Imagem da matéria: Doleiro que vai devolver R$ 1 bilhão revelou esquema com bitcoin, diz CNN Brasil
Dario Messer (Foto: Reprodução/CNN)

O doleiro Dario Messer, que fechou um acordo dentro da Lava Jato para devolver R$ 1 bilhão, revelou na delação premiada dados de esquemas que usam bitcoin e outras criptomoedas para evasão de divisas. As informações são da CNN Brasil.

Conforme o canal de notícias, que teve acesso a pessoas com conhecimento do acordo firmado com o Ministério Público Federal e com a Polícia Federal, Messer disse que crimes cometidos com criptomoedas são um novo filão.

Publicidade

O homem chamado de o “doleiro dos doleiros” afirmou que não chegou a usar o esquema, mas traçou um perfil dos, digamos, concorrentes de lavagem: seriam jovens, com amplo domínio de computadores e, muitas vezes, baseados fora do Brasil.

A nova geração

O tema parece já ser de conhecimento das autoridades. No início de junho, durante evento online promovido pelo ministério da Economia, o gerente de prevenção e combate à lavagem de dinheiro do Banco do Brasil Vinicius Santana disse que o bitcoin e outras criptomoedas têm substituído o papel dos doleiros na função de envio de dinheiro ilícito para o exterior.

“A gente percebeu que houve em muitos casos uma migração para mandar dinheiro para o exterior por meio de bitcoin e outras criptomoedas”, disse ele.

Para exemplificar a comparação, Santana descreveu como um processo fraudulento de importação pode usar o bitcoin para remeter dinheiro ao exterior. Um papel que, segundo ele, antes era exercido basicamente por doleiros.

Publicidade

O doleiro dos doleiros

Messer, réu na Operação Lava Jato, suspeito de ter efetuado esquemas milionários de lavagem de dinheiro, vai devolver quase R$ 1 bilhão, conforme, conforme anunciado na quarta-feira (12). A informação foi divulgada pela assessoria do MPF.

De acordo com a força-tarefa da Lava Jato no Rio, o acordo permitirá a coleta de provas para investigações em andamento, tendo já fornecido depoimentos juntados aos autos de processos decorrentes de três investigações sobre esquemas que teve Messer como figura-chave.

Entre essas, está as operações Câmbio, Desligo, sobre esquema de lavagem de dinheiro a partir do Uruguai e que movimentou mais de US$ 1,6 bilhão; Marakata, sobre transações de dólar-cabo para lavar dinheiro em contrabando de esmeraldas; e Patrón, referente ao braço no Paraguai da organização de lavagem de dinheiro liderada por Messer.

Segundo o MPF, o acordo prevê que Messer deverá cumprir pena, inicialmente fechado, de até 18 anos e 9 meses de prisão, com progressão de regime. Outra cláusula previu a renúncia, em favor dos cofres públicos, de mais de 99% do seu patrimônio, estimado em cerca de R$ 1 bilhão.

Publicidade

Os bens incluem imóveis de alto padrão e valores no Brasil e no exterior, além de obras de arte e um patrimônio no Paraguai ligado a atividades agropecuárias e imobiliárias, que deverão fundamentar um pedido de cooperação com as autoridades paraguaias para sua partilha com o Brasil.

Messer, conhecido como “o doleiro dos doleiros”, foi preso em julho de 2019, em uma casa em São Paulo, após ficar foragido desde maio de 2018 .

(Com Agência Brasil)

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte
Banco Central se reunirá hoje com Facebook para debater proibição do WhatsApp Pay

“Inserimos com o Drex o conceito de tokenização nos sistemas dos bancos”, diz Campos Neto

O presidente do BC participa do Emerging Tech Summit, evento do Valor Capital Group em São Paulo
logo do bitcoin em cima de livro

Goiânia recebe lançamento do livro “101 Perguntas Sobre Bitcoin”

A obra da Editora Portal do Bitcoin escrita pelo engenheiro Breno Brito serve como um guia para compreensão da criptomoeda mais popular do mundo; veja como participar
Fachada do MPDFT - Facebook

PM que atraía colegas de farda para pirâmide com criptomoedas é alvo do MP do DF

O policial militar e um grupo suspeito de pessoas e empresas teriam aplicado um golpe de R$ 4 milhões; alvos do MPDFT são do DF e GO