda
Closem em mãos de um homem que usa algemas

Suspeito de desviar R$ 30 milhões da Gerdau e converter em Bitcoin é preso por esquema com Nego Di

Em 2020, a metalúrgica Gerdau foi vítima de um roubo de R$ 30 milhões por meio de transferências de contas do banco Santander
mão segura celular com logo do whatsapp

WhatsApp pirata pode estar minerando criptomoedas no seu celular sem você saber

Conhecidos como WhatsApp GB, Aero e Plus, as cópias não autorizadas do app oficial da Meta podem abrir portas para vazamento de mensagens, fotos e áudios, dizem especialistas