Imagem da matéria: É possível comprar no Brasil ações da Coinbase, a corretora que pode valer US$ 100 bilhões?
Foto: Shutterstock

A Coinbase, corretora de criptomoedas dos Estados Unidos que pode valer US$ 100 bilhões, confirmou no início deste ano que vai abrir capital. Não há data oficial para a abertura, mas há rumores de que possa ocorrer ainda neste mês.

Apesar de a corretora estar no exterior, brasileiros também podem comprar as ações da empresa, que serão listadas na bolsa americana Nasdaq. Em um leilão privado no início deste mês, as ações foram negociadas em US$ 350 e US$ 375, segundo a Bloomberg.

Publicidade

Para abocanhar um pedaço da exchange, é preciso abrir uma conta em uma corretora de valores nos Estados Unidos, segundo Guilherme Renato Zanin, analista de investimentos na Avenue, corretora norte-americana que atende investidores brasileiros.

“Depois de se cadastrar na plataforma, qualquer investidor, seja pessoa física ou um fundo de investimentos, pode emitir ordens de compras. Existe uma taxa padrão de remessa internacional sobre o valor, que varia entre 0,5% a 1,2%”, disse Zanin.

Além da Avenue, existem outras corretoras de valores internacionais que atendem brasileiros.

Listagem direta

Conforme detalhes publicados pela Coinbase em seu blog, a abertura de capital será feita por meio de listagem direta (direct listing), e não por meio de uma IPO (Oferta Inicial de Ações).

Nessa modalidade, uma companhia lança seus títulos na Bolsa de Valores sem o intermédio de bancos, como costuma ocorrer na IPO.

Publicidade

No dia da abertura de capital, que ainda não foi definido, a Nasdaq organizará um leilão das ações, onde os investidores poderão emitir ordens de compra. “Nesse momento as ações ainda não têm preço. O valor final será definido nesse leilão”, disse Zanin.

A listagem direta é um jeito mais barato de abrir capital, pois não há tantas taxas. Em 2008, o gigante de streaming de música Spotify se tornou público por meio dessa modalidade e economizou milhões.

Por outro lado, é uma forma mais arriscada, visto que não há uma contraparte para garantir o valor das ações ou mesmo a recompra.

Em um IPO, por exemplo, existe a figura do subscritor (underwriter), que estabelece previamente o preço dos ativos mobiliários, apresenta para possíveis compradores e, caso não sejam vendidos, garante a recompra deles.

Publicidade

Coinbase em números

A Coinbase será a primeira exchange a ter capital aberto. Em documento enviado à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) no final do mês passado, a exchange revelou os números e a ‘saúde’ do negócio.

A exchange teve, por exemplo, receita líquida de US$ 1,14 bilhão em 2020, ante US$ 483 milhões no ano anterior. Além disso, registrou lucro líquido de US$ 322 milhões no ano passado.

No total, a corretora tinha 43 milhões de usuários verificados em 2020. A Bolsa de Valores Brasileira, em comparação, tem hoje apenas 3,5 milhões investidores.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Merge Madrid: encontro Web3 promete unir Europa e América Latina em outubro

Merge Madrid: encontro Web3 promete unir Europa e América Latina em outubro

De 8 a 10 de outubro, pontos chave da cidade de Madri atrairão o ecossistema Web3 sob uma perspectiva de negócios, legal e técnica
Imagem da matéria: As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

Enquanto outras empresas gastam milhões em candidatos pró-cripto, Joe Lubin diz ao Decrypt que a Consensys resistiu ao impulso
Imagem da matéria: Biografia do criador da FTX mostra uma balança (ainda) desregulada | Opinião

Biografia do criador da FTX mostra uma balança (ainda) desregulada | Opinião

“Sem Limites” de Michael Lewis (Editora Harper Collins), é uma obra que explora os erros do mercado através da vida e carreira de SBF
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink